Esquizofrenia paranoide: definição, causas e tratamento

· novembro 19, 2017

Com certeza você já ouviu dizer mais de uma vez que alguém “está paranoico” ou que “é paranoico”. Não é incomum utilizar o termo “paranoico” para designar uma pessoa que acredita que está sendo perseguida, que acha que alguém quer lhe fazer mal, que estão tirando sarro dela ou que estão contra ela. No entanto, academicamente falando, o termo paranoico ou paranoide é mais do que isso. Neste artigo, vamos falar sobre um subtipo de psicose, a esquizofrenia paranoide.

Historicamente, o termo “psicótico” foi definido de várias formas diferentes, embora nenhuma delas tenha sido universalmente aceita. Nós entendemos o termo “psicótico” como uma pessoa com um conjunto específico de sintomas que podem ser reunidos em dois grupos: sintomas positivos e sintomas negativos. Vamos analisar mais detalhadamente cada um.

Esquizofrenia, uma doença mental grave

O DSM-IV-TR (manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais) define a esquizofrenia como uma alteração que persiste por pelo menos 6 meses e inclui pelo menos 1 mês de sintomas da fase ativa. Esses sintomas são os seguintes: ideias delirantes, alucinações, linguagem desorganizada, comportamento seriamente desorganizado ou catatônico e sintomas negativos.

Mulher diante de vários rostos

Os sintomas positivos parecem refletir um excesso ou uma distorção das funções normais, ao passo que os sintomas negativos refletem uma diminuição ou perda das funções normais. Os sintomas positivos incluem distorções do pensamento inferencial (as comumente chamadas ideias delirantes, dentre as quais estão incluídas as ideias “paranoicas” das quais falamos anteriormente). Também incluem alucinações, linguagem desorganizada e um comportamento seriamente desorganizado.

Por sua vez, os sintomas negativos compreendem restrições no âmbito e na intensidade da expressão emocional (aplainamento afetivo), do fluxo e da produtividade do pensamento e da linguagem (alogia), e do início de comportamento direcionado a um objetivo (abulia).

“A ciência ainda não nos provou se a loucura é ou não o mais sublime da inteligência.”
-Edgar Allan Poe-

As ideias delirantes

A ideias delirantes são crenças errôneas que normalmente implicam uma má interpretação das experiências ou das percepções. Seu conteúdo pode incluir vários temas (por exemplo, de perseguição, de autorreferência, somáticos, religiosos ou grandiosos). As ideias delirantes de perseguição são as mais frequentes.

A pessoa que sofre ideias delirantes de perseguição (ideias paranoides ou paranoicas) acha que está sendo incomodada, seguida, enganada, espiada ou ridicularizada. As ideias delirantes autorreferenciais também são comuns: a pessoa acha que certos gestos, comentários, passagens de livros, jornais, músicas ou outros elementos do ambiente ao seu redor são especialmente direcionados a ela.

“O louco não consegue se reincorporar à realidade, ele está permanentemente vivendo a sua fantasia.”
– Carlos Castilla del Pino –

Embora as ideias delirantes estranhas sejam consideradas típicas da esquizofrenia, a “esquisitice” pode ser difícil de julgar, principalmente em diferentes culturas. As ideias delirantes são classificadas como estranhas se forem claramente improváveis e incompreensíveis e se não forem resultantes das experiências comuns da vida (por exemplo, pensar que alguém implantou um microchip sob a sua pele para “espiar” todos os seus movimentos).

Outro exemplo de ideia delirante estranha é a crença de que um ser estranho roubou seus órgãos internos e os substituiu pelos de outra pessoa sem deixar nenhuma ferida ou cicatriz. Geralmente, são consideradas estranhas as ideias delirantes que expressam uma perda do controle sobre a mente ou o corpo.

As crenças delirantes podem causar problemas sociais, conjugais ou profissionais. As pessoas com ideias delirantes podem ser capazes de compreender os argumentos de outras pessoas para classificar suas ideias como irracionais. No entanto, elas mesmas são incapazes de fazer isso. Muitas dessas pessoas podem desenvolver um tipo de afeto irritado. Ao mesmo tempo, essa irritabilidade pode ser entendida como uma reação às suas crenças delirantes.

Mulher desesperada

Psicose ou esquizofrenia paranoide

O diagnóstico de um subtipo de esquizofrenia em particular se baseia no quadro clínico que o paciente apresenta. Assim, existem diferentes tipo ou subtipos de esquizofrenia segundo o DSM-IV-TR:

  • Paranoide.
  • Desorganizado.
  • Catatônico.
  • Indiferenciado.
  • Residual.

Como dissemos anteriormente, neste artigo vamos nos focar na esquizofrenia paranoide.

Características da esquizofrenia do tipo paranoide

A característica principal da esquizofrenia paranoide consiste na presença de ideias claramente delirantes ou alucinações auditivas. No entanto, a pessoa não apresenta deficiências durante o pensamento ou a afetividade. Fundamentalmente, as ideias delirantes são de perseguição, de grandeza ou ambas, mas também podem ocorrer ideias delirantes com outras temáticas (por exemplo, ciúmes, religiosidade ou somatização).

As ideias delirantes na esquizofrenia paranoide podem ser várias, mas costumam estar organizadas em torno de um tema coerente. Também é comum que as alucinações estejam relacionadas com o conteúdo da temática delirante.

“A característica principal da esquizofrenia paranoide consiste na presença ideias claramente delirantes ou alucinações auditivas.”

Sintomas associados à esquizofrenia paranoide

Os sintomas associados incluem ansiedade, raiva, retraimento e tendência à discussão. A pessoa pode apresentar ar de superioridade e condescendência. Também pode apresentar arrogância, minuciosidade, falta de naturalidade ou veemência extrema nas relações pessoais.

Os temas persecutórios podem predispor a pessoa ao comportamento suicida. Além disso, a combinação de ideias delirantes de perseguição e de grandeza com as reações de raiva podem predispor a pessoa à violência (embora não seja necessariamente assim, depende do caso).

Mulher preocupada em corredor

Nesse sentido, as agressões espontâneas ou inesperadas são pouco comuns. A agressão é mais frequente nos homens jovens e nos indivíduos com antecedentes de violência, falta de observação terapêutica, abuso de substâncias e impulsividade. De qualquer forma, devemos ter consciência de que a maioria das pessoas com esquizofrenia não é agressiva. Além disso, elas são vítimas de agressões ou abusos com mais frequência do que as pessoas que não têm esquizofrenia. Mais do que agressores em potencial, são vítimas em potencial.

“Todos os homens estão loucos e, apesar dos seus cuidados, somente se diferenciam pelo fato de que uns estão mais loucos do que outros.”
-Nicolás Boileau-

O início da psicose paranoide tende a ser mais tardio do que em outros tipos de esquizofrenia. Além disso, as características que a diferenciam podem ser mais estáveis ao longo do tempo. Alguns dados sugerem que o prognóstico para o tipo paranoide pode ser consideravelmente melhor do que para outros tipos de esquizofrenia. Em geral, essas pessoas continuam a ser capazes de levar uma vida com alto grau de autonomia.

Quais são as causas?

As causas ainda não estão completamente claras e existem controvérsias sobre esse assunto. De qualquer forma, foram estabelecidos alguns fatores de risco e prognóstico. São os seguintes:

  • Fatores ambientais: a estação do nascimento foi associado com a incidência da esquizofrenia. Por exemplo, no final de inverno/começo da primavera em algumas regiões. A incidência da esquizofrenia e dos transtornos relacionados também é maior nas crianças que crescem em um meio urbano e em alguns grupos étnicos minoritários.
  • Fatores genéticos: há uma importante contribuição dos fatores genéticos na hora de se determinar o risco de uma pessoa apresentar esquizofrenia. A predisposição confere um leque de alelos de risco, comuns e raros. Esses alelos também estão associados a outros transtornos mentais, como o transtorno bipolar, a depressão e o transtorno do espectro autista.
  • Fatores fisiológicos: as complicações da gravidez e o parto com hipóxia (falta de oxigênio) e pais com idade mais avançada estão associadas a um risco mais elevado de sofrer esquizofrenia para o feto em desenvolvimento. Além disso, outras situações adversas pré-natais e perinatais, como o estresse, a infecção, a subnutrição, a diabetes materna e outras patologias clínicas também estão associadas à esquizofrenia. No entanto, a grande maioria dos filhos que apresentam esses fatores de risco não desenvolve a esquizofrenia.
Esquizofrenia paranoide

Tratamento da psicose paranoide

A psicose paranoide crônica é tratada com uma combinação de medicamentos, principalmente neurolépticos, antipsicóticos, ansiolíticos e o apoio através da psicoterapia. No entanto, o tratamento raramente é realizado de maneira correta porque o paciente não tem consciência da doença: ele se sente mal, mas acha que é pelo que acontece fora dele, não na própria cabeça. Os tratamentos farmacológicos são por toda a vida. Em casos severos, a internação deve ser considerada.

Como já vimos, a esquizofrenia do tipo paranoide tem características que a diferenciam dos outros subtipos. É comum que ocorram ideias delirantes de perseguição, de grandeza ou ambas. No entanto, a capacidade de raciocínio é conservada mais ou menos intacta, o que confere um alto grau de autonomia a essas pessoas.

Bibliografia:

  • American Psychiatry Association (2014). Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales (DSM-5), 5ª Ed. Madrid: Editorial Médica Panamericana.
  • Chinchilla Moreno A. Las esquizofrenias. Barcelona: Elsevier Masson; 2007.