As dimensões culturais e sua influência na sociedade

· janeiro 30, 2018

Todas as sociedades compartilham normas, valores e símbolos que diferem de outras sociedades. É por isso que dizemos que cada sociedade tem uma cultura diferente. Há diversos estudos sobre as diferenças culturais, e ao falarmos disso é imprescindível falar de Hofstede. Ele é um pesquisador e autor do modelo das cinco dimensões culturais.

Hofstede mostrou que as pessoas compartilham características a nível regional e nacional. Essas características afetam seu comportamento e são persistentes ao longo do tempo. São padrões culturais, também chamados de dimensões culturais.

Conforme falamos, o autor definiu cinco dimensões. A primeira delas é a distância de poder. A segunda, individualismo versus coletivismo e a terceira orientação de longo prazo versus curto prazo. Há ainda masculinidade versus feminilidade e fuga de incertezas. Todas as dimensões culturais têm dois polos. As sociedades podem pontuar alto ou baixo em cada dimensão, seja pelas suas características ou por seus comportamentos.

Distância de poder

A distância de poder é a forma como uma sociedade aceita o poder nas distintas instituições e organizações. Os países que possuem uma distância de poder pequena se caracterizam por favorecer as organizações descentralizadas. Os países com uma distância de poder alta, por outro lado, costumam preferir uma autoridade centralizada. Essa dimensão leva em consideração como os membros menos poderosos da sociedade aceitam ou esperam que o poder seja distribuído. Ou seja, qual o grau de igualdade que esperam que a distribuição de poder tenha. O problema fundamental aqui é como uma sociedade lida com a desigualdade entre as pessoas.

As pessoas em sociedades que têm um alto grau de distância de poder aceitam uma ordem hierárquica na qual todos têm um lugar determinado que não necessita de justificativa. Nas sociedades com baixa distância de poder, as pessoas se esforçam para igualar a distribuição de poder e exigir uma justificativa para as desigualdades. Alguns países com alto grau de distância de poder são Malásia, Guatemala e Panamá. No polo oposto estão Áustria, Israel e Dinamarca.

Viajar nos permite conhecer outras culturas

Individualismo vs coletivismo

Nessa dimensão, o individualismo pode ser definido como uma preferência por um quadro social pouco estruturado. Espera-se que os indivíduos cuidem de si mesmos sozinhos, e de sua família mais próxima. Por sua vez, o coletivismo diz respeito a uma preferência por um quadro social de união na sociedade. Nesse contexto, os indivíduos poderiam esperar de seus parentes e mesmo membros de um grupo em particular, que cuidem um dos outros com uma lealdade inquestionável. Essas diferenças ficam bastante nítidas a partir da visão das pessoas de si mesmas. Ou seja, se sua autoimagem é definida a partir de “eu” ou de “nós”.

O individualismo e o coletivismo são uma das dimensões culturais que fazem referência ao grau em que os cidadãos valorizam a autonomia e o compromisso com as regras da sociedade, e também valorizam a lealdade a um grupo ao qual o indivíduo pertence. Os individualistas prezam muito suas próprias necessidades, valorizam o êxito pessoal e seus interesses pessoais prevalecem sobre o coletivo.

Por outro lado, os coletivistas compartilham o sentido de pertencimento a um grupo. Afinal, para eles, os interesses coletivos são mais importantes que os interesses pessoais. A hierarquia e as relações com os demais indivíduos também são bastante importantes. Segundo os estudos que investigaram essa questão, os países mais individualistas são os Estados Unidos, Austrália e Reino Unido. Os mais coletivistas, por sua vez, são Guatemala, Equador e Panamá.

Mulheres com vestidos longos e pernas de pau

Masculinidade vs feminilidade

A masculinidade, nessa dimensão cultural, representa uma preferência na sociedade pelo sucesso, pelo heroísmo, pela assertividade e pelas recompensas materiais ao êxito. A sociedade em geral seria, assim, mais competitiva. Seu oposto, a feminilidade, seria a preferência pela cooperação, pela modéstia, o cuidado dos incapacitados e a preocupação com a qualidade de vida. A sociedade estaria mais orientada para o consenso em sua maioria. Dadas as implicações desses dois termos, em alguns casos são usadas outras palavras para representar essa dimensão: duro versus suave.

O termo masculinidade foi designado para uma sociedade em que os papéis sociais de gênero são claramente distintos. Os homens devem ser assertivos, duros, focados nos ganhos materiais. As mulheres devem ser modestas, sensíveis e preocupadas com a qualidade de vida. O termo feminilidade diz respeito a uma sociedade em que os papéis de gênero social se sobrepõem. Homens e mulheres são modestos, amáveis e preocupados com a qualidade de vida. Os países com mais masculinidade são Japão, Hungria e Áustria. Aqueles com mais feminilidade são Suécia, Noruega e Holanda.

Mão pintada com henna

Fuga da incerteza

A dimensão de fuga da incerteza expressa o grau com que os membros de uma sociedade se sentem incomodados com a incerteza e com a ambiguidade. O problema fundamental aqui é como uma sociedade enfrenta o fato de que nunca se pode conhecer o futuro. Deveríamos tratar de controlar o futuro ou simplesmente deixá-lo chegar?

Os países que exibem um maior grau de fuga de incerteza mantêm regras rígidas de crenças e comportamentos. Essas sociedades são intolerantes com comportamentos e com ideias heterodoxas. Exatamente ao contrário, as sociedades com menor grau de fuga de incerteza mantêm uma atitude mais relaxada. Desse modo, a prática seria mais importante que os princípios.

Por exemplo, uma baixa pontuação nesse índice mostra que a população do país é empreendedora. Ser empreendedor envolve tomar riscos e ser menos dependente. Contrariamente, as culturas que têm um alto índice de fuga de incerteza gostam de estabilidade. Junto com essa estabilidade está o gosto pelas regras, pelas normas sociais, por evitar riscos na medida do possível. Isso envolve, claro, assumir um outro risco indireto: o do progresso mais lento. Os países com maior grau de fuga de incerteza são Grécia, Portugal e Guatemala. Os que possuem um menor grau são Singapura, Jamaica e Dinamarca.

Mulher de cultura diferente dançando

Orientação de longo prazo vs orientação de curto prazo

Toda sociedade tem que manter alguns vínculos com seu próprio passado enquanto lida com os desafios do presente e do futuro. Geralmente, as sociedades priorizam esses dois objetivos existenciais de formas diferentes. As sociedades com orientação de curto prazo preferem manter as tradições e normas bem implementadas, enquanto veem a mudança com suspeita. Por outro lado, aqueles com uma cultura de orientação de longo prazo adotam um enfoque mais prático. Este envolve, por exemplo, fomentar a população a investimentos em poupança e na educação moderna como um modo de se preparar para o futuro.

A orientação de longo prazo possui um enfoque nas virtudes orientadas a obter recompensas no futuro. Está disposta a atrasar o êxito social de curto prazo, até a gratificação emocional do momento, para preparar-se para o futuro. Se essa perspectiva cultural é adotada, são valorizadas a persistência, a perseverança, a economia e a capacidade de adaptação.

A orientação de curto prazo se concentra no presente ou no passado, e os considera mais importantes que o futuro. Se essa é a orientação de um povo, são valorizadas a tradição, a hierarquia social atual e o cumprimento das obrigações sociais. É mais importante a gratificação imediata que a satisfação a longo prazo. Os países com maior grau de orientação de longo prazo são China, Hong Kong e Taiwan. Aqueles com mais orientação de curto prazo são Venezuela, Uruguai e Emirados Árabes.

Qual é a pontuação de seu país no que diz respeito às dimensões culturais?

Para conhecer a pontuação de seu país, Hofstede criou esta página (que está em inglês) onde se pode consultar e comparar a pontuação dos países. Ainda que um país pontue alto em uma das dimensões culturais, isso não significa que todos os seus cidadãos o fariam individualmente.

Essas características são mais uniformes em sociedades pequenas, que compartilham crenças. É por isso que essas dimensões culturais se aplicam a sociedades e grandes grupos, e não a nível individual de cada pessoa. Independentemente do grupo ao qual uma pessoa pertença, é sempre possível ser diferente do todo, ou seja, pontuar diferente em alguma ou todas as dimensões.