Biografia de Coco Chanel: um ícone da elegância

A vida de Coco Chanel foi repleta de sucessos, tragédias e criatividade em sua maior expressão. Ela é um ícone da moda que mudou para sempre a maneira como as mulheres se vestem em todo o mundo.
Biografia de Coco Chanel: um ícone da elegância

Última atualização: 30 Maio, 2021

Hoje falaremos sobre a biografia de Coco Chanel, uma lenda do mundo da moda. Muitos a consideram a estilista mais importante do século XX. Ela mudou para sempre o mundo da moda feminina, principalmente porque foi a primeira a defender a ideia de que as mulheres também podiam usar roupas masculinas.

Também foi Coco Chanel quem derrubou o mito de que a moda deve ter muita parafernália e extravagância, popularizando a simplicidade e o conforto, critérios que continuam atuais. Embora não fosse seu propósito real, ela é uma das personalidades que mais contribuíram para o feminismo.

“Durante a minha infância, eu só queria ser amada. Todos os dias eu pensava em como tirar minha vida, embora, no fundo, eu já estivesse morta. Apenas o orgulho me salvou”.
-Coco Chanel-

A vida de Coco Chanel foi bem controversa. Como costuma acontecer com grandes figuras, ela teve várias experiências dolorosas que começaram na sua infância. Apesar disso, ela se tornou uma grande designer, empresária, líder e também centro de escândalos em várias ocasiões.

Os primeiros anos de Coco Chanel

Os primeiros anos da biografia de Coco Chanel

Coco Chanel nasceu em um hospício em Saumur, na França, em 19 de agosto de 1883. Seu nome verdadeiro era Gabrielle, dado pelas freiras do estabelecimento. Ela era filha de um vendedor ambulante e de uma camponesa com poucos recursos financeiros. Ela tinha quatro irmãos: Antoinette, Alphonse, Lucien e Augustin, que morreu ao nascer.

Todos eles cresceram em condições miseráveis. Sua mãe sofria de asma e recebeu poucos cuidados. Ela morreu de bronquite quando Coco tinha 11 anos. Depois disso, Coco e a irmã foram enviadas para uma casa de caridade administrada por freiras. Lá, elas foram submetidas a uma disciplina extrema, mas aprenderam a bordar, costurar e passar a ferro.

Aos 18 anos, Coco foi enviada para outro internato em Moulins, onde conheceu sua tia Adrianne, apenas dois anos mais velha que ela. As duas se tornaram inseparáveis ​​até a morte.

Para Coco Chanel, seu passado triste e miserável era motivo de vergonha. Muitas vezes ela inventava histórias para tentar escondê-lo.

De aprendiz à mestra

Com sua tia Adrianne, Coco Chanel começou a trabalhar como assistente de um alfaiate em Moulins. Lá, elas aprimoraram suas habilidades de costura e aprenderam a fazer chapéus.

Gabrielle também gostava de cantar, e até conseguiu um contrato para fazer isso. Sempre pediam que ela cantasse a música Quem viu Coco no Trocadéro? (Qui qu’a vu Coco dans l’Trocadéro?). A partir daí, ela adotou o pseudônimo que a tornaria famosa.

Ela começou a desenhar e, posteriormente, a vender chapéus, obtendo um sucesso notável. Naquela época, ela conheceu Etienne Balsan, por quem se apaixonou. Foi ele quem a apresentou a ambientes de luxo e extravagância. Ele a levava para corridas de cavalo, o que a fez decidir pedir calças a um alfaiate para se sentir confortável.

Coco e Etienne foram para Paris juntos. Lá, ela conheceu Arthur Capel. Com a ajuda dele e de Etienne, Coco abriu seu primeiro negócio formal de chapéus. Em 1910, graças a Capel, ela fundou a primeira mansão Chanel em Paris. Finalmente foi morar com Capel, por quem havia se apaixonado há muito tempo.

Um sucesso inquestionável

A partir daí, tudo foi sucesso para Coco Chanel. Sua fama começou a crescer e ela, que nunca fugiu de desafios, consolidou seu estilo cada vez mais. A simplicidade, o conforto e a ousadia se tornaram sua marca registrada. Ela engravidou do companheiro, mas acabou abortando o bebê, e assim perdeu para sempre a possibilidade de ser mãe.

Após 8 anos, Arthur Capel a deixou para se casar com uma nobre. Depois de um tempo, ele deixou sua esposa e voltou para Coco. Mais tarde, Coco desenhou um vestido de noiva para sua irmã. No entanto, por conta da sua infelicidade com o casamento, sua irmã se suicidou. Desde então, a marca Chanel nunca mais desenhou vestidos de noiva.

Em 1919, Capel, seu grande amor, morreu em um acidente de carro. Coco Chanel viveu dias difíceis, mas depois voltou ao trabalho. Ela, então, introduziu o uso de pele de coelho nas roupas, sendo um sucesso retumbante. Mais tarde, ela conheceu Igor Stravinski e os dois se apaixonaram perdidamente.

Coco Chanel é um ícone da moda

O fim inesperado da biografia de Coco Chanel

O relacionamento com Igor Stravinski durou algum tempo, mas ele era casado. Coco Chanel, então, conheceu o duque Dimitri, um nobre expulso da Rússia que havia sido um dos assassinos do famoso Rasputin. Os dois começaram a ter um caso. Ele a presenteou com as pérolas da dinastia Romanov que havia conseguido salvar. Coco deu início a uma moda a partir desse presente.

Mais tarde, ela introduziu a moda da saia na altura dos joelhos, pois até então apenas a saia longa era usada. Em 1921, ela lançou seu famoso perfume Chanel n° 5, contendo 80 componentes. Ele se tornou um clássico. Ela também lançou a moda do “vestido preto”, que antes era usado apenas para o luto.

Posteriormente, ela se tornou designer oficial da MGM em Hollywood. Em 1934, ficou noiva de Paul Iribe, que morreu pouco depois vítima de um ataque cardíaco. Ela, então, teve um caso com um oficial alemão.

Continuou a ter sucesso até seus 80 anos, quando chamou sua empregada e disse: Você está vendo? É assim que se morre”, e morreu.

Pode interessar a você...
ACS: O Assassinato de Gianni Versace, os motivos de Cunanan
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
ACS: O Assassinato de Gianni Versace, os motivos de Cunanan

'ACS: O Assassinato de Gianni Versace' nos apresenta uma realidade dura e trágica. Andrew Cunanan assassinou o mítico designer italiano.



  • Urrea, I. (1997). Coco Chanel: la revolución de un estilo. Ediciones Internacionales Universitarias.