Como agir diante do bullying intelectual?

Quem pratica o bullying intelectual se percebe no topo da hierarquia de todos os cenários. Ele rebaixa os outros, os menospreza e os ridiculariza ao se sentir superior a qualquer pessoa ao seu redor.
Como agir diante do bullying intelectual?

Última atualização: 09 Julho, 2021

É preciso ter cuidado com o bullying intelectual. Quase não se fala dele, mas esse tipo de abuso é insidioso. São aquelas figuras que se valem de um tipo de autoridade moral percebida como mais culta do que a maioria e não hesitam em aplicar uma série de comportamentos tão desrespeitosos quanto mesquinhos. Da mesma forma, são perfis que já exibem esses traços desde a infância.

Esse estilo de arrogância muitas vezes esconde um claro complexo de superioridade que leva, mais cedo ou mais tarde, a comportamentos claramente agressivos. Assim, embora seja verdade que existem vários tipos de abusos psicológicos, este beira um abismo um pouco mais único e até desconcertante.

Às vezes, podemos encontrar grandes figuras em nossa sociedade que admiramos por uma faceta específica (por ser um grande escritor, um grande cientista ou um homem de negócios notável) e, no entanto, em particular podemos descobrir algo surpreendente. Percebemos que às vezes a inteligência não anda de mãos dadas com o respeito humano, a compreensão, e muito menos com a empatia.

Vamos analisar.

Casal discutindo

O bullying intelectual é tão perigoso quanto o físico

Quando falamos de bullying, geralmente vem à mente a criança que, na escola, agride, humilha e encurrala um ou mais colegas. No entanto, esquecemos que além do bullying físico, também podemos encontrar o bullying intelectual. Este último configura um tipo de realidade que, embora passe mais despercebido, também deixa vítimas.

A Universidade de Sheffield realizou um estudo clássico nos anos 90 em que alertava que o bullying e o abuso têm muitas formas de se manifestar. Embora seja verdade que quase sempre o identificamos como aquele comportamento agressivo em que não faltam empurrões, socos ou insultos, também temos o abuso psicológico que ocorre nas redes sociais e o abuso intelectual.

Os valentões intelectuais não nascem, são feitos pouco a pouco desde a infância. Enquanto uma parte dos valentões “clássicos” das escolas costumam ser o resultado de desajustes sociais, ansiedade ou família disfuncional, o valentão intelectual está acima dessa hierarquia.

Trabalhos de pesquisa como os realizados nos Estados Unidos, Finlândia, Irlanda e nos Estados Unidos indicam que algumas das crianças que fazem bullying tendem a ter conceitos muito positivos de si mesmas (Kaukianien et al 2002; Collins e Bell 1996; Pollastri et al 2010 ). Um exemplo disso são os valentões intelectuais. Vamos conhecer suas características.

O que caracteriza os valentões intelectuais?

Os valentões intelectuais são crianças ou adultos com um QI acima da média. Têm conhecimentos e domínio de muitas áreas e podem se apresentar como especialistas absolutos em uma determinada disciplina. Essa vantagem, a de saber mais do que os outros, faz com que percebam a si mesmos como superiores aos demais.

  • Em média, eles se comportam de maneira desrespeitosa e maldosa com aqueles que os cercam.
  • São emocionalmente abusivos.
  • Gostam de ridicularizar, fazer piadas, subestimar e expor os outros.
  • Seu comportamento é sempre exagerado. Usam uma linguagem presunçosa e exagerada para mostrarem seus conhecimentos sofisticados e, assim, serem capazes de menosprezar aqueles que estão à sua frente.
  • Possuem uma grande “artilharia verbal”, ou seja, são muito bons em intimidar e abusar por meio da palavra. Eles não precisam recorrer ao insulto para machucar.
  • Precisam ser o centro das atenções.
  • São pessoas muito sensíveis e altamente reativas. Se ofendem com facilidade e, no mínimo, reagem agressivamente.
  • Apresentam uma empatia muito pouco desenvolvida.
Colegas de trabalho discutindo

Como lidar com o bullying intelectual?

A criança que aplica comportamentos de intimidação física e violenta na escola pode ser educada. Com o tempo, esse comportamento geralmente desaparece com programas de intervenção adequados. No entanto, os valentões intelectuais que surgem na infância continuam a sê-lo na idade adulta. De alguma forma, eles presumem que o abuso intelectual não é comparável ao abuso físico. No entanto, é tão prejudicial quanto.

O que podemos fazer nessas circunstâncias? Como lidar com esses tipos de perfis?

Estratégias eficazes

Esse tipo de perfil mostra uma síndrome de superioridade acentuada, à qual comumente se acrescenta um padrão narcisista. Assim, em vez de fazer uso de sua vantagem intelectual de forma humilde, para promover o bem-estar dos outros, eles deturpam esse dom, deixando vítimas pelo caminho.

  • Uma primeira estratégia é fazer algo que os valentões intelectuais detestam: ignorá-los. Afinal, se há algo de que precisam, é ser o centro das atenções e demonstrar aos outros o que sabem. Não ouvi-los e não prestar atenção neles é uma estratégia básica com grande eficácia.
  • Devemos ter em mente que eles são muito hábeis no uso da palavra. É importante não jogar esse jogo nem responder defensivamente. Se queremos/precisamos responder a eles, devemos manter a calma interna, porque se há algo que eles querem é nos fazer perder os nervos.
  • Vamos deixar claro que não vamos tolerar o seu comportamento: maltratar, criticar, menosprezar.

Por último, mas não menos importante, é muito apropriado ter o apoio de outras pessoas para relatar esse tipo de comportamento. Às vezes, os valentões intelectuais habitam os ambientes das empresas, criando um clima de trabalho desgastante. Envolver todos os afetados para agirem diante dessa figura é algo necessário em muitos casos.

Pode interessar a você...
4 formas sutis de abuso psicológico
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
4 formas sutis de abuso psicológico

O perigo das formas sutis de abuso psicológico é a sua própria natureza. No início, geralmente passam despercebidas. Saiba mais sobre o assunto.



  • Rivers, Ian & Smith, Peter. (2006). Types of Bullying and Their Correlates. Aggressive Behavior. 20. 359-368. 10.1002/1098-2337(1994)20:53.0.CO;2-J.
  • Pollastri AR, Cardemil, O’Donnell EH. Self-Esteem in Pure Bullies and Bully/Victims: A Longitudinal Analysis. Journal of Interpersonal Violence. 2010;25(8):1489-1502. doi:10.1177/0886260509354579