Como criar bons filhos, de acordo com a Universidade de Harvard

Todos nós queremos que nossos filhos sejam os mais inteligentes e brilhantes, mas talvez o principal seja educá-los para serem boas pessoas.
Como criar bons filhos, de acordo com a Universidade de Harvard

Última atualização: 16 Setembro, 2021

Como criar bons filhos? Como dar ao mundo pessoas capazes de contribuir para o bem-estar geral, que sejam altruístas, respeitosas e hábeis nas questões emocionais? A parentalidade é um ofício sofisticado no qual é necessário mobilizar intenções, esforços e vontades. Da mesma forma, não podemos esquecer algo essencial: devemos ser a melhor referência dos nossos filhos.

Poucas competências podem ser mais poderosas do que a habilidade de fazer o bem. Ser uma pessoa habilidosa para fazer da gentileza um estilo de vida é altamente positivo para si mesmo porque nos muda, nos torna melhores ao esclarecer as verdadeiras prioridades em cada momento e circunstância.

Procurando o bem dos nossos semelhantes, também encontramos o nosso, como disse Platão. Portanto, procuremos educar nossos filhos nesta força humana. Em um mundo cada vez mais complexo e caótico, a nobreza de coração é um farol que deve guiar as novas gerações em todos os momentos.

“Quem é bom na família também é um bom cidadão.”
-Sófocles-

Pai com o filho nos ombros

Como criar bons filhos segundo a Universidade de Harvard

Se há uma coisa que qualquer pai deseja é criar filhos felizes, saudáveis, bons e inteligentes. No entanto, como fazer isso?

Encontramos livros de todos os tipos no mercado editorial. Eles ensinam desde como maximizar o cérebro da criança até educá-las em inteligência emocional. Toda a teoria é interessante e, como tal, vale a pena colocá-la em prática.

No entanto, há algo evidente. Além do que nos dizem os grandes gurus, a parentalidade e a educação são cheias de desafios. Às vezes exigimos muito das crianças e muito pouco de nós mesmos. Somos o seu modelo, o seu refúgio e a sua referência em todas as situações.

Portanto, quando se trata de saber como criar “bons” filhos, é interessante saber o que autoridades como a Universidade de Harvard dizem. Claro, não percamos de vista os nossos instintos, o bom senso e aquela educação consciente que entende as necessidades dos pequenos a cada momento.

1. Tempo não é dinheiro, tempo é vida

A chave para entender como criar “bons” filhos é ser pais presentes. Essa presença requer duas coisas. A primeira é ser receptivo e próximo dos nossos filhos.

Não adianta sentar no parque olhando para o seu celular enquanto eles brincam. Não adianta ligar o playstation ou dar a eles um tablet enquanto fazemos as nossas coisas.

A presença na criação dos filhos requer intenção, interação constante e estímulo positivo. É conversar com eles, brincar, acompanhar, guiar, surpreender, promover novas descobertas…

Sabemos que tempo é dinheiro e que nem sempre podemos compartilhar com eles o tempo que gostaríamos devido ao trabalho. No entanto, podemos tornar mágicas as horas que temos livres ao seu lado.

2. Diálogos enriquecedores

Estudos como os realizados na Harvard University em colaboração com o Massachusetts Institute of Technology (MIT) indicam algo relevante. A exposição precoce à linguagem é um estímulo muito significativo no desenvolvimento cognitivo e emocional de uma criança. Isso favorece as suas habilidades cognitivas e também o gerenciamento das suas emoções.

Se queremos saber educar “boas” crianças, sejamos essa referência comunicativa quotidiana. Vamos ter conversas divertidas, estimulantes, interessantes e sempre carregadas de valores nobres. Vamos promover a empatia, a escuta ativa, a resistência à frustração…

3. Gratidão para criar bons filhos

Educar na gratidão não significa apenas por ensiná-los a dizer “obrigado” em todos os momentos. Implica basicamente educá-los na generosidade, na bondade, saber valorizar as coisas simples do dia a dia, ter altruísmo e respeito pelos outros.

É essencial que as crianças aprendam a ser gratas. Devemos ser seu modelo no que diz respeito à gratidão e, por isso, nada melhor do que começar por eles. Vamos agradecer aos nossos filhos por tudo o que fazem, por serem quem são, por como cresceram e descobriram o mundo…

4. A capacidade de resolver problemas

Outra chave que a Universidade de Harvard sugere para criar bons filhos está nesta competência: resolução de problemas. Nada é tão construtivo e enriquecedor quanto treinar nossos filhos nas habilidades básicas para resolver os desafios mais básicos do dia a dia.

Isso lhes oferecerá autonomia e responsabilidade. No entanto, também é interessante que os orientemos para que possam ajudar os outros em seus problemas.

Menina abraçando um gatinho

5. O mundo além das tecnologias

Nossos filhos são verdadeiros nativos digitais quase desde que vieram ao mundo. Logo, passam a compreender toda a sua realidade através das telas: é a sua forma de lazer, interação social, descoberta e até aquele espelho no qual se refletem. É verdade que as tecnologias têm seus benefícios, mas também trazem seus riscos.

Para saber como criar bons filhos, é importante ter em mente algo muito específico. Nossos filhos devem entender que o mundo existe além de um tablet ou celular. Na verdade, existe todo um universo de possibilidades a explorar para além do palco digital. Por isso, é necessário promovermos neles uma abertura mental e emocional, dando-lhes novos motivadores.

Praticar um esporte, incentivá-los a se dedicar a um hobby, um novo interesse que vá além das telas, será uma forma de construir neles uma mente mais ampla, rica, sensível e aberta ao mundo que os cerca.

Pode interessar a você...
Como os diferentes estilos de criação influenciam os filhos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Como os diferentes estilos de criação influenciam os filhos

Os pais, ao educarem seus filhos, adotam um dos estilos de criação existentes, ainda que sem saber. Saiba como cada estilo influencia a vida do seu...



  • Archer, M., Forshaw, M. (2020) Descubre la amabilidad. Editorial: Sol solete.
  • Romeo RR, Leonard JA, Robinson ST, et al. Beyond the 30-Million-Word Gap: Children’s Conversational Exposure Is Associated With Language-Related Brain Function. Psychological Science. 2018;29(5):700-710. doi:10.1177/0956797617742725
  • Morató García, A. (2020) Creo en ti: 6 cuentos cortos para ayudarnos a tomar buenas decisiones. Editorial: Independiente.