Estratégias de enfrentamento do luto e suas consequências

29 Abril, 2020
As estratégias para lidar com o luto podem nos ajudar ou nos atrapalhar durante a superação de uma perda.

Todos nós, no nosso dia a dia, estamos sujeitos à perda. Seja ela a morte de um ser querido, o fim de uma relação, ser demitido do trabalho ou uma mudança qualquer. Em todos os casos sentimos a ausência de algo que era realmente importante para nós. Após cada perda, vem o luto, um processo no qual temos que elaborar as emoções e reconstruir a nossa vida. No entanto, as estratégias de enfrentamento do luto que cada pessoa usa são bem diferentes.

Para algumas, é relativamente simples aceitar a nova situação e se adaptar a ela. Enquanto isso, para outras pessoas, o mundo parece ter sido destruído. A confusão, a dor e a raiva se instalam e passam a tomar conta da sua vida, roubando a felicidade e causando muita tristeza.

No entanto, essas diferenças ocorrem porque cada pessoa emprega um estilo diferente de enfrentamento do luto. Felizmente, todos nós podemos modificar o nosso estilo se ele não parece estar sendo muito positivo.

As estratégias para lidar com o luto

Estratégias de enfrentamento do luto

O enfrentamento pode ser definido com o conjunto de esforços cognitivos e comportamentais que são colocados em prática para lidar com uma situação e dar uma resposta a uma demanda interna ou externa. Quando a situação implica algumas exigências que ultrapassam a capacidade da pessoa, aparece o estresse. É aí que as estratégias de enfrentamento são colocadas em funcionamento para se adaptar a essa demanda.

O luto, sem dúvida, é uma das vivências que faz com que nos sintamos perdidos e torna necessário usar nossos recursos pessoais. No entanto, existem diferentes estratégias de enfrentamento do luto, e nem todas elas são igualmente eficazes.

Enfrentamento focado no problema

Neste caso, todos os recursos são focados no problema em questão, que pede uma solução. Acontece em função de três estilos diferentes de enfrentamento:

  • Reflexivo: consiste em analisar e refletir sobre a situação e sobre si mesmo, assim como planejar um modo para seguir adiante.
  • Reativo: implica atividades impulsivas e descontroladas, movidas por pensamentos distorcidos que aparecem para cada pessoa.
  • Supressivo: nesse caso ocorre a aplicação de todo tipo de comportamento para negar o acontecido e evitar se expor a ele.

As estratégias reflexivas aproximam a pessoa de encontrar uma solução para o problema. Por outro lado, as reativas e supressivas a afastam dessa possibilidade.

Dessa forma, quando a pessoa usa a estratégia de enfrentamento focada na solução do problema, é possível identificar a situação estressante e avaliar a sua importância. Além disso, também é possível analisar suas causas e colocar em prática comportamentos orientados a produzir mudanças na situação.

Enfrentamento emocional

Consiste em focar as energias não no problema em si, mas nas emoções que a situação provoca. Dessa forma, encontramos, por um lado, o processamento emocional, que torna possível reconhecer e entender os sentimentos que estão sendo experimentados. Por outro lado, há uma expressão emocional que consiste em liberar e compartilhar essas emoções, seja com os outros ou consigo mesmo.

Da mesma forma, o enfrentamento emocional pode ser colocado em prática com um estilo reflexivo, reativo ou supressivo. Eles consistirão, respectivamente, em analisar as emoções e expressá-las, expressá-las de forma impulsiva e descontrolada, ou evitá-las.

Homem olhando pela janela

Consequências das estratégias de enfrentamento do luto

Todas as opções anteriores são estratégias que as pessoas colocam em prática para encarar uma perda. Se as analisarmos com atenção, será fácil perceber qual delas nós mesmos usamos mais frequentemente. No entanto, cada uma delas traz consequências diferentes, e fazem com que o luto seja elaborado de uma forma mais ou menos rápida e eficaz.

As pessoas que usam um estilo reativo têm uma maior chance de sofrer um luto complicado, assim como experimentar sintomas ansiosos e depressivos. Isso pode ser benéfico em momentos iniciais, pois a raiva pode transmitir ao indivíduo uma sensação de força. No entanto, se a mesma estratégia se mantiver no tempo, ela impedirá a pessoa de elaborar o luto de maneira adequada.

Por outro lado, quem usa a expressão emocional e o estilo reflexivo experimenta um maior crescimento e uma transformação pessoal positiva após o luto. Essas pessoas buscam ativamente formas de solucionar o problema, pedem apoio social e expressam seus sentimentos de forma adequada.

Por isso, é fácil entender que a forma mais funcional de enfrentamento do luto consiste em identificar, expressar e liberar as emoções de um modo adequado. Além disso, manter a clareza mental e colocar em prática comportamentos que nos ajudam a solucionar a situação ativamente. Negar o problema, fugir ou reagir de forma impulsiva só intensificará o sofrimento.

  • Bustos Caro, A. C. (2011). Cuando se acaba el amor: Estrategias de afrontamiento, duelo por pérdidas amorosas y crecimiento postraumático en estudiantes universitarios (Bachelor’s thesis, Quito: USFQ, 2011).
  • Bermejo, J. C., Magaña, M., Villacieros, M., Carabias, R., & Serrano, I. (2012). Estrategias de afrontamiento y resiliencia como factores mediadores de duelo complicado. Revista de psicoterapia22(88), 85-95.