O controle emocional do nervosismo durante a quarentena

maio 22, 2020
Conforme os dias passam, o nervosismo aumenta. Não podemos escolher como nos sentir, mas com uma gestão emocional adequada, vamos conseguir ter um pouco mais de tranquilidade mental para enfrentar a atual situação.

O controle emocional do nervosismo durante o confinamento surge como uma estratégia indispensável no momento que estamos vivendo.

Insônia, problemas de concentração, aumento da ansiedade, medo do contágio, pensamentos obsessivos e catastrofistas… A saúde mental vem sendo prejudicada com o passar dos dias. É como uma fenda que cresce cada vez mais, levando-nos a perder o equilíbrio.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já havia feito esse alerta há algumas semanas. Assim como cuidamos do nosso bem-estar físico, nos protegendo da infecção por coronavírus, é essencial colocar em prática algumas estratégias para garantir o nosso bem-estar psicológico. Por isso, a OMS publicou um documento especificando em detalhes uma série de conselhos que foram bem recebidos pela população geral e pelos profissionais de saúde mental.

Além das recomendações que podemos encontrar, devemos ter consciência de um aspecto importante. Sentir dor, angústia, medo e até desesperança é completamente normal.

Não podemos subestimar a situação atual nem tentar atenuar ou esconder as evidências. Estamos diante de uma pandemia, de uma situação nova, e todos, absolutamente todos nós, estamos passando por essa realidade com as mesmas angústias.

Alguns vão se sair melhor, outros, pior. Cada pessoa tem seus próprios recursos, aqueles proporcionados por sua própria experiência. No entanto, todos, sem exceção, somos obrigados a mobilizar novos recursos, novas abordagens e novas habilidades. Vamos nos aprofundar nesse assunto.

Homem preocupado na quarentena

Dicas para o controle emocional do nervosismo durante o confinamento

“Estou cada dia mais nervoso, não sei mais o que fazer”, “Eu me sinto tão nervoso que não consigo mais dormir”. Esses são os comentários que mais ouvimos hoje em dia. Amigos, familiares, vizinhos, colegas de trabalho…

Enquanto alguns já estão pensando nos mecanismos para sair do confinamento, muitas das pessoas mais próximas estão enfrentando uma escalada da angústia e da preocupação. 

Poderíamos dizer a elas para manter as esperanças, que tudo vai dar certo e que cada vez falta menos tempo para podermos retomar nossas vidas. No entanto, em algum canto da nossa mente, sabemos que essas frases não ajudam, que recorrer a expressões suavizadas não produz mudanças quando o que está na nossa mente é o medo e o peso insuportável da incerteza.

Quando os ânimos não ajudam, é necessário fazer mudanças e aplicar estratégias psicológicas adequadas. Aprender alguns pontos-chave para o controle emocional do nervosismo pode ser muito útil durante a quarentena.

O contrato emocional: aceito o que estou sentindo, mas não me deixo levar

Por mais que queiramos ou que alguém nos diga para fazer isso, não seremos capazes de substituir o medo pela alegria ou a angústia pela felicidade.

Se o que estou sentindo no momento é nervosismo por não saber o que vai acontecer com o meu trabalho, de nada serve tentar pensar em coisas felizes. O universo mental não é um jogo de cartas no qual é possível substituir algumas coisas por outras.

O que devemos fazer é um contrato emocional com nós mesmos. Para isso, é necessário aplicar as estratégias a seguir:

  • Eu aceito todas as minhas emoções. Dou espaço e aceitação ao nervosismo que me causa medo, angústia e frustração. Reservo um espaço para a tristeza, para que ela se expresse, para que fale comigo.
  • Escuto e valido cada sensação, sentimento e emoção, mas escolho não dar poder a esses estados emocionais mais adversos. Não quero que eles definam meu comportamento, que me imobilizem, que estejam presentes 24 horas por dia, me impedindo de ser quem eu sou.

Aprendo a calibrar meu foco mental

O nervosismo é uma confusão, deixa tudo mais bagunçado, tenso e complicado. Preocupações se acumulam na nossa mente, ficamos angustiados com o que pode acontecer amanhã e preocupados com a possibilidade de o futuro se tornar um cenário abstrato e cheio de luzes e sombras. Rapidamente, a ansiedade aparece mais uma vez e nos deixa sem ar, sem desejo, sem controle.

Como Daniel Goleman nos lembra em seu livro Foco: A atenção e seu papel fundamental para o sucesso, precisamos treinar nossa atenção para obter bem-estar. Isso significa basicamente treinar e calibrar o nosso foco mental.

Somente o aqui e agora, o presente, importa. Não tente prever, não imagine coisas que ainda não aconteceram. Pergunte a si mesmo do que você precisa aqui e agora para ficar bem, para manter a calma.

Refletir sobre a vida

Controle emocional do nervosismo durante o confinamento: o poder curativo da conexão

Um dos pontos principais para o controle emocional do nervosismo durante a quarentena é a conexão. Com essa estratégia, surgem diferentes caminhos, mas todos com o mesmo objetivo: conectar sua mente e seu coração com alguma coisa que lhe traga paz, equilíbrio, um bem-estar momentâneo que alivie o nó dos pensamentos.

  • Conecte-se com as pessoas que sabem ouvir você e que iluminam seu dia com uma simples conversa.
  • Conecte-se com aquela tarefa ou hobby que lhe permite esvaziar a mente, ser criativo e livre, mesmo estando em um espaço fechado. Busque seu canal de expressão e conexão consigo mesmo.

Ativo meus valores, significados e propósitos: trabalho na pessoa que quero ser

Quando o cérebro trabalha no modo da preocupação, as prioridades ficam difusas. Quem manda nesse tipo de estado mental é a nossa amígdala, a região que regula a emoção do medo e que às vezes sequestra completamente nossa visão do mundo e nosso comportamento.

Nessas situações, para apaziguar o termômetro do nervosismo cotidiano, devemos nos permitir um momento de silêncio e reflexão. Podemos tomar um café, sozinhos, para fazer uma coisa decisiva: perguntar a nós mesmos qual tipo de pessoa queremos ser, perguntar o que queremos lembrar sobre nós mesmos no futuro, em relação a como enfrentamos a situação do presente.

Não é necessário ser um herói, longe disso Apenas alguém que sabia muito bem o que deveria fazer e o que queria fazer. Alguém que foi responsável, que soube cuidar de si mesmo, cuidar das pessoas que ama e que não perdeu a esperança. Uma pessoa que acreditava no bem, na humanidade, na empatia e na possibilidade de continuar correndo atrás dos seus sonhos enquanto fosse possível.

Para concluir, como afirmou o psicoterapeuta Aaron Beck, se nosso pensamento for simples e claro, vamos alcançar nossas metas e trabalhar nosso bem-estar psicológico.

Em suma, você só precisa manter o foco, concentrar-se no momento presente e aceitar cada emoção sentida, dando espaço a elas, mas sempre escolhendo não se deixar levar pelo mais extremo negativismo ou pelo pânico.

  • Consejos para proteger la salud mental durante la pandemia. Organización Mundial de la Salud (OMS) https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/mental-health-considerations.pdf