Alguma vez você já caiu na armadilha do messias?

Alguma vez você já caiu na armadilha do messias?

janeiro 20, 2018 em Psicologia 239 Compartilhados
Alguma vez você já caiu na armadilha do messias?

Se o nível de envolvimento de uma pessoa que se dispõe em uma atitude de empatia com a outra for excessivo (seja por intensidade ou por frequência), ela corre o risco do que alguns autores chamam de ‘armadilha do messias’: amar e ajudar os outros, esquecendo-se de amar e ajudar a si mesmo. 

A armadilha do messias se alimenta de pessoas que se envolvem excessivamente com o sofrimento alheio, seguindo o lema: “se eu não fizer, ninguém vai fazer”. Nesse sentido, se só levamos em consideração os pontos de vista, desejos e emoções dos outros, a convivência vai se tornar desigual.

A partir desse ponto de vista, não se pode confundir o ato de nos colocarmos no lugar do outro com nos instalarmos no lugar do outro. De alguma maneira, essa viagem de empatia é necessária para entender o outro. Mas também pode ser realmente perigosa quando ficamos presos aos demais.

As pessoas que estão convencidas de que as necessidades dos outros sempre têm preferência sobre as suas próprias deixam que os demais condicionem suas ações, descuidando de si mesmas. O problema é que essa falta de cuidado não pode ser suprida pelo cuidado que os outros oferecem, ou a pessoa vai precisar que os outros ofereçam um cuidado muito maior para não perceber a carência. Algo que, por outro lado, poucas vezes acontece.

Não precisamos tanto da ajuda dos outros quanto necessitamos da confiança nessa ajuda.
Compartilhar

Pessoa ajudando a outra a subir montanha

Esquecer-se de si mesmo para cuidar dos outros

Para as pessoas que caíram na armadilha do messias, cuidar se transforma na sua maneira de oferecer amor. Ninguém impõe que elas precisam cuidar dos outros. Elas costumam se dar muito bem com pessoas que buscam cuidado ou que precisam ser cuidadas, entrando repetidas vezes em relações pessoais desequilibradas e alimentando dependências.

Nesse momento em que nossa vida começa a ser a última coisa de que cuidamos, por estarmos sempre pendentes da vida dos outros, acabamos enfrentando situações de verdadeiro conflito interior, sentimentos de confusão, sufoco constante e, em alguns casos, até mesmo estados de depressão por não poder lidar com tudo.

Para não entrar nesses estados emocionais negativos, é bom se lembrar de que as necessidades dos outros, em primeira instância, têm que ser atendidas por eles mesmos, e apesar de não haver nada de errado em ajudar se estiver em nossas mãos, são eles, em última instância, que precisam fazer isso e é sobre eles que deve cair essa responsabilidade. Além disso, se quisermos oferecer uma ajuda verdadeira, é fundamental cuidar de nós mesmos, senão não contaremos com força suficiente para sermos realmente úteis.

Cada vez que nos esquecemos de nós, deixamos de fazer alguma coisa que queremos para fazer alguma coisa que os outros querem. Estamos avivando sentimentos de culpa ou sofrimento. O que nos impulsiona a estar sempre pendentes das necessidades das pessoas ao nosso redor? Amor, medo da rejeição, necessidade de se reafirmar ou de ser reconhecido, sentimento de culpa?

Tentar ficar bem com todo mundo, colocar as ideias dos outros na frente das nossas, realizar favores que não queremos fazer e que, até mesmo, temos uma boa razão para não fazer, nunca pedir ajuda aos outros para não incomodar, e cuidar de outras pessoas, mas não de nós mesmos, são comportamentos que se manifestam quando cuidamos dos outros por medo, por sentimentos de culpa ou pela necessidade de reconhecimento. É nesses momentos que caímos na “armadilha do messias”, podendo sofrer danos consideráveis nessa queda.

Mulher olhando pela janela

Ensinamento budista sobre a armadilha do messias

Um monge, imbuído da doutrina budista do amor e da compaixão por todos os seres, encontrou no seu peregrinar uma leoa ferida e faminta, tão fraca que não conseguia nem se mexer. Ao seu redor, leõezinhos recém-nascidos gemiam tentando extrair uma gota de leite de seus mamilos secos. O monge compreendeu perfeitamente a dor, o desamparo e a impotência da leoa. Não apenas por ela, mas principalmente pelos seus filhotes. Então, se deitou ao lado dela, oferecendo-se para ser devorado e, assim, salvar a vida da mãe e dos filhotes.

A história budista mostra com clareza o risco do envolvimento excessivo no sofrimento alheio nas relações interpessoais. Um risco visível nessa grande carga que carregam as pessoas que poucas vezes olham para dentro de si e ouvem seus próprios pedidos de ajuda. Entregues, mas não feridas, dispostas a dar todo o amor e a não ficar com nada para elas mesmas, até esse próprio vazio acabar pouco a pouco com elas, sem que saibam identificar muito bem o que é que as faz sofrer.

“Ajude seus semelhantes a carregarem seus pesos, mas não se considere obrigado a carregar por eles.”
-Pitágoras-

Recomendados para você