As bactérias intestinais podem influenciar as emoções?

As bactérias intestinais podem influenciar as emoções?

novembro 30, 2017 em Curiosidades 386 Compartilhados
As bactérias intestinais podem influenciar as emoções?

Temos seguido durante séculos o famoso slogan “Mens sana in corpore sano“. E, embora o significado que lhe damos agora esteja longe do original, a verdade é que um corpo saudável realmente é o lar de uma mente saudável. Entre os inúmeros testes que apoiam isso, encontramos a detalhada pesquisa que nos últimos anos provou que as bactérias intestinais podem influenciar as emoções.

Existe uma estreita relação entre o intestino e o cérebro

Todos nós conhecemos esse sentimento de sentir “borboletas no estômago”. As pesquisas recentes descobriram que realmente pode haver alguma verdade nesta metáfora. Desde o início do século 21, os cientistas têm investigado o vínculo entre as bactérias que vivem nos intestinos e a saúde mental.

No entanto, isso não é novo. Já no início do século XX, médicos e cientistas escreveram muito sobre como o conteúdo do cólon – especialmente as bactérias nocivas que vivem lá – pode contribuir para a fadiga, depressão e neurose.

Mulher sentindo dor de barriga

Embora os primeiros estudos e hipóteses sobre a influência das bactérias intestinais no cérebro tenham sido descartados como sendo considerados pseudocientíficos, nos últimos 15 anos os cientistas começaram a reexaminar a ligação entre o intestino e o cérebro. À medida em que mais estudos são feitos, os pesquisadores estão descobrindo que a comunicação entre o intestino e o cérebro é realmente uma via de mão dupla.

O cérebro influencia funções imunológicas e gastrointestinais, que podem alterar a composição do microbioma intestinal. Por sua vez, as do intestino produzem compostos neuroativos, neurotransmissores e outros metabólitos que podem atuar no cérebro. Foi descoberto, em pesquisas em camundongos, que alguns desses compostos também podem influenciar a permeabilidade da barreira hematoencefálica, o que evita que substâncias nocivas no sangue entrem no cérebro.

As bactérias intestinais e o humor

Alguns anos atrás, a comunidade científica começou a estudar como, especificamente, as bactérias intestinais podem influenciar as emoções. Por exemplo, há alguns anos sabemos que os micro-organismos do intestino secretam um grande número de substâncias químicas e que, entre esses produtos químicos, estão as mesmas substâncias utilizadas pelos nossos neurônios para se comunicar e regular nosso humor, como a dopamina, serotonina e ácido gama-aminobutírico (GABA). Estes, por sua vez, parecem desempenhar um papel nas doenças intestinais que coincidem com altos níveis de depressão e ansiedade.

Além disso, há muito tempo já sabemos que uma grande parte do nosso suprimento neuroquímico se origina no intestino, onde esses sinais químicos regulam o apetite, sentimentos de plenitude e digestão. No entanto, foi somente há alguns anos que a pesquisa considerou seriamente o papel que os micróbios desempenham na liberação desses produtos químicos muito especiais.

Como as bactérias intestinais podem influenciar as emoções

Recentemente, pesquisadores da UCLA identificaram a microbiota intestinal que interage com as regiões cerebrais associadas ao humor e ao comportamento. Esta pode ser a primeira vez que as diferenças comportamentais e neurobiológicas associadas à composição microbiana em seres humanos saudáveis ​​foram identificadas, já que investigações anteriores foram realizadas em animais.

Flora intestinal

Este estudo reafirma que as interações cerebrais-microbiota podem desempenhar um papel importante na nossa saúde e mesmo em nosso comportamento. Pesquisas anteriores já sugeriram que a microbiota, a comunidade de micro-organismos no intestino, pode influenciar o comportamento e a emoção.

Mas o intestino influencia o cérebro ou o cérebro influencia o intestino? Não está claro se é o intestino que está influenciando o cérebro e seu desenvolvimento ou se é o cérebro que está influenciando o intestino. Os pesquisadores advertem que é difícil extrair conclusões causais – que vão além da associação – pois este ainda é um campo jovem, no qual a maioria dos estudos em larga escala ainda está em andamento.

A importância das bactérias intestinais

A pesquisa sobre a influência das bactérias intestinais sobre a função cerebral continua em andamento. Ainda há muito a descobrir e esclarecer. Até agora, as diferentes rotas de pesquisa esclareceram que:

  • A microbiota intestinal é uma grande população que é importante para o metabolismo saudável e a função cerebral.
  • As vias de comunicação intestino-cérebro incluem conexões neuronais.
  • A microbiota intestinal é importante durante o desenvolvimento precoce e pode influenciar a “fiação” de circuitos de estresse no cérebro.
  • Probióticos, ou “bactérias boas”, podem ter um impacto benéfico sobre os sintomas de humor.

Não há dúvida de que a microbiota é um importante modulador de saúde e emoções, que devem ser consideradas como parte de um sistema de comunicação complexo e multifacetado, necessário para estabelecer um equilíbrio saudável no desenvolvimento do cérebro. Então, enquanto estamos atentos ao que a ciência descobre, melhor cuidar dos nossos corpos e estarmos atentos às mensagens que estes podem nos enviar.

Recomendados para você