Como ajudar um amigo ou familiar com depressão

· março 13, 2015

Talvez algum de nós tenha um familiar ou um amigo que sofra de depressão e, mesmo que seja extremamente doloroso para a pessoa que sofre do mal, também costuma ser muito difícil para os que estão ao redor do doente. Isso porque, as vezes, é muito difícil entender… A doença gera muitas incertezas para os que não estão sofrendo com ela, por isso é difícil saber como agir.

O que podemos fazer?

As pessoas que se encontram próximas daquelas que sofrem de depressão têm um papel essencial no apoio que podem oferecer e dar ao doente. Podemos ajudá-las de algumas maneiras:

– Compreendendo como a doença é, e aprendendo a conhecer os sintomas que ela apresenta.

A depressão é uma doença como qualquer outra, seu aparecimento depende de diversos fatores e não apenas da pessoa – como afirmam muitas crenças populares incorretas. Ou seja, a depressão requer um diagnóstico e um tratamento específico.

Somente os profissionais de saúde podem diagnosticar a doença em uma pessoa, baseando-se em critérios específicos. Podemos ler livros e informações seguras, consultar diferentes profissionais para melhorar nossa compreensão sobre a depressão, podendo assim, ajudar as pessoas queridas.

– Ajudando-as a continuar com o tratamento adequado.

Existem muitos tratamentos para a depressão, mas apesar disso, ainda há muita gente que não procura ajuda.

É muito importante procurar o tratamento correto para a depressão, porque:

Ela tem tratamento;
– O tratamento reduz, com o passar do tempo, a dor e o sofrimento;
– Quanto mais prolongado for o tempo da doença, mais complicações ocorrerão durante o tratamento;
– Pode prevenir algumas consequências graves da depressão, como a tentativa de suicídio.

Nós, como familiares ou amigos, podemos ajudar a pessoa a continuar o tratamento, além de tentar fazer com que nosso ente querido tenha um estilo de vida saudável (boa alimentação, exercício físico regular, etc.).

– Apoiando, não chegando a oprimir, nem proteger demais.

Para que o apoio seja eficaz, deve ser oferecido com certa distância, sem oprimir a pessoa, dando afeto e mostrando compreensão e paciência. Acaba sendo inútil sobrecarregar a pessoa de conselhos, ou até de ordens, pois isso só aumenta os sentimentos de culpa e impotência que o doente já tem.

A depressão é uma doença, não adianta nada falar “Eu, no seu lugar…”, ou “Eu te entendo perfeitamente, sei como você se sente…”, portanto é preciso se lembrar disso, ou por acaso você pediria a uma pessoa gripada que parasse de ter febre? Para tranquilizar a pessoa com depressão, podemos dizer a ela que entendemos suas dificuldades, que ela não está nem um pouco louca e que é uma doença que afeta um grande número de pessoas.

A pessoa que sofre de depressão costuma ser mais sensível às ofertas de ajuda, portanto não devemos ser muito maternais, nem muito despreocupados. A pessoa se sentirá ainda mais inútil e dirá, cada vez mais, frases como “Não sirvo para nada!”, caso você aja de maneira errada.

É conveniente saber que as pessoas deprimidas se cansam rapidamente, isso porque lutam de maneira contínua contra a fadiga e pensamentos negativos; por isso não se deve exigir muito esforço delas, nem fazer coisas contra sua vontade. O que podemos fazer é, de vez em quando, motivá-las com carinho e compreensão. Por isso, quando se esforçam, é bom que saibamos reconhecer.

Por último, é importante manter uma atitude aberta, e não desacreditar dos sentimentos e emoções que nosso amigo ou familiar demonstrem, oferecendo a realidade e mostrando esperança diante da situação.

– Cuidando de nós mesmos, para dar apoio a pessoa que sofre de depressão.

A depressão pode acabar sendo um longo processo no qual compartilhamos dos sofrimentos do nosso ente querido e encontramos a força necessária para oferecê-lo todo nosso apoio e carinho. Portanto, é essencial evitar o desgaste e o desencorajamento.

A predominância de pensamentos negativos na depressão, tanto de si mesmo, como dos demais e do mundo, pode gerar nas pessoas que se encontram ao redor sentimentos de irritabilidade e, as vezes, de rejeição. A seguir, oferecemos uma série de conselhos para se ter em conta sobre esses tipos de situações:

– Não se sinta culpado porque seu ente querido tem depressão. Não há culpados, e essa doença pode ser originada pela convergência de múltiplos fatores (biológicos, psicológicos, etc.).
– Quando se sentir impotente, ou sobrecarregado, é possível recorrer a profissionais que podem te ajudar; Eles podem te guiar durante todo o processo de desenvolvimento da doença.
– Se tem a tendência de se isolar, é conveniente se lembrar que não é bom permanecer constantemente fechado em uma bolha.  Adapte-se à situação, sem paralisar todos seus projetos.

Lembre-se que, para cuidar de outra pessoa, devemos estar saudáveis, portanto não esqueça de cuidar de si mesmo.

Créditos da imagem: Eli Shaul