O desenvolvimento do bebê durante os 7 e 8 meses de vida

· dezembro 22, 2017

O desenvolvimento do bebê apresenta mudanças significativas a cada mês que passa. Cada mês é uma façanha, uma descoberta. Dentro da rotina dos cuidados e dedicação ao bebê, vivemos momentos únicos que animam a nossa nova vida.

Quando vemos o nosso bebê fazendo algo pela primeira vez, é simplesmente maravilhoso. Estarmos ciente do seu progresso e acompanhá-lo com orgulho neste caminho é fundamental para ele. Em determinados momentos da sua evolução, é muito importante que ele nos perceba como pais que sabem resolver as suas necessidades com todo o carinho do mundo e sem se irritar.

Um bebê não pede nada demais. Ele precisa de amor, atenção e a satisfação das suas necessidades básicas. Algumas pessoas dirão: quase nada! Na realidade, cuidar de um bebê com amor e carinho quando você está exausto é um desafio. Mas o amor pelo seu filho, como você poderá verificar (verificou ou está sendo capaz de verificar), compensa tudo.

Detalhes sobre o desenvolvimento do bebê em cada mês

O sétimo mês de vida: o mês do balbucio e do manuseio

No sétimo mês de vida, os progressos são múltiplos no que diz respeito ao desenvolvimento do bebê. Ele já está desenvolvendo uma boa parte da sua musculatura, o que lhe permitirá se sentar sem apoio. Isso também oferece a possibilidade de levantar o tronco quando está deitado. Nesta posição, ele geralmente apoia o seu braço para manter a sua postura e observar tudo o que chama a sua atenção.

Criança com ursinho de pelúcia

Nesta fase, o bebê não para de mexer as mãos. Ele já pode pegar os objetos e tem força suficiente para segurá-los. Ele os passa de uma mão para outra. Portanto, tudo o que pudermos oferecer para que ele manipule o ajudará a continuar desenvolvendo a parte motora.

Há muitos livros que podemos comprar para o nosso bebê. Alguns deles têm diferentes texturas ou imagens impressionantes e brilhantes. Tudo isso o ajudará a continuar desenvolvendo essa capacidade. “Manipulará” o livro à vontade, concentrando-se no que mais o atrai.

O oitavo mês de vida ou o mês da ansiedade por separação

Se nos últimos dois meses já havia começado a fazer aqueles pequenos sons que conquistam todos aqueles que os escutam… agora já dizem algumas sílabas. Ao mesmo tempo, entendem cada vez melhor o que dizemos. Ele poderá associar os nossos sons a objetos concretos ou as nossas reações ao que ele faz.

“Nos assuntos humanos, o mais complexo só pode ser desenvolvido a partir do mais simples”.
– Donald Winnicott –

No oitavo mês de vida, o nosso bebê já pode se virar, tanto para um lado como para o outro. Este marco é um grande avanço e, ao mesmo tempo, aumenta exponencialmente as situações de perigo, então precisamos ficar mais atentos.  Eles pegam os objetos com a maior facilidade graças a “pinça” que já podem realizar com o polegar e o dedo indicador.

Nesta fase do desenvolvimento do bebê podemos observar a chamada “ansiedade por separação“. Geralmente, aparece nesta época da sua evolução e é totalmente normal. Até agora, os seus pais eram aqueles que acalmavam os seus choros, que o alimentavam, que lhe davam carinho.

Se a minha mãe/pai desaparecer, eu não sobreviverei

Quando essas figuras que têm sido “tudo” na sua vida desaparecem momentaneamente, começam o choro e a ansiedade do bebê. Isso é algo normal e esperado já que o bebê, graças ao bom vínculo que criou com as suas figuras de referência, não quer se separar delas. Simples assim.

Bebê chorando

Além disso, este é um sinal do bom vínculo que foi gerado com seus pais. “Estou tão confortável e seguro com a minha mãe, ou com meu pai, que não quero me separar deles”. De alguma forma é como se eles pensem que estão correndo algum perigo longe dos pais. Portanto, não devemos nos alarmar ou pensar que nosso bebê está muito “apegado” aos pais ou está sendo muito “mimado”.

O bebê simplesmente tem um sentido de sobrevivência bem desenvolvido e funcionando. Ele aprendeu que precisa da mãe ou do pai para sobreviver. Por essa razão, não quer que a sua vida seja afetada quando seus pais desaparecem do quarto onde ele está. Ele simplesmente não sabe se eles vão voltar ou se irão embora para sempre.

É importante compreender todas essas mudanças que acontecem com o bebê através de um ponto de vista de amadurecimento e de desenvolvimento. Desta forma, evitaremos sofrimento ou confusões desnecessárias. O nosso pequeno agradecerá!