Isolar o parceiro: uma forma comum de abuso

Se seu parceiro ficar bravo por você sair com seus amigos ou colegas de trabalho, suspeite. Pode não demorar muito para ele querer isolá-lo, dizer que você é exclusivamente sua "propriedade".
Isolar o parceiro: uma forma comum de abuso
Valeria Sabater

Escrito e verificado por o psicólogo Valeria Sabater.

Última atualização: 15 Novembro, 2021

Isolar o parceiro, retirá-lo do seu ambiente social e familiar é uma forma óbvia de abuso. No entanto, esta é uma realidade e dinâmica tão silenciosa e sibilina que as vítimas costumam não lhe dar importância nos estágios iniciais. No final, chega o momento em que tomam plena consciência da sua solidão e das grades invisíveis que as cercam.

“Você realmente está com os seus amigos?”, “Por que você tem que ir ver seus pais? Não seja tão dependente deles, afinal, você tem a sua própria vida.” “Não gosto que você saia para jantar com seus colegas de trabalho, é melhor você ficar em casa e faremos um jantar especial.”

Poderíamos dar mil exemplos dessa narrativa abusiva com a qual alguém vai cortando todos os laços com o mundo exterior. No entanto, o mais impressionante é que a outra pessoa cede e aceita por amor. Relacionamentos baseados na dependência costumam cair neste tipo de prisão psicológica.

O amor não é uma emoção exclusiva que devemos dirigir e receber apenas do nosso parceiro. Somos seres sociais e emocionais. Precisamos do contato e do carinho dos nossos amigos, familiares, colegas de trabalho… Sem essa proximidade diária fora da bolha doméstica, vamos murchando aos poucos.

Maus-tratos na relação amorosa

Isolar o parceiro: em que consiste essa forma de abuso?

A Universidade de Nottingham, no Reino Unido, mostrou em um estudo que prestamos mais atenção ao abuso físico do que ao psicológico. Os abusos psicológicos e emocionais são mais frequentes em nossos relacionamentos e, no entanto, nem sempre os vemos.

Este trabalho revelou que as personalidades que mais praticam o abuso psicológico são os perfis psicopatas e maquiavélicos. Essas pessoas são muito hábeis em dinâmicas como desprezo, controle, manipulação e tendência a isolar o parceiro. Não é fácil admitir que a pessoa que mais amamos está nos encurralando e nos separando do nosso círculo social.

O mais surpreendente é que esses comportamentos abusivos são cada vez mais frequentes entre os jovens. Tanto é verdade que chegamos a um ponto em que muitos adolescentes, condicionados pelos ideais do amor romântico, acham aceitável que seus parceiros os controlem.

De acordo com um estudo elaborado pelo Centro de Pesquisas Sociológicas (CIS) encomendado pelo Ministério da Saúde espanhol em 2015, 33% das pessoas com menos de 30 anos consideram aceitável que seus parceiros as impeçam de ver suas famílias ou amigos. Obviamente, há algo que estamos fazendo de errado como sociedade.

O isolamento é a primeira forma de abuso

Quando falamos sobre abuso, a maioria das pessoas visualiza um rosto com um hematoma. No entanto, a maioria dos abusadores não chega a esse ponto. O abuso mais comum se manifesta na linguagem e no estilo de comunicação. A ironia, o sarcasmo e a depreciação da opinião do outro são dinâmicas do dia a dia.

Isolar o parceiro é o primeiro passo do abuso psicológico. Ele geralmente não é percebido porque é vestido (ou interpretado) como uma amostra inevitável da demonstração de amor. Surge quando a outra pessoa nos pede para ficar ao lado dela em vez de ficarmos com a família ou os amigos. Isso geralmente é interpretado como um gesto de afeto, e não como uma necessidade óbvia de dominação.

Porém, a vítima vai testemunhar como a outra pessoa boicota aos poucos todos os seus laços sociais. Os truques que costumam usar são os seguintes:

  • Inventam desculpas para o parceiro não conhecer pessoas ou simplesmente não sair de casa.
  • Desprezam e criticam a família e os amigos. Eles tentam depreciá-los para convencê-los de que não são bons para o parceiro.
  • Farão você se sentir culpado sempre que passar algum tempo fora de casa.
  • Podem exibir demonstrações excessivas de ciúme.

Os comportamentos passivo-agressivos começam a aparecer. Nesse caso, eles não dirão abertamente que estão aborrecidos com o encontro com um amigo, mas farão saber através de outros comportamentos, como parar de falar com o parceiro, bater portas ou ficar mais irritadiços.

Frequentemente, as vítimas não percebem o comportamento de isolamento como uma forma de abuso. Principalmente quando as outras áreas do relacionamento estão indo bem no início. No entanto, o simples ato de perder o contato social é devastador para a saúde mental.

Isolar o parceiro é uma realidade comum nas relações de dependência

Muitos casais constroem seu relacionamento com base na dependência. São amores doentios e obsessivos que se retroalimentam por meio da dominação, do ciúme e da insegurança emocional. Essa forma de apego é pouco mais que um suicídio emocional, uma forma de perder a nossa identidade e o nosso apoio ao ficarmos isolados naquela ilha, privados de afeto.

O isolamento mútuo é um fenômeno comum neste tipo de relacionamento. Ou seja, às vezes o desejo de isolar o parceiro não parte apenas de um membro para o outro, mas é algo promovido por ambos. Existem casais em que ambos se afastam igualmente do seu ambiente próximo.

Mulher chorando

Como sair da prisão do isolamento criado pelo parceiro?

O primeiro e mais óbvio passo é tomar consciência do nosso isolamento. Isso nem sempre é fácil por uma série de razões: a primeira é o desgaste mental. O custo do abuso psicológico mantido ao longo do tempo deixa consequências para as vítimas.

Pesquisas como a do Dr. Tyrone C. Cheng, da Universidade do Alabama (Estados Unidos), indicam que é muito comum que isso leve a transtornos de pânico, estresse, depressão, fobia social… Portanto, é essencial que a própria pessoa perceba o que está acontecendo, mas também que o ambiente atue.

Se tivermos um amigo ou membro da família que não vemos com frequência e que suspeitamos estar em um relacionamento abusivo, precisamos agir. O que uma vítima de abuso mais precisa é apoio social, acompanhamento e compreensão. Afastá-los desse ambiente tóxico e exaustivo é o primeiro passo.

Posteriormente, haverá a reconstrução e aquele delicado processo de recuperação psicológica e emocional com o qual voltar a elevar a autoestima, a identidade e a projeção de metas.

Pode interessar a você...
4 sinais de alerta em um relacionamento
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
4 sinais de alerta em um relacionamento

A relação amorosa é um vínculo que deve ser nutrido e enriquecido. Quando isso não acontece, certos sinais alerta começam a soar no relacionamento.



  • Cheng TC. Intimate Partner Violence and Welfare Participation: A Longitudinal Causal Analysis. Journal of Interpersonal Violence. 2013;28(4):808-830. doi:10.1177/0886260512455863
  • Hasan M, Clark EM. I get so lonely, baby: The effects of loneliness and social isolation on romantic dependency. J Soc Psychol. 2017;157(4):429-444. doi: 10.1080/00224545.2016.1229251. Epub 2016 Sep 16. PMID: 27635736.