O cinema como ferramenta psicoterapêutica - A Mente é Maravilhosa

O cinema como ferramenta psicoterapêutica

Maio 23, 2018 em Filmes 0 Compartilhados
O cinema como ferramenta psicoterapêutica

Nunca aconteceu de, depois de ver um filme, o modo com você via um determinado problema mudar? Ou o filme fez você adotar uma perspectiva diferente para enfrentar novas situações? E o filme fez você se distanciar um pouco de algum momento difícil da sua vida? Os benefícios do cinema como ferramenta psicoterapêutica são múltiplos. Por isso, é cada vez mais utilizado pelos profissionais de saúde.

Assistir a filmes permite que os espectadores e, portanto, os pacientes, obtenham informação de uma natureza muito distinta: linguística, visão-espacial, interpessoal e intrapsíquica. Ou seja, a comumente conhecida como “cineterapia” pode fazer do tratamento psicológico um espaço de aprendizagem completo, integral e intersensorial.

O cinema como ferramenta psicoterapêutica proporciona inúmeros benefícios.
Compartilhar

A leitura e o cinema

Para Bruce Skalarew, psiquiatra e psicanalista co-presidente do Forum for Psychoanalytic Study of Film, a cineterapia seguiu os mesmos passos da biblioterapia. Ou seja, a utilização de livros e a leitura como uma prática clínica.

Este médico define a sétima arte como uma ferramenta que ajuda a melhorar a saúde mental. Da mesma forma, considera este meio terapêutico como um bom complemento para as tradicionais terapias.

Mulher na internet

Walz explica que utilizar o cinema como ferramenta psicoterapêutica permite ao psicólogo apoiar-se na imagem, na música, nas cores, nos personagens, nos espaços e nos elementos teatrais. Além disso, o cinema tem o poder de facilitar a compreensão de si mesmo e realizar o que é chamado de “descarga emocional”. Em última instância, esta arte, diz Walz, ajuda a mudar nossos hábitos e a evoluir.

“A cineterapia pode ser um poderoso agente catalisador para a cura e para o crescimento daquele que está aberto à possibilidade de aprender como os filmes nos afetam, e de se propor a ver certos filmes com verdadeira atenção”.
-Birgit Walz-

Reflexão pessoal

O que eu faria se isso acontecesse comigo? Como meu parceiro reagiria se este problema acontecesse com a gente? Às vezes, os filmes fazem com que nos coloquemos em situações que, de outra forma, seriamos incapazes de imaginar.

Frequentemente nos colocamos na pele dos personagens e tentamos pensar ou ver através deles. Isso ajuda as pessoas que estão em tratamento psicoterapêutico a realizar uma introspecção de seus pensamentos, sentimentos e emoções – tanto presentes como futuros.

A aplicação do cinema como ferramenta psicoterapêutica

A primeira coisa a ser feita, segundo Gary Solomon – um dos primeiros psicólogos a abordar o uso de filmes como terapia – é selecionar aqueles filmes ou curtas que refletem o problema do paciente. Ou seja, a situação deve ser o mais parecida possível com a situação atual ou traumática do paciente.

É fundamental que o terapeuta e a pessoa conversem antes da exibição do filme. Isso serve para que ambos entendam que é preciso realizar um exercício consciente de análise do filme, para que o profissional possa reconhecer e examinar as reações do paciente.

“Sonhe como se fosse eterno, e viva como se fosse seu último dia”.
-James Dean-

Após a exibição do filme, é conveniente que o paciente explique as conexões e as semelhanças que encontrou entre o filme e a sua vida. É bom que ele use a imaginação e que possa se identificar com algum personagem do filme (Berg-Cross, Jennings, e Baruch, 1990).

Sessão de terapia

Empatia e nova perspectiva

Um dos pontos fortes desta técnica é que ela pode melhorar as habilidades sociais e de comunicação dos pacientes. Serve como exemplo prático de situações nas quais pode-se desenvolver empatia e tornar os sentimentos, emoções e desejos próprios conscientes.

Com isso, pode-se colocar em prática a conhecida teoria da mente, ou seja, a capacidade para entender nossos próprios processos emocionais e para compreender e refletir sobre os sentimentos ou pensamentos alheios. E tudo isso através de uma sequência de imagens e engenhosos diálogos, graças à magia do cinema.

Os conflitos que observamos em protagonistas criminais nos ajudam a fixar nossos valores morais.
Compartilhar

Além disso, esta técnica permite trabalhar com cenas específicas, focalizando ainda mais a questão a ser tratada. E mais, os personagens podem ser analisados de forma detalhada, podendo apreciar cada mudança e detalhe quantas vezes forem necessárias, voltando e reassistindo cada cena. Isso permite que sejam encontradas mais semelhanças e diferenças entre o comportamento do paciente e do ator.

O cinema como ferramenta psicoterapêutica é ainda um pouco desconhecido. Apesar de estar sendo cada vez mais integrado como estratégia complementar na prática tradicional, ainda não é suficiente. No entanto, mesmo que funcione para a maioria dos pacientes, é necessário evitar a realização desta com pessoas que sofrem de transtornos psicóticos. Nestes casos, não é garantido que a cineterapia traga benefícios.

A metáfora governa a técnica do cinema como ferramenta terapêutica.
Compartilhar
Recomendados para você