A importância de uma boa comunicação

· novembro 29, 2016

Costumamos escutar ou ler sobre o quão importante é manter uma boa comunicação, seja no âmbito do trabalho, na família, na vida social ou num relacionamento amoroso. Mas, será que levamos em conta tudo que o processo de comunicação engloba?

Nem sempre encontramos as palavras precisas, a forma de fazer com que as pessoas entendam aquilo que desejamos transmitir; é muito difícil transformar o que pensamos e sentimos em palavras. Frequentemente tudo isso acaba sendo um desafio. Inclusive, às vezes consideramos que não somos nós, mas sim nosso interlocutor quem coloca uma barreira impedindo que nossa mensagem seja transmitida.

Não temos consciência de toda a engrenagem que faz parte dos nossos processos de comunicação. Nos esquecemos da importância de nos comunicarmos com os demais de forma clara e simples, sem pensar no impacto que nossas palavras e gestos podem causar.

Nós supomos, damos como feito, criamos hipóteses pessoais sobre os acontecimentos ou pessoas, super-entendemos, difamamos, adicionamos ou tiramos detalhes da informação que chegou até nós, etc. Mas, como é a nossa comunicação?

Nós criamos realidades a partir da linguagem

pernas-cafe

Nós somos como escultores, que vão criando ou destruindo a informação que transmitem ou que recebem, baseando-se em suas características, experiências e peculiaridades. É necessário considerar que os seres humanos criam realidades através de sua linguagem.

Quando uma pessoa tenta transmitir uma imagem, um sentimento, um conceito ou uma ideia, provavelmente o interlocutor não recebe exatamente a mesma coisa. Você já pensou nisso? A causa da grande maioria dos desentendimentos é quando as pessoas pensam estar falando sobre a mesma coisa, mas sua concepção é totalmente diferente.

Casais que falam de amor, mas têm visões diferentes do mesmo. Pessoas que compartilham uma amizade, cada um tendo características muito diferentes. Você nunca pensou que, talvez, quando está conversando ou discutindo com alguém, pode ser que você tenha visões ou significados diferentes sobre aquilo que não está funcionando?

Ao conversar com os demais, a palavra pode ser a mesma, mas o conteúdo pode ser completamente diferente. A superfície e a profundidade podem não guardar a reação que você imaginava. É necessário ter em conta o que dizemos, e como fazemos isso, para obtermos um mapa mais preciso da nossa comunicação com os demais.

Perguntar em vez de supor

Quando mantemos uma conversa com outra pessoa, é fundamental perguntarmos a ela o significado daquilo sobre o que vocês estão conversando.

O que é o amor para você? Para você, o que é um relacionamento? O que significa para você ser leal ou entediante? O que é a felicidade ou a tristeza para você? E, da mesma forma, nós também podemos explicar a forma como vemos. Se não, ficaremos pensando que o outro compartilha da nossa visão de mundo, que ele pensa igual a nós. E isso seria muita coincidência, não é mesmo?

Nós economizaríamos muitos conflitos e mal-entendidos se, em vez de supor, tivéssemos perguntado antes ao nosso interlocutor ao que ele estava se referindo com sua ideia ou pensamento…

Cada um carrega em suas costas sua educação, suas experiências, sua formação e suas características pessoais, por isso nem sempre podemos compartilhar opiniões ou sentimentos parecidos. Estas são as lentes com as quais sentimos, interpretamos, pensamos e agimos no mundo. E cada de nós usa um grau diferente.

A comunicação é baseada em histórias

Por que não pensar no que comunicamos como se fosse um relato? O que eu comunico é como se fosse um conto, os acontecimentos vividos a partir da minha experiência, uma versão… e o que você entende é outra versão, com base nas suas características. Você me escuta, mas com base nas suas peculiaridades, se é que você pode me entender.

O que você pode não ter percebido é que, às vezes, contamos uma coisa para alguém e a pessoa entende outra. Ela acaba transmitindo exatamente o mesmo que nós? Cada pessoa determina o que é importante de acordo com as suas experiências. Por essa razão, cada pessoa é responsável por comunicar sua própria história.

Quando dizemos que o outro não tem razão, o que na verdade estamos expressando é que ele não pensa como nós. Ou não? Reflita um pouco sobre isso…