Glândulas pituitária e pineal: funções e características

Glândulas pituitária e pineal: funções e características

Abril 17, 2018 em Curiosidades 0 Compartilhados
Glândulas pituitária e pineal: funções e características

As glândulas pituitária e pineal regulam grande parte de nossos processos hormonais. Elas são aquele pequeno centro de poder em nosso cérebro que Descartes definiu como a assento de nossa alma. Igualmente, este sofisticado laboratório químico medeia processos básicos como o nosso descanso e relaxamento, o nosso envelhecimento, o equilíbrio da tiroide…

Toda vez que procuramos informações sobre essas pequenas glândulas, é comum encontrar várias referências do mundo espiritual. Isso não é tão surpreendente. Esse “terceiro olho” se conecta para muitos com o nosso lado mais mágico e intuitivo. Agora, além deste universo energético e transcendental, a impressão dessas estruturas em nossa cultura se deve ao fato de elas estarem conectadas aos ciclos de luz e escuridão.

Elas são chamadas glândulas mestras ou até mesmo nosso terceiro olho. As glândulas pituitária e pineal configuram a fábrica que regula nossos hormônios para garantir nosso equilíbrio e bem-estar.
Compartilhar

O ser humano governa seus ritmos biológicos em sintonia com a natureza. A luz solar configura o canal que estimula os pequenos núcleos do nosso cérebroAs glândulas pituitária e pineal são como condutores de uma orquestra. Elas são as que guiam nosso crescimento, maturidade sexual, temperatura e até nossas emoções a um ritmo perfeito…

Qualquer pequeno desequilíbrio afeta diretamente nosso bem-estar.

Estrutura do cérebro humano

Glândulas pituitária e pineal: quais são suas funções?

Existe uma ideia muito marcante relacionada às glândulas pituitária e pineal. Por serem tão pequenas (pouco menos de 8 mm), recebem um grande fluxo sanguíneo. Portanto, sua relevância é decisiva. Por sua vez, não podemos negligenciar outro detalhe: elas são muito sensíveis aos nossos estilos de vida.

Vamos ver em detalhes a função de cada um deles.

Glândula pituitária ou hipófise

Um aspecto fascinante desta glândula é a maneira como ela se conecta com o meio ambiente. Com base em todas as informações que recebe de nossos sentidos e do tálamo, libera uma série de hormônios com os quais podemos nos ajustar e reagir muito melhor às exigências do exterior.

  • A glândula pituitária ou hipófise facilita a conexão social e nos ajuda a reagir aos perigos.
  • Promove a liberação de ocitocina para fortalecer nosso vínculo com nossos parceiros, filhos, etc.
  • Estimula a liberação de hormônios adrenais para que possamos resistir melhor ao estresse.
  • A glândula pituitária também funciona em conjunto com o hipotálamo.
  • Essa última estrutura, relacionada às nossas emoções e à nossa memória, também é influenciada pela glândula pituitária.
  • Assim, e graças a essa união, o que pensamos e percebemos através dos sentidos se traduz em um estado emocional.

Por outro lado, também é importante destacar o envolvimento dessa glândula com certos processos biológicos:

  • Regula o metabolismo.
  • Estimula o hormônio estimulador (TSH) e o hormônio luteinizante (LH), que liberam estrogênio, testosterona e progesterona.
  • Estimula a prolactina, necessária para a produção de leite.
  • Também regula a produção de melanócitos para cuidar da pigmentação da pele.
  • Estimula o hormônio do crescimento e o desenvolvimento humano.

Glândulas pituitária e pineal

A glândula pineal: o regulador de ciclos

As glândulas pituitária e pineal compartilham funções e estão próximas uma da outra. No entanto, esta última é a que sempre despertou maior interesse do ponto de vista místico e espiritual. Talvez seja devido à sua forma de árvore, talvez por causa de sua fragilidade ou porque precisa da escuridão para funcionar de forma eficaz.

Se nos referirmos à sua fragilidade, não é menos surpreendente: quando chegamos à adolescência, sua atividade começa a diminuir. Tanto é que é comum atingir a idade adulta com uma glândula pineal que já começa a mostrar sinais de calcificação. Sua sensibilidade ao nosso ambiente, alimentos, toxinas ambientais e nosso estilo de vida, por vezes, reduz o seu bom funcionamento. Veremos agora quais processos a glândula pineal regula:

  • Regula o nosso ritmo circadiano e induz o sono.
  • A glândula pineal precisa da escuridão para secretar melatonina.
  • Também é fundamental na maturação sexual.
  • Uma alteração na glândula pineal pode mediar até o início do distúrbio afetivo estacional e da depressão.

Como podemos cuidar melhor das glândulas pituitária e pineal?

Atualmente, o interesse pelas glândulas pituitária e pineal está aumentando. Além do campo místico e espiritual, encontramos mais e mais estudos sobre o assunto orientados para o público em geral. Um exemplo é o Journal of Pineal Research, onde estudos interessantes e práticos sobre esse “terceiro olho” com funções endócrinas são publicados.

Essas estruturas são o exemplo claro de como nosso sistema endócrino também influencia nosso comportamento e personalidade. De fato, algo bem conhecido é o impacto que doenças como hipotireoidismo ou hipertireoidismo podem ter em nossas vidas. Não só o nosso metabolismo ou o nosso peso é afetado. O nosso estado de espírito e até mesmo o nosso repouso noturno são afetados por essa alteração hormonal.

Mulher em campo de trigo

Portanto, nunca é fácil saber como podemos cuidar melhor dessas estruturas. As glândulas pituitária e pineal, sem dúvida, agradecerão se levarmos em consideração essas propostas.

  • Mantenha a alimentação o mais natural possível, livre de pesticidas, corantes, conservantes…
  • Alimentos orgânicos consumidos na forma fresca reduzem a calcificação da glândula pineal.
  • Também é aconselhável melhorar a ingestão de vitaminas D, A e B, assim como minerais como magnésio ou manganês.
  • Seria ideal se nos ajustássemos sempre aos ciclos da natureza. Se vivêssemos em harmonia com as horas de luz e descansássemos com a escuridão, essas glândulas agradeceriam.
  • Também é aconselhável reduzir ou cuidar da nossa exposição à luz azul dos dispositivos eletrônicos.

Para concluir, basta salientar que entre essas duas glândulas a mais importante é, sem dúvida, a glândula pituitária ou hipófise. É a estrutura endócrina mais relevante, porque é aquela que praticamente regula todos os processos do nosso organismo. Vale a pena cuidar dela, e para isso, basta ajustar nosso estilo de vida a uma abordagem mais saudável e mais alinhada com o desenvolvimento natural do dia.

Recomendados para você