As 3 fases do alto rendimento, de acordo com Manuel Coloma 

As três fases do alto rendimento, de acordo com Manuel Coloma 

agosto 5, 2018 em Psicologia 0 Compartilhados
Fases do alto rendimento

O alto rendimento não é um conceito limitado aos atletas de elite ou aos grandes homens/mulheres de negócios. Todos nós podemos desejar ser pessoas de alto rendimento, pois todos nós podemos ser muito mais do que somos agora, muito mais do que um dia imaginamos ser.

Afinal, como você vai descobrir neste artigo, o alto rendimento não é uma questão de muitos conhecimentos ou de técnica, é uma questão de impulso; um impulso que sai de todos nós.

Para Manuel Coloma, o alto rendimento depende diretamente da capacidade de orientar e alinhar todas as nossas capacidades em direção ao objetivo que buscamos. E isso é algo válido tanto para os esportes quanto para a vida profissional e pessoal. Neste artigo vamos analisar sua teoria de alto rendimento e como aplicá-la.

“Quando falamos de alto rendimento, estamos falando de algo que se faz. Por isso, é preciso ser mensurável, pois o mais importante não é o tanto que sabemos, mas o que podemos fazer com o que sabemos.”
-Manuel Coloma-

Para render ao máximo, você precisa conhecer os seus limites

Manuel Coloma propõe que, para alcançar o alto rendimento, é necessário conhecer os próprios limites, para então ignorá-los e, assim, ultrapassá-los. O alto rendimento tem a ver com romper os limites do que pensamos que podemos saber ou fazer hoje.

Estamos em uma permanente evolução, diz Coloma. Estamos em uma busca permanente pela excelência, o que se resume em manter altas as nossas expectativas para que o nosso rendimento seja cada vez maior.

Pessoa montando escada com cubinhos

Fases do alto rendimento

Para Manuel Coloma, o alto rendimento se baseia em três propriedades ou fases (etapas): energia, audácia e paciência.  

Energia: conhecimento + técnica + motivação

A energia é o que permite que as pessoas enfrentem o trabalho que querem fazer. No esporte, falar de energia é falar de capacidade física. No trabalho diário, a energia é representada pelos conhecimentos, pela técnica com a qual somos capazes de desenvolver nosso trabalho e pela motivação.

A motivação é especialmente importante para alcançar a energia, pois é o impulso para fazer o que temos que fazer. Afinal, sem impulso, sem motivação para fazer, pouco adianta ter muitos conhecimentos ou dominar as técnicas.

Audácia: capacidade para se diferenciar

A audácia tem a ver com criatividade, inovação e produtividade. Coloma explica que audácia é ser capaz de sair da regra, de buscar novas soluções, vendo algo onde os demais não tinham visto nada, fazendo o que os outros não fizeram.

Em outras palavras, para Coloma, a audácia tem a ver com a capacidade de se diferenciar dos demais. Algo que não tem a ver com a energia, mas com como somos capazes de nos adaptar, sendo flexíveis, com as capacidades que, em determinado momento, somos capazes de desenvolver.

Paciência: metabolizar a experiência vivida

Para Manuel Coloma, a paciência é a experiência vivida e metabolizada, a sabedoria. Ele explica que só quando chegamos a esta última fase sabemos se precisamos focar mais na energia ou na audácia.

Comportamento proprioceptivo global: dominando o parque

Quando uma pessoa passa por estas três etapas, energia, audácia e paciência, ela manifesta o que Manuel Coloma denomina como comportamento propioceptivamente global. A propiocepção está relacionada com a forma como nos percebemos no nosso entorno, com a capacidade de dominar o espaço no qual trabalhamos.

Coloma chama isso de “dominar o parque”, da mesma forma que um jogador de basquete domina a quadra ou investidor domina seu cenário econômico. Assim, dominar o parque é ser capaz de prever qual é o alcance e a consequência de suas ações.

Para isso, é essencial ser positivo e otimista, o que implica o seguinte:

  • Pensar naquilo que queremos conseguir;
  • Manter-se em forma, tanto física quanto mentalmente;
  • Investir recursos, especialmente tempo.

“As pessoas precisam estar envolvidas em um processo de desenvolvimento pessoal contínuo, que as faça buscar o melhor, ser capaz de se adaptar a novas circunstâncias, e de se ajustar às mudanças que acontecem na vida.”
-Manuel Coloma-

Mulher construindo carreira

Para buscar o alto rendimento

Coloma diz claramente que qualquer pessoa que deseje buscar o alto rendimento deve se transformar primeiro em uma pessoa autônoma que seja capaz de desenvolver seu trabalho por si próprio, sem a necessidade de ter ninguém para testemunhar isso ou que diga o que fazer.

Uma pessoa é autônoma quando tira o impulso de si mesma, da motivação interna que ela tem. Essas pessoas são as que estão cada vez mais perto de alcançar o alto rendimento. É por isso que Coloma diz que aqueles que desejem alcançar o alto rendimento devem se preocupar mais com a motivação e com o impulso do que com a técnica e os conhecimentos, pois estes podem ser adquiridos.

Manuel Coloma é formado em Psicologia e especialista em alto rendimento. Foi treinador de basquete profissional por três décadas e técnico de basquete por seis anos. Em sua fase na seleção nacional espanhola feminina, obteve a primeira medalha de ouro do basquete espanhol no ano de 1993.

Recomendados para você