O arrependimento: um sentimento inútil? – A mente é maravilhosa

O arrependimento: um sentimento inútil?

21, março 2015 em Emoções 0 Compartilhados
arrependimento

“Cometi o pior dos pecados que um homem pode cometer. Não fui feliz. Que os glaciares do esquecimento me arrastem e me percam, desapiedados.” Assim começa o poema intitulado “O Remorso”, escrito por Jorge Luis Borges. Nestes primeiros versos, se nota o sentimento de arrependimento que nasce em uma pessoa quando sabe que fez algo que não está certo.

Nestas linhas, o escritor se arrepende de ter deixado escapar a felicidade. No nosso dia a dia, protagonizamos ações cotidianas que nos geram pesar e desassossego. Há outros tipos de arrependimento, como preocupações menores que simplesmente nos lembram que agimos mal e contrariamente aos nossos princípios. Se estamos de dieta e comemos um doce, nos invade um sentimento de culpa por ter somado calorias que não deveríamos ter ingerido.

O remorso é um sentimento muito associado a outra emoção, o arrependimento. Todos cometemos erros e nos arrependemos disso, mas há ocasiões em que a “culpa” se transforma em uma carga emocional tão pesada que pode influenciar negativamente nosso bem-estar pessoal ou as relações com nosso entorno.

Mas há autores, como Wayne Dyer, que descrevem a culpa como uma emoção inútil. Dyer destaca essa postura baseando-se na ideia de que “a culpa significa que você despreza seus momentos presentes, estando imobilizado por causa de um comportamento passado”. Por isso, ele propõe transformar a culpa em uma lição, de modo a aprender com nossas falhas passadas para não ficarmos imobilizados por elas, mas optar por dar uma solução a essa situação que nos cria certo mal-estar.

Pedir perdão ou lavar as mãos?

Reparar estes pensamentos negativos dependerá de várias circunstâncias. Nem todas as ações têm as mesmas consequências, já que algumas causam mais danos que outras, mas sempre é possível pedir perdão e aliviar esse dano. É importante assumir a responsabilidade pelo que se fez, pois será sempre melhor aceitar o erro do que culpar a outros para nos livrarmos dessas responsabilidades.

Contudo, existem pessoas com a capacidade de limpar sua consciência com água e sabão. Todos lembramos da cena de Pilatos, que após tomar uma decisão conflitante, se dirigiu a um lavatório para se lavar as mãos. Segundo um estudo realizado por um grupo de pesquisadores da Universidade de Michigan, nos EUA, fazer isto pode ajudar a eliminar o remorso. Aparentemente, tal como apresenta o estudo, a água com sabão serve para reduzir o mal-estar que sentimos ao agir contrariamente ao que pensamos.