As 10 estratégias de manipulação midiática de Sylvain Timsit

· agosto 4, 2018

Historicamente, os meios de comunicação demonstraram que são uma maneira muito eficiente de moldar a opinião pública. Graças a eles, movimentos sociais foram criados ou destruídos, crises financeiras foram escondidas e correntes ideológicas foram estimuladas. Diante disso, surgiram diferentes estudos e teorias, como as estratégias de manipulação midiática de Sylvain Timsit.

Essa ideia geralmente é atribuída a Noam Chomsky, embora de maneira errada. A intenção do escritor francês era destacar as ferramentas psicossociais que permitem que o público se distraia do que é realmente importante. Dessa forma, os problemas reais sofridos pela população são obscurecidos pela manipulação da opinião pública com a ajuda da mídia, deixando a sociedade mais submissa e menos crítica.

Estratégias de manipulação midiática de Sylvain Timsit

1. A estratégia da distração

A primeira das estratégias de manipulação midiática de Sylvain Timsit é a distração, já que é o elemento primordial do controle sobre a sociedade. A distração consiste em desviar a atenção do público sobre questões importantes.

Através da inundação com distrações contínuas e informações sobre assuntos banais, o público não estará interessado nas questões essenciais de política, cultura, economia ou problemas sociais. Trata-se de manter o foco longe dos problemas sociais reais, atraindo o povo para questões sem importância. É preciso manter o público ocupado com banalidades, sem tempo ou espaço para pensar.

Manipulação midiática

2. Criar problemas e oferecer soluções

Este método consiste em criar um problema para causar uma certa reação no público, e fazer com que ele aceite prontamente ou até mesmo peça as medidas necessárias para a solução do problema que o poder público queria implementar desde o início.

Por exemplo, criar uma crise econômica para que o público aceite como um “mal necessário” o retrocesso dos direitos trabalhistas e a precarização dos serviços públicos. Outro exemplo é deixar a violência urbana se desenvolver ou intensificar, de modo que o público exija políticas repressivas.

3. A estratégia da gradualidade

Trata-se de conseguir a aceitação de uma medida inaceitável aplicando-a gradualmente, lentamente, inclusive durante anos. Para alguns, essa é a maneira por meio da qual condições socioeconômicas radicalmente novas, como o neoliberalismo, foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990, fazendo privatizações e aumentando a precariedade.

4. A estratégia de diferir

Outra maneira de aceitar uma decisão impopular é apresentá-la como “dolorosa, mas necessária”, obtendo a aceitação pública no momento com a promessa de aplicá-la no futuro. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato, porque o esforço não deve ser feito imediatamente. Isso dá às massas mais tempo para se acostumarem à ideia de mudança e aceitá-la com resignação quando chegar a hora.

5. Falar a partir de uma posição intelectual superior

A maior parte da publicidade dirigida ao público é feita usando um discurso, argumentos, personagens e entonações um tanto infantis, como se o espectador não fosse maduro ou não tivesse a capacidade de entender certas ideias. Dessa forma, quando se trata de enganar o público, ele pode responder de uma maneira ainda mais infantil.

Homem falando em público

6. Apelar para o aspecto emocional em vez da reflexão

Usar o lado mais emocional das pessoas é uma técnica clássica para impedir a análise racional de uma situação, assim como o seu senso crítico. Por outro lado, o uso de um registro emocional apela para um comportamento instintivo, baseado sobretudo em desejos ou medos.

7. Manter o público na ignorância

Outra das estratégias de manipulação midiática de Sylvain Timsit é tornar o público incapaz de compreender as tecnologias e métodos usados para controlá-los. Isso se aplica a cortes na educação, cortes de professores, bolsas de estudo, professores especializados, carreiras impossíveis para uma grande parte população, etc.

8. Tornar o público complacente com a mediocridade

Promover a crença de que é correto e moderno ser uma pessoa vulgar, sem instrução, pouco intelectual ou correta, como pode ser observado em um grande número de programas de televisão.

9. Reforçar o sentimento de culpa

Fazer com que o indivíduo acredite que ele é o culpado pela sua própria desgraça devido, acima de tudo, à sua falta de inteligência, sua falta de habilidades ou esforço. Assim, em vez de se rebelar contra o sistema, o indivíduo se culpa e se desvaloriza.

Pessoas apontando umas para as outras

10. Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos

A última das estratégias de manipulação midiática de Sylvain Timsit é baseada no desenvolvimento de um sistema que permite que o poder saiba mais sobre o indivíduo do que ele mesmo, graças a técnicas como a biologia, neurociências ou psicologia. Isso permitirá um grande controle sobre as massas.

Conhecer essas estratégias não impedirá que determinados interesses continuem a usá-las a seu favor. No entanto, nos permitirá (como indivíduos dentro de um grupo muito grande: sociedade) decidir até que ponto vamos permitir que eles nos influenciem ou como reagiremos quando os detectarmos.