Haiku, poesia japonesa para liberar as emoções - A Mente é Maravilhosa

Haiku, poesia japonesa para liberar as emoções

13, setembro 2017 em Emoções 1265 Compartilhados
Haiku, poesia japonesa para liberar as emoções

O Haiku é um pequeno poema inspirado na emoção do momento, na surpresa e na nossa conexão com a natureza. É uma tradição japonesa que descobre a alma para favorecer sua recuperação, une coragem, resistência e valentia. De fato, dado seu efeito catártico e libertador, estamos diante de uma ferramenta psicológica, além de estética, de grande utilidade.

Há aqueles que dizem que o cérebro é como um museu onde há infinitas salas com imagens distorcidas. Encontrar o significado do que existe em cada uma nem sempre é fácil. Por esta razão, às vezes pode ser muito útil usar outras técnicas artísticas para capturar significados, encontrar ordem em meio ao caos e a calma em meio ao ruído.

Isso é o que os Haikus conseguem fazer. São poemas curtos formados por três versos de 5, 7 e 5 sílabas – onde o objetivo é olhar o universal com os olhos de uma criança, transcender do comum ao mágico e extinguir o pensamento obsessivo e ruminante, para nos focarmos na emoção do momento.

Para muitos, é quase como olhar para o mundo através de um pingo de orvalho, para estar conectado a um momento específico e ter uma perspectiva diferente, mais intensa e muito mais brilhante.

Haiku

O Haiku como ferramenta psicológica

Robert Epstein é um escritor e psicólogo da Universidade de Harvard. Graças a livros como “The Sacred in Contemporary Haiku” ou a muitos de seus artigos defendendo os benefícios do uso do Haiku em terapias, sabemos, por exemplo, que esse tipo de escrita é muito útil no tratamento de vícios. De fato, como o próprio Dr. Epstein diz, “um bom Haiku faz maravilhas para a alma cansada”.

Não estamos diante de um tipo de tratamento que, por si só, pode favorecer a recuperação completa ou a remissão de um vício ou um processo depressivo. Ela é uma ferramenta pontual e complementar, que favorece a conexão com nós mesmos e encontra, por sua vez, o espaço esquecido onde há esperança, o caminho da resiliência. Assim como o bambu, é lá que você pode ser muito mais forte e flexível diante da adversidade.

Por outro lado, é comum que a prática do Haiku seja frequentemente associada ao mundo Zen. No entanto, ela é uma prática muito mais antiga. Embora seja verdade que esta filosofia tenha usado o Haiku para se propagar, este é um tipo de poesia muito mais antiga e distante no tempo. Para a cultura japonesa, este sempre foi o canal de expressão e liberação emocional para que o homem ou a mulher japonesa, contemplando a calma da natureza, encontre uma maneira de ceder e escapar da tristeza, da saudade ou infelicidade.

Haiku, poesia japonesa

Também é interessante saber que muitos especialistas veem o Haiku como uma maneira excepcional de praticar a atenção plena que caracteriza o mindfulness. A pessoa deve estar aberta, deve ser receptiva ao mundo sensorial para capturar o momento e tomar a consciência de seu mundo interior. É uma ferramenta fabulosa com a qual aprender a “desacelerar”, relativizar preocupações e gerar sentimentos de calma, paz e compaixão.

Como escrever um bom Haiku

Matsuo Basho é o poeta mais famoso do período Edo do Japão e uma das pessoas que mais popularizaram o uso do Haiku. De acordo com suas palavras, um bom poema é capaz de capturar a essência de um momento, um instante de tempo entre nós, nossa alma e a própria natureza.

Se quisermos nos iniciar nesta arte terapêutica, as seguintes indicações serão muito úteis. Pode-se dizer que a sua verdadeira utilidade, no entanto, vem com o tempo e a prática, naquele momento em que deixamos de pensar nas regras, métricas e estrutura para simplesmente libertarmos nossa mente.

  • O Haiku não tem rima ou título
  • A métrica do haiku ideal é de 5 sílabas na primeira linha, 7 na segunda e 5 na terceira.
  • Os verbos são supérfluos, porque não há movimento, e sim a ideia de capturar uma imagem estática, uma emoção.
  • O verbo “ser” não deve ser incluído.
  • A regra é a simplicidade.
  • O Haiku não é um poema discursivo ou acabado.
  • Um bom Haiku captura algo que transcende o momento, mas, ao mesmo tempo, só pode ser expressado “naquele momento”.
  • Geralmente é incluído um “kigo”, isto é, uma referência à natureza, à estação em que nos encontramos.
  • Um Haiku é algo privado, algo que pertence somente a nós. Portanto, não devemos imitar, não devemos usar recursos simples, imagens fáceis… Um poema bom exige intimidade, consciência e liberdade emocional.

Haiku japonês

Finalmente, e para concluir, lembre-se apenas de que um Haiku é uma pincelada no tempo surgida do coração do escritor. É um canal, um suspiro no qual nos expressamos. Então, como um conselho simples, lembre-se apenas de que os Haikus mais bonitos são aqueles que fazem o salto para o terceiro verso, onde os dois primeiros fazem uma introdução simples para deixar a última impressão sendo a melhor.

Imagens cortesia de Don Hong Oai.

Recomendados para você