Aprender a ler: fatores e influências - A Mente é Maravilhosa

Aprender a ler: fatores e influências

fevereiro 28, 2018 em Psicologia 77 Compartilhados
Aprender a ler: fatores e influências

Aprender a ler é um processo lento e progressivo que requer a aplicação prática de diversas habilidades cognitivas e extralinguísticas. Ainda assim, existem inúmeros fatores que influem direta ou indiretamente na aquisição deste hábito, especialmente nas crianças. Se levarmos isso em consideração, elas poderão não apenas se adaptar à leitura, mas também fazer dessa aprendizagem algo interativo e divertido.

Estes fatores podem ser divididos em emocionais, físicos e intelectuais. No entanto, muitas vezes, o último fator tende a ser considerado como fundamental, porém é certo que os de ordem psicológica e ambiental também podem ser as causas do sucesso ou fracasso do leitor. Vamos dar uma olhada em cada um deles.

Aprender a ler: fatores emocionais

Um dos ingredientes essenciais para a aprendizagem da leitura é a atitude educacional dos pais e professores. Em muitas ocasiões, ainda que, felizmente, não em todas, certas condutas dos adultos podem dificultar muito esse processo para as crianças.

Mãe lendo com sua filha

Este é o caso, por exemplo, da superproteção. Se o pequeno se sente excessivamente mimado e protegido, quando confrontado com novos desafios é muito provável que sinta muita insegurança e acabe se esquivando. Igualmente, a permissividade excessiva diminui a disciplina pessoal, a responsabilidade e a aquisição de bons hábitos. A falta de regras pode levar a criança a se sentir desmotivada diante da realização de uma nova atividade que possa requerer algum tipo de esforço.

Igualmente, uma pressão excessiva por parte da família e do professor também influi negativamente sobre a criança. Comentários como “Você deveria ter aprendido isso há tempos” ou “Você está atrasado em relação aos seus companheiros” acabam com a moral e trazem desânimo, podendo, inclusive, levar a criança a desistir.

O pior é que esta decepção e relutância em aprender a ler tende a atingir tudo o que for relacionado à escola. Deste modo, vemos surgir o temido fracasso escolar, acompanhado de um inevitável sentimento de inferioridade por parte do pequeno. Também podem surgir problemas de adaptação e interação em seu grupo de iguais.

Fatores físicos

A visão e a audição são funções fisiológicas essenciais no que diz respeito a uma habilidade de leitura sólida. Na verdade, existem autores que consideram que a capacidade auditiva é, inclusive, mais importante do que a visão em estágios elevados de aprendizagem da leitura.

A falta de acuidade visual ou o equilíbrio dos músculos oculares podem afetar a capacidade de leitura. Igualmente, as hipoacusias (diminuição da capacidade auditiva) também afetam o processo. No entanto, se ambas as dificuldades forem detectadas antes dos 3 anos de idade, existem melhores perspectivas para o desenvolvimento linguístico e da leitura.

Fatores intelectuais

São muitos os estudos que avaliam a maturidade precoce das meninas em relação aos meninos. Essa antecipação intelectual é creditada ao maior domínio do hemisfério esquerdo. Assim, a leitura realizada “por” esse hemisfério cerebral tende a ser feita com menos erros e com uma maior compreensão.

Assim, um primeiro requisito para que a criança aprenda a ler corretamente é uma lateralização hemisférica ou, pelo menos, uma preferência por usar um dos dois lados do corpo. Isso evitaria interferências de indiferenciação cerebral inter-hemisférica. Uma vez apresentada essa falta de lateralização, podem aparecer uma série de distúrbios que influenciam a leitura, tais como dificuldades ortográficas e de escrita.

Criança lendo livro

Compreender e ler

Ainda que pareçam iguais, não o são. Quantas vezes nos sentamos para ler um livro e cinco minutos depois percebemos que não entendemos nada? Prestar atenção é fundamental para compreender o que estamos lendo. Do contrário, apenas veremos um conjunto de letras, sem processá-las cognitivamente.

Compreender requer uma série de processo extralinguísticos que ultrapassam as características léxicas e semânticas das palavras. Entre elas, interpretar, contextualizar, resolver problemas e tirar conclusões. Compreender é mais do que puramente sensorial (visão e audição). É construir ativamente o conteúdo do texto, o máximo da pirâmide de leitura. É decodificar uma mensagem.

A influência da família na leitura

Quanto mais estimulante for o ambiente da criança, mais benéfica será a contribuição dada. Por isso o peso dos pais no processo de aprendizagem da leitura de seu filho é de importância crucial. Além disso, o hábito de leitura tido pelos pais também possui uma influência decisiva em tal aquisição.

Pai lendo livro para os filhos

Existem diferenças significativas entre crianças cujos pais leem frequentemente e crianças sem esse leitor de referência. Por exemplo, pais que possuem o hábito da leitura são mais propensos a ler um livro para seus filhos antes de dormir ou a ter em casa estímulos que incitem a leitura, como revistas, jornais e livros.

Por outro lado, alguns dos sintomas que aparecem com frequência em crianças que falham em aprender a ler é uma timidez excessiva ou a tendência em corar com muita facilidade. É comum que também desenvolvam sentimentos de inferioridade e que se mostrem um tanto egocêntricos. Também podem manifestar hábitos nervosos fruto de um estado interno de ansiedade, e desenvolver condutas como roer as unhas ou insônia. Por isso, é necessário estar extremamente atento a essas situações para evitar essa sensação de fracasso e infelicidade generalizada. E lembre-se, a importância concedida à família influencia a capacidade de aprender a ler.

Recomendados para você