Como o estresse afeta as mulheres?

· outubro 27, 2018

O estresse, assim como os transtornos de ansiedade, não entendem de gênero, status ou idade. No entanto, o que nós sabemos é que o modo como o estresse afeta as mulheres difere em vários aspectos com relação aos homens. Suas respostas emocionais são diferentes, assim como os sintomas físicos, cognitivos, hormonais, metabólicos, etc.

Nos últimos anos, estamos testemunhando uma tomada de consciência sobre certas doenças que curiosamente apresentam sintomas muito diferentes entre os sexos. Assim, condições como o infarto do miocárdio geralmente dão sinais de aviso diferentes nas mulheres e nos homens.

Isso fez, por exemplo, com que muitos confundissem tais doenças com problemas digestivos ou com os típicos desconfortos que ocorrem com a ansiedade.

Com o estresse acontece algo parecido. Somos todos suscetíveis a sofrer com ele, mas cada sexo parece experimentá-lo de uma maneira particular.

Na verdade, estudos como o realizado na Universidade de Cambridge apontam que 4 em cada 100 pessoas sofrem de algum tipo de estresse (agudo ou crônico). Além disso, os transtornos de ansiedade têm uma incidência maior em mulheres; no entanto, as mulheres também acabam – em média – gerenciando muito melhor esses estados do que o sexo masculino.

Ou seja, o sexo feminino é mais sensível a esse tipo de realidades, e também apresenta uma ampla gama de sintomas. Apesar disso, em média, acabam saindo dessas situações de forma mais eficaz, enquanto os homens são mais propensos a tornar seus estados de estresse crônicos e são mais relutantes quanto a solicitar ajuda.

“O estresse, muitas vezes, diminui a resistência imunológica provisoriamente para um propósito: conservar a energia necessária para lidar com uma situação que parece ameaçadora para a sobrevivência do indivíduo”.
-Daniel Goleman-

Como o estresse afeta as mulheres
Como o estresse afeta as mulheres? E os homens?

A Associação de Psicologia Americana (APA) faz pesquisas anualmente para estudar o impacto do estresse sobre a população. Assim aconteceu em 2010, quando finalmente publicou um estudo onde analisava uma possível relação entre sexo e estresse.

Os resultados foram significativos, e destacaram uma realidade muitas vezes invisível, mas recorrente. São dados que devem nos fazer refletir para entender melhor o impacto do estresse em nossas vidas:

  • As mulheres são mais sensíveis ao estresse do que os homens. O fato de ser assim não é capricho ou acaso; há causas biológicas por trás disso. A Dra Rita Valentino, neurocientista comportamental, publicou um artigo na revista Molecular Psychiatry onde explica que o estresse afeta as mulheres mais cedo porque são mais sensíveis ao hormônio cortisol, o qual gera mudanças bioquímicas e fisiológicas mais rapidamente do que nos homens.
  • Mais da metade das mulheres pesquisadas disse que nos últimos 5 anos seu estresse tem aumentado.
  • Para os homens a fonte de estresse é o trabalho. Para as mulheres é a economia, a família, a falta de tempo…
  • As mulheres experimentam uma sintomatologia maior, que varia desde sintomas físicos até sintomas cognitivos e emocionais.
  • As mulheres também tendem a perceber antes seu estado de estresse ou ansiedade do que os homens. Além disso, se apoiam de forma significativa em suas amizades para lidar com esses estados, e também costumam pedir ajuda profissional antes.
  • Os homens, por sua vez, levam mais tempo para reconhecer o seu estresse. Como se isso não bastasse, eles não dão importância para estes estados. Em média, carregam esse fardo em silêncio e possuem menos estratégias para lidar com o estresse.

Homem com sintomas de estresse

  • Como vemos, há um fato evidente que deveríamos levar em consideração na hora de pensar em como o estresse afeta as mulheres. Embora a mulher tenda a apresentar um limiar mais vulnerável ​​ao estresse, geralmente reage antes e tem, por sua vez, recursos valiosos para enfrentá-lo: busca apoio, o reconhece, o comunica… Enquanto isso, os homens lidam com o estresse de maneira mais privada.

Esta situação, esta recusa em aceitar o que acontece e a pedir ajuda, faz com que o estresse no trabalho seja uma das principais causas de mortalidade prematura nos homens, assim como revela um estudo realizado pela British Heart Foundation na University College.

Como o estresse afeta as mulheres: características

Já sabemos que a maneira como o estresse afeta as mulheres difere do sexo masculino por dois aspectos muito específicos. Em primeiro lugar, pelo cortisol: elas são mais sensíveis a esse glicocorticoide secretado como resposta ao estresse.

Em segundo lugar, sua capacidade de reagir a esses estados. Elas recebem os diagnósticos muito antes e tentam fazer o possível para gerenciar melhor o estresse em suas vidas.

No entanto, não podemos ignorar um fato evidente: a ampla sintomatologia feminina associada ao estresse. É a seguinte.

  • Insônia.
  • Queda de cabelo.
  • Acne.
  • Irregularidades na menstruação.
  • Alterações no metabolismo: ganho ou perda de peso.
  • Diminuição da fertilidade.
  • Risco de doença cardíaca ou acidente vascular cerebral.
  • De acordo com um estudo conduzido pelo Departamento de Psicologia da Universidade de Michigan, as mulheres têm um maior risco de sofrer de depressão.
  • Problemas digestivos: úlceras, intestino irritável.
  • Sistema imunológico enfraquecido.
  • Redução do desejo sexual.

O impacto do estresse nas mulheres

Para concluir, além de necessidade de entender como o estresse afeta as mulheres e os homens, também é preciso saber como reconhecê-lo. Entender este processo e as sérias implicações que tem para a nossa saúde deve nos encorajar, sem dúvida, a estabelecer mudanças, a buscar ajuda profissional.

Não devemos deixar para amanhã essa preocupação que nos cerca hoje. Não deixemos para outro dia essa pressão no peito que nos incomoda agora…