Capital psicológico: o que é e como promovê-lo

Os trabalhadores com altos níveis de capital psicológico lidam melhor com tarefas difíceis porque as percebem como um desafio ou um desafio. Quais são as consequências dessa perspectiva vital? Neste artigo, vamos falar sobre isso!
Capital psicológico: o que é e como promovê-lo
Gorka Jiménez Pajares

Escrito e verificado por o psicólogo Gorka Jiménez Pajares.

Última atualização: 20 maio, 2023

O capital psicológico refere-se a uma série de variáveis de personalidade relacionadas ao bem-estar no trabalho. Trabalhadores com altas pontuações nessas variáveis têm vantagem na adaptação a situações difíceis. Eles são mais proativos, então se sentem melhor e têm um desempenho melhor no trabalho.

Neste ponto, devemos falar sobre o estresse do papel. As demandas do trabalho podem se tornar poderosos estressores de trabalho. Se os trabalhadores precisam se esforçar mais e se esse excesso se torna a norma e não a exceção na manutenção de seu nível de produção, as consequências podem ser negativas.

Assim, o estresse do papel refere-se a circunstâncias como carga de trabalho intensa e excessiva, brigas com colegas e conflitos com supervisores, bem como ambigüidade nas tarefas que têm de realizar (trabalhadores que “fazem muito, mas não sabem bem o que está fazendo”).

“A exaustão seria a consequência do estresse do papel.”

-Bernardo Moreno-Jiménez-

Mulher estressada no trabalho
O capital psicológico permite lidar com o estresse no trabalho.

O que é capital psicológico?

O capital psicológico é um recurso de trabalho. Especificamente, é um conceito que engloba quatro variáveis positivas de personalidade. Essas pessoas têm a percepção de que são eficazes nas tarefas que desempenham, são otimistas, resilientes e muitas vezes vivenciam a esperança. Além disso, um quinto elemento pode ser incluído no conceito de capital psicológico: personalidades resistentes.

Este recurso constitui uma boa maneira pessoal de enfrentar o estresse do papel que mencionamos. Tem sua origem na psicologia positiva aplicada ao campo organizacional e consiste em um estado psicológico positivo de pessoas que:

1. Eles são percebidos como autoeficazes

A autoeficácia tem a ver com a crença de que temos os recursos para realizar uma determinada tarefa com sucesso. Trata-se de visualizar o final, criando uma imagem mental que nos guiará ao longo da tarefa, dividindo-a em fases, assimilando os resultados obtidos e reforçando-nos de acordo.

Essas pessoas estão confiantes em suas possibilidades e é difícil dominá-las, mesmo em situações desafiadoras. Trabalhadores que se percebem como autoeficazes tendem a apostar e se comprometer com tarefas difíceis. Diante da possibilidade do fracasso, eles crescem e se esforçam mais.

“Pessoas altamente confiantes em suas habilidades veem tarefas difíceis como desafios a serem superados, em vez de ameaças a serem evitadas.”

-Albert Bandura-

2. Eles são otimistas

Essa emoção está recebendo muita atenção da psicologia positiva. Pessoas otimistas percebem que seus resultados são delas, ou seja, assumem grande parte de seus sucessos . O otimismo das pessoas com alto capital psicológico é orientado tanto para o presente quanto para o futuro.

“Pessoas otimistas tendem a esperar que o futuro lhes traga resultados favoráveis.”

-Consuelo Morán Astorga-

3. São resistentes

A resiliência é um processo ativo. É a capacidade de continuar trabalhando apesar das dificuldades. Para fazer isso, as pessoas resilientes ajustam seu comportamento às demandas do ambiente. Quando ocorrem eventos adversos do trabalho, essas pessoas continuam trabalhando e lutando pelo que querem. Na maioria das vezes, eles aprendem de forma diferente da virada, se recuperam e continuam lutando.

«Os maus momentos têm um valor; São ocasiões em que todos podemos aprender.”

-Ralph Waldo Emerson-

4. Eles têm esperança

A esperança é a emoção da qual nasce o comportamento perseverante. Trabalhadores esperançosos são pessoas que perseguem seus objetivos, e se os caminhos para alcançá-los são infrutíferos, procuram outros que lhes permitam chegar a um bom porto.

Juntamente com a vitalidade, é uma das emoções que mais está ligada à percepção de satisfação e bem-estar. A esperança é uma emoção muito positiva que dá às pessoas força de vontade para atingir os objetivos que estabelecem para si mesmas.

“Onde uma porta se fecha, outra se abre.”

-Miguel de Cervantes-

5. Sua personalidade é resiliente

É um traço de personalidade típico de pessoas firmes e fortes. A personalidade resistente surge diante de situações intensamente adversas e engloba uma série de comportamentos aprendidos em diferentes períodos da vida. Entre as suas características podemos encontrar as seguintes:

  • Eles participam e estão engajados em atividades desafiadoras. São pessoas que lidam bem com desafios.
  • Eles aprenderam a modular suas emoções, seus pensamentos e os comportamentos que estão experimentando.
  • Eles percebem as situações adversas como cenários ideais para a aprendizagem.

Aqueles que têm uma personalidade resistente apresentam menor tendência a sofrer de estresse porque fazem uso de uma gama mais ampla de recursos de enfrentamento.

Mulher pensando em liderança resiliente
Funcionários com personalidades resilientes são trabalhadores de fluxo e se identificam com seu trabalho.

Como podemos promover o capital psicológico?

Existem diferentes maneiras de fomentar e promover o capital psicológico:

  • Através das chamadas “conquistas de execução”. Se escolhermos deliberada e conscientemente tarefas que consideramos difíceis e formos bem-sucedidos em concluí-las, nossa percepção de autoeficácia aumentará.
  • “Se você pode, eu posso”. Quando vemos outras pessoas enfrentarem tarefas difíceis e saírem vitoriosas, é possível que nos identifiquemos e cresça dentro de nós um desafio que queremos resolver. Essa estratégia é baseada na modelagem social.
  • Lide ativamente com os problemas. O enfrentamento ativo é o oposto da evitação. Se o problema for muito grande, você pode tentar dividi-lo e resolver cada parte separadamente. Consiste na aplicação de ações concretas a problemas definidos.
  • Faça uso do humor. O humor é um bom companheiro para relaxar e se conectar com os outros.
  • Apoie-se nos outros. As redes sociais que tecemos ao nosso redor podem ser amortecedores poderosos que diminuem o impacto de eventos estressantes. Além disso, o apoio social entre os colegas de trabalho promove uma melhor comunicação, aspecto relacionado ao bem-estar.
  • Evite rotular os problemas como “intransponíveis”. Caminhar pela vida com a perspectiva de que os problemas podem ser superados é uma forma potencialmente mais adaptativa de reagir.

Desta forma, o capital psicológico é um recurso que todos os trabalhadores podem potencializar. Assim, percebeu-se que pessoas com alto capital psicológico sabem lidar melhor com situações de trabalho e emocionalmente complicadas. Na verdade, é considerado um potencial fator de proteção contra a síndrome de burnout.

Novas pesquisas sobre capital psicológico apontam para a ideia de que as empresas, além de treinar seus trabalhadores em habilidades instrumentais, devem promover variáveis de personalidade como as descritas em seus trabalhadores.

“No coração de todos os invernos vive uma primavera pulsante, e atrás de cada noite, surge um amanhecer sorridente.”

-Khail Gibran-

Pode interessar a você...
Filosofia lean: a chave da gestão empresarial
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Filosofia lean: a chave da gestão empresarial

A filosofia lean é uma metodologia que implica grandes mudanças nos negócios, melhorando o gerenciamento, a qualidade e a eficiência, levando ao su...


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Núñez, M. J. S., & Jurado, D. M. B. (2020). Justicia organizacional y capital psicológico: factores que se relacionan con la satisfacción laboral. Magazine de las Ciencias: Revista de Investigación e Innovación, 5(7), 16-29.
  • Moreno Jiménez, B., Garrosa Hernández, E., Corso de Zúñiga, S., Boada, M., & Rodríguez Carvajal, R. (2012). Personalidad resistente y capital psicológico: las variables personales positivas y los procesos de agotamiento y vigor. Psicothema.
  • Grau Gumbau, R., Salanova Soria, M., & Peiró Silla, J. M. (2012). Efectos moduladores de la autoeficacia en el estrés laboral. Apuntes de Psicología, 30 (1-3), 311-321.
  • Snyder, C. R., Rand, K. L., King, E. A., Feldman, D. B., & Woodward, J. T. (2002). “False” hope. Journal of clinical psychology, 58(9), 1003-1022.
  • Godoy-Izquierdo, D., & Godoy, J. F. (2002). La personalidad resistente: una revisión de la conceptualización e investigación sobre la dureza. Clínica y salud, 13(2), 135-162.
  • González Munõz, Elvia Luz, & Gutiérrez Martínez, Rodolfo E. (2006). La carga de trabajo mental como factor de riesgo de estrés en trabajadores de la industria electrónica. Revista Latinoamericana de Psicología, 38(2), 259-270. Recuperado em 31 de janeiro de 2023, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-05342006000200003&lng=pt&tlng=es.

Os conteúdos de A Mente É Maravilhosa servem apenas para fins informativos e educacionais. Não substituem o diagnóstico, o aconselhamento ou o tratamento de um profissional. Em caso de dúvida, é recomendável consultar um especialista de confiança.