Imre Kertész, biografia de um sobrevivente admirável

abril 19, 2019
Grande parte do trabalho de Imre Kertész baseia-se em sua própria experiência como adolescente preso no campo de concentração de Auschwitz e em suas experiências durante o império do totalitarismo em seu país natal, Hungria. Imre Kertész foi um sobrevivente, um homem que nunca deixou de encontrar pedras em seu caminho e, no entanto, conseguiu viver do que mais gostava e obter reconhecimento internacional.

Imre Kertész foi o cidadão húngaro mais célebre do século passado. Esta afirmação está ligada ao fato de ele ter sido a única pessoa dessa nacionalidade a receber um Prêmio Nobel. Mesmo assim, não foi o seu próprio país que reconheceu e apoiou o seu talento, pelo contrário. A Hungria foi um grande fardo para este escritor impressionante que, no entanto, fez de sua desgraça uma obra-prima da literatura.

A fama universal de Imre Kertész se deve ao seu romance “Sem destino”, considerada a obra literária mais importante sobre o holocausto. Foi traduzida para mais de 20 idiomas e adaptada para o cinema em 2005 pelo diretor húngaro Lajos Koltai, com um roteiro escrito pelo próprio Kertész. Cabe ressaltar que Kertész se recusou a chamar esse genocídio de holocausto, porque considerava que isso era uma maneira de santificá-lo, em vez de denunciar sua essência.

A obra de Imre Kertész vai muito além de uma denúncia às atrocidades que marcaram um antes e um depois no mundo. Seu trabalho é orientado, em vez disso, para mostrar que a Segunda Guerra Mundial foi uma ruptura previsível com os mais altos valores da Europa. E ele consegue isso através de uma prosa divertida, irônica e comovente. Sua vida real, no entanto, é igualmente ou ainda mais impactante do que seu próprio romance. Afinal, às vezes a realidade supera a ficção.

“Se a liberdade existe, então o destino não pode existir; portanto, nós mesmos somos nosso próprio destino”.
-Imre Kertész-

Imre Kertész, primeiros anos

A vida de Imre Kertész foi marcada por experiências dolorosas que começaram cedo. Nasceu em 9 de novembro de 1929 em Budapeste, Hungria. Vinha de uma família de judeus não praticantes que gozavam de uma boa situação financeira. Quando tinha 5 anos, seus pais se separaram. Posteriormente, foi enviado para um colégio interno, no qual realizou seus estudos básicos.

Em 1940, Imre Kertész começava o segundo grau, coincidindo com as primeiras fases da Segunda Guerra Mundial. O antissemitismo já ocupava importantes setores da Europa e, por este motivo, o jovem Kertész foi designado a classes separadas, em um espaço destinado apenas a judeus. Desta forma, cursou os primeiros anos do segundo grau sentindo o peso da discriminação.

Em 1944, foi deportado para o campo de concentração de Auschwitz. Naquela época, tinha apenas 14 anos de idade. Diz-se que ele mesmo não sabia o que significava aquela mudança. Os nazistas obrigaram os jovens judeus a fazer uma longa fila antes de distribuí-los. Imre Kertész falava um pouco de alemão e entendeu que os soldados se referiam a ele dizendo que ele poderia ter 16 anos.

Quando perguntaram a ele, sem saber por quê, respondeu que essa era a sua idade. Essa pequena mentira, esse impulso que o levou a enganar os soldados, salvaria sua vida, já que os menores foram enviados à câmara de gás.

Campo de concentração de Auschwitz

Uma impressão indelével

Entre 1944 e 1945, Imre Kertész esteve em Auschwitz e em Buchenland, de onde foi libertado após o triunfo dos Aliados. O mais perturbador de sua experiência é que foi reduzido à condição miserável de prisioneiro de um campo de concentração, sem que sua família, nem ele mesmo, fossem de fato praticantes do judaísmo. Terminado esse acontecimento, retornou à sua terra natal, mas nenhum de seus parentes havia sobrevivido.

Mais adiante, começou a trabalhar como jornalista e terminou o segundo grau. No entanto, foi demitido e teve que trabalhar por vários anos em uma fábrica. Começava o regime stalinista na Hungria e mais uma vez ele foi discriminado. Foi rotulado como “burguês” pela procedência abastada de sua família. Portanto, o regime o notava com desconfiança e prevenção. Finalmente, conseguiu começar a trabalhar como tradutor, o que lhe proporcionou recursos para sobreviver sem muita dificuldade.

Kertész também compôs comédias, textos para comerciais e outros textos menores, mas sempre foi um escritor apaixonado. Em 1975, publicou seu grande romance “Sem Destino”, que não teve impacto em seu país natal. Por 20 anos, Kertész morou em um apartamento de 25 metros quadrados e escreveu em um cantinho da cozinha. Às vezes, também o fazia no café Luxor que frequentava. Naqueles anos, chegou a dizer: “sempre serei um escritor húngaro de segunda categoria, ignorado e mal compreendido”.

Nos anos noventa, foi redescoberto pelos editores alemães, que souberam apreciar o grande valor de seu trabalho. Então, seu reconhecimento foi aumentando com a obtenção de vários prêmios internacionais. Após a queda do regime comunista na Hungria, Imre Kertész tornou-se mais prolífico e alcançou um maior conforto.

Em 2002, recebeu o Prêmio Nobel de Literatura, algo que compensou, em parte, todo o seu sofrimento. Ele morreu em 31 de março de 2016, em Budapeste.

Uma pequena mentira salvou e mudou a vida de Imre Kertész

Para concluir

Uma pequena mentira salvou e mudou a vida de Imre Kertész. Em um pequeno instante, nossa vida pode tomar um rumo totalmente inesperado. Quando ouvimos histórias de sobreviventes do holocausto, ficamos surpresos ao ver como algumas pessoas conseguiram sobreviver a tantas atrocidades. Imre Kertész não apenas sobreviveu ao holocausto, mas também enfrentou novas dificuldades sob um regime diferente.

Sua origem sempre foi julgada, independentemente de quem estivesse no poder. Não teve facilidade em seu início como escritor, mas Kertész não desistiu e usou a arma mais poderosa que conhecia: a palavra.

  • Larrosa, J. (2009). Veinte minutos en la fila. Sobre experiencia, relato y subjetividad en Imre Kertész. Actualidades pedagógicas, (54), 55-68.