5 filmes que vão abrir a sua mente e alma

5 filmes que vão abrir a sua mente e alma

Última atualização: 12 janeiro, 2022

Sair da rotina é algo que devemos fazer para nos conectarmos com a nossa intimidade e criatividade, coisa que a vida cotidiana às vezes tira de nós. Ir a um museu, show ou qualquer exposição interessante nos livra do estresse acumulado ao longo da semana. Às vezes não temos os meios ou tempo para realizar essas atividades regularmente, mas atualmente a maioria de nós tem internet ou televisão para assistir a bons filmes que irão abrir a nossa mente.

Pessoalmente, ver um filme recomendado por alguém, ou que eu esperei muito tempo para ver gera uma atmosfera agradável para mim. Eu ainda fico animada para ver um filme novo, porque para muitos de nós o cinema é mágico.

É por isso que proponho estes 5 filmes que vão abrir a sua mente e alma, pois eles estão carregados de sentimento, dor, intriga, beleza e mensagens humanas universais. Vamos lá!

“Amor” de Michael Haneke

Amor é o primeiro dos filmes que vão abrir a sua mente, dirigido pelo grande diretor austríaco Michael Haneke. O fio condutor da história é a experiência de um romance impactado por uma doença degenerativa sofrida pela protagonista.

O marido fará o possível para tornar digna a vida da esposa nesta etapa. Isso pode te lembrar da trama de Diário de uma paixão, mas permita-me a audácia: a qualidade e verdade dos personagens desta obra não admite qualquer comparação.

No filme vemos um amor verdadeiro, sem idealizações; assim como cenas que refletem o sofrimento e angústia que as pessoas podem experimentar nesse tipo de circunstância. A obra trabalha dilemas universais como saber qual é a forma correta de lidar com uma situação que sai do controle no final das nossas vidas.

Esse filme enfatiza a importância dos pequenos detalhes e como as memórias mais simples são as que retornam à nossa memória no final da vida. O final é uma alegoria sobre a morte, a poesia e a generosidade que não te deixará indiferente.

“Dentro da casa” de François Ozon

O segundo dos filmes que vão abrir a sua mente é relativamente recente, no entanto, recebeu ótimas críticas onde quer que tenha sido apresentado. A princípio a obra parece simples, mas aos poucos vai crescendo até deixar o espectador totalmente perdido e perplexo com o que vai acontecer.

O filme mostra a relação de um aluno com o professor dele. Um aluno proveniente de uma família desestruturada e de um ambiente pouco estimulante para a literatura. Esse aluno vai surpreender o professor com os relatos que traz para a aula, e neste ponto a relação se torna obsessiva.

Paralelamente a essa relação aluno-professor, outras histórias se desenvolverão e o vínculo delas irá além da educação. Por meio dos relatos do aluno o professor verá semelhanças com o que vivenciou em algum momento da própria vida (ele é um escritor fracassado e seu casamento esconde segredos inesperados).

“Doutor Jivago” de David Lean

O filme Doutor Jivago é um clássico. Para os que já conhecem essa obra a sugestão é assisti-la de novo, pois ela traz coisas diferentes dependendo do momento que você está vivendo. E para aqueles que ainda não viram esse filme, é super recomendável fazer isso, pois ele é pura poesia transformada em tela.

O filme se passa na revolução russa contra os czares. Os dois protagonistas são Yuri Zhibago e Lara, duas pessoas que se apaixonam na hora errada e também com uma situação sentimental ainda mais complicada, já que ambos são casados.

Lara é uma mulher cheia de inocência (mas não inocente) passional e que teve uma vida complicada. Yuri Zhivago, por outro lado, faz parte do círculo da alta sociedade. Ele representa os princípios mais nobres de um homem, mas por amor precisará agir de uma maneira que esses princípios se tornam questionáveis.

Os diálogos do filme, a fotografia e os dilemas que todos os personagens terão que enfrentar evocam o existencialismo de alguns dos melhores escritores clássicos russos.

“Os incompreendidos” de François Truffaut

Em Os incompreendidos, o mítico diretor francês Truffaut faz uma ode ao cinema em letras garrafais. Ele nos leva à Paris dos anos 50 para narrar a dramática existência de Antoine, uma criança que não para de correr de um lado para o outro, fugindo de infindáveis erros institucionais e de um lar hostil.

A mãe dele engravida sem querer e se torna mãe solteira. Ela opta por procurar um companheiro continuamente e Antoine a ignora e despreza, por considerar que ela é a única causa de seus males.

Antoine passa por todos os tipos de situações difíceis e injustas, mas seu estilo alegre e positivo significa que mesmo nessas condições ele pode encontrar algum significado para a própria vida vida.

“Caché” por Michael Haneke

Deixo vocês com mais um dos filmes que abrirão a mente, este do diretor Michael Haneke, Caché. A análise existencial que ele faz das histórias, personagens e como eles envolvem o espectador com piscadelas e jogos de câmera não é apenas cinema, mas psicologia pura.

O protagonista (Georges) começa a receber fitas estranhas que indicam que alguém está vigiando a casa e a família dele. Cada vez ele recebe fitas e desenhos mais desconcertantes que não consegue relacionar com nada em sua vida.

Aos poucos ele conseguirá fazer a relação. Este filme quer deixar clara a ideia de que tudo o que você fez na vida fica registrado na mente dos outros, mesmo que não na sua… talvez porque muitos de nós reprimamos acontecimentos desagradáveis. Sem dúvida, depois de ter visto estes 5 filmes que vão abrir a sua mente e alma, você não se sentirá desapontado.

O cinema também pode nos ensinar grandes lições e induzir emoções intensas…

Qual desses filmes que abrem a mente você escolheria?

This might interest you...
Os 7 melhores filmes sobre a depressão
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os 7 melhores filmes sobre a depressão

Os melhores filmes sobre a depressão nos fazem entender que essa condição vai além da tristeza e que cada pessoa pode vivenciá-la de maneiras difer...



  • Galán Fajardo, Elena (2005). LA CREACIÓN PSICOLÓGICA DE LOS PERSONAJES PARA CINE Y TELEVISIÓN. Revista Internacional de Psicología del Desarrollo y la Educación, 3 (1), 263-273. [Fecha de Consulta 15 de Diciembre de 2021]. ISSN: 0214-9877. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=349832310025