Biografia de Jackson Pollock, um gênio do pensamento janusiano

Jackson Pollock gera um grande interesse em quem estuda as artes, mas também é interessante para a psicologia. Ele retrata seu interior em suas telas, revela seu inconsciente e mantém um diálogo entre artista e obra.
Biografia de Jackson Pollock, um gênio do pensamento janusiano

Última atualização: 01 Maio, 2021

Hoje queremos mergulhar na biografia, pensamento e obra de um dos mais importantes pintores expressionistas abstratos do mundo, Jackson Pollock. Trata-se de um artista que possuía uma personalidade volátil que desencadeou o alcoolismo contra o qual ele lutou ao longo de toda a sua vida. A verdade é que toda a sua magnífica obra parece estar ligada, de uma forma ou de outra, aos seus problemas psicológicos.

Ele morreu prematuramente em um acidente de carro, embora tenha conseguido obter um notável sucesso profissional ainda em vida.

Ele inventou uma técnica artística chamada dripping, na qual vários elementos, como a força da gravidade, o movimento de seu corpo, a consistência sutil da tinta e a tela deitada no chão se uniam. Essa técnica revolucionou o mundo da arte e a forma de pintar.

A criação deste tipo de pintura foi desenvolvida durante a internação do artista para recebimento de tratamento psiquiátrico após o diagnóstico de um transtorno maníaco depressivo. Parece que foi durante o período de recuperação que ele começou a fazer experiências com a pintura dessa maneira. Alguns profissionais o identificaram com um processo janusiano.

O início da biografia de Jackson Pollock

Jackson Pollock nasceu em Wyoming em 1912 em uma família presbiteriana. Seus primeiros anos foram passados ​​no Arizona e na Califórnia. Neste último lugar, Pollock iniciou seus estudos em arte, mas sua natureza rebelde lhe rendeu a expulsão de duas escolas diferentes quando era muito jovem.

Em 1930 ele se mudou com seu irmão para Nova York e ambos participaram da Art Student League de Nova York. Seu professor foi Thomas Hart Benton, uma figura que inspirou um uso rítmico da tinta que teve um impacto profundo em Pollock. Ele passou por diversos períodos criativos, mas foi sua técnica de dripping que lhe deu reconhecimento internacional.

Estúdio de Jackson Pollock

Naquela época, esse extraordinário gênio da pintura tinha problemas com o abuso do álcool, uma substância que ele usava para aliviar o que pareciam ser sintomas de um grande distúrbio psicológico.

Em sua busca para combater o alcoolismo, Pollock se submeteu à psicoterapia junguiana com vários médicos de prestígio. Foi um deles, o Dr. Henderson, que o encorajou a se expressar através de sua arte.

Em outubro de 1945 Pollock casou-se com Lee Krasner, uma pintora americana com quem morou na costa sul de Long Island, Nova York. Pollock converteu o celeiro da casa da família em seu estúdio e ali aperfeiçoou sua técnica de dripping.

Em 11 de agosto de 1956 chegamos ao fim da biografia de Jackson Pollock, quando ele perdeu a vida prematuramente em um acidente de carro por dirigir alcoolizado.

O transtorno bipolar de Jackson Pollock

O diagnóstico da doença mental de Pollock como um transtorno bipolar é bastante recente e é moldado em torno do relatório de Henderson sobre o paciente. Nesse relatório, seu médico descreve períodos de agitação violenta que se alternavam com paralisia ou abstinência. Outro relatório de um de seus médicos o definiu como um maníaco-depressivo.

Esse diagnóstico recente de transtorno bipolar foi construído, por sua vez, com a ajuda das descrições da esposa de Pollock sobre as mudanças nos estados emocionais de seu marido.

“O que Jackson sentiu, ele sentiu mais intensamente do que qualquer pessoa que eu já conheci; quando estava zangado, ficava mais zangado; quando estava feliz, era mais feliz do que qualquer pessoa; quando ele ficava quieto, ele ficava mais quieto”.
-Lee Krasner-

Pensamento janusiano

O pensamento janusiano é um conceito que fala sobre como a capacidade de ver as coisas a partir de perspectivas opostas permite a resolução de problemas. Foi aplicado especialmente em termos de criatividade máxima.

Nesse sentido, criatividade, inovação e disrupção andariam de mãos dadas com a assimilação e compreensão dos opostos, para posteriormente colocá-los em uso de formas nunca antes planejadas. É um processo consciente e longe da rigidez mental e irracionalidade dos processos patológicos.

Durante a época em que parecia ter passado por grandes melhorias, Pollock frequentemente falava da ideia de trabalhar sua arte ocultando e expressando símbolos simultaneamente. Nessa época, nasceu sua pintura por dripping, que é um exemplo do processo janusiano. Ou seja, conceber ativamente vários opostos.

A figura de Jackson Pollock é um bom exemplo daqueles artistas cujas obras combinam arte com psicologia. Ambas se fundem e dialogam com o próprio criador, a obra vem dele, nasce do seu interior, do seu inconsciente e, de alguma forma, a obra flui e ganha vida própria.

“Quando estou na minha pintura, não tenho consciência do que estou fazendo. Só depois de uma espécie de período de ‘familiarização’ é que vejo o que fiz. Não tenho medo de fazer mudanças, destruir a imagem, etc., porque a pintura tem vida própria. Eu tento deixar pra lá. Só quando perco o contato com a tinta é que o resultado é um desastre. Do contrário, há uma harmonia pura, um dar e receber fácil, e a pintura sai bem”.
-Jackson Pollock-

Pode interessar a você...
Caravaggio, a biografia do pintor das sombras
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Caravaggio, a biografia do pintor das sombras

Conheça a biografia de Caravaggio, um pintor renomado do século XVI que pintou usando efeitos contrastantes entre claro e escuro.



  • Emmerling, L. (2003). Pollock. New York: Taschen.
  • Naifeh, Steven; Smith, Gregory White (1989). Jackson Pollock: an American saga. Clarkson N. Potter.