Ludopatia cibernética: características e tratamento

A ludopatia cibernética, ou vício em jogos online, vem se tornando cada vez mais comum. Neste artigo, vamos falar sobre suas causas e consequências.
Ludopatia cibernética: características e tratamento

Última atualização: 05 Novembro, 2021

A ludopatia cibernética é definida como um tipo de transtorno psicológico caracterizado pela dependência de qualquer tipo de jogo na Internet. Este comportamento compulsivo pode afetar negativamente a vida familiar, o desempenho profissional e a estabilidade financeira da pessoa que o apresenta.

Nos últimos anos, este se tornou um problema que exige cada vez mais atenção e intervenção psicológica Neste artigo, iremos identificar as principais características das pessoas que sofrem de ludopatia cibernética e descrever como o apoio psicológico profissional pode ajudar a superar essa dependência e lidar com as suas consequências.

Características da ludopatia cibernética

A popularização e melhoria da acessibilidade e usabilidade dos espaços online de apostas em eventos desportivos, a existência de plataformas de jogos online e a facilidade de acesso através dos smartphones tornam os jogos online um fenômeno crescente. Em particular, parece estar afetando jovens, estudantes universitários e desempregados.

Celular com jogos de azar

Algumas características da ludopatia cibernética são as seguintes:

1. Perda de interesse em atividades que não sejam jogos de azar

Em primeiro lugar, uma das características deste problema é a maneira como interfere nas tarefas diárias e nos interesses e preferências de quem o sofre. É comum que muitas atividades que antes eram importantes sejam rebaixadas a favor dos jogos online.

2. Mudanças de humor

Mudanças de humor em função dos resultados obtidos nos jogos ou sentimentos de irritabilidade e ansiedade ao tentar reduzir o tempo de jogo costumam ser características relevantes da ludopatia cibernética.

3. Necessidade de mentir ou esconder o comportamento de jogo

É recorrente que quem sofre com esse vício experimente a necessidade de mentir para familiares e amigos sobre esses comportamentos ou queira escondê-los para evitar julgamentos, críticas e acusações.

4. Criação de vários perfis em diferentes plataformas

Também é comum que os jogadores criem vários perfis em diferentes plataformas, para que possam diversificar sua experiência como jogadores e evitar possíveis penalidades ou suspensões por jogar por mais tempo do que o recomendado.

5. Perda do senso de realidade

A ludopatia cibernética também se caracteriza por gerar distorções na maneira como os jogadores percebem a realidade. É possível que surjam discrepâncias entre a realidade que foi construída online em torno do jogo e as situações da realidade externa. Por exemplo, pode haver perda de noção de tempo ou do “valor real do dinheiro”.

6. Usar o jogo para evitar a realidade

Na mesma linha, é possível que eles tendam a usar o jogo como forma de escapar da realidade e das consequências negativas que a ludopatia cibernética certamente trouxe consigo.

7. Efeitos no trabalho, nos estudos e no emocional

O jogo patológico online tende a afetar todas as áreas da vida dos jogadores. Falamos do círculo social, mas também do desempenho no trabalho e da própria saúde, reduzindo as horas de descanso. Em muitas ocasiões, o pensamento também é sequestrado.

Mesmo que a pessoa não esteja jogando, sua atenção permanece no jogo: nos resultados das últimas rodadas, nos movimentos que ela pode fazer ou avaliando estratégias ou planos de ação.

8. Perdas financeiras associadas a jogos de azar

A ludopatia cibernética expõe aqueles que sofrem com ela a perdas financeiras, que muitas vezes levam a dívidas que não podem ser pagas. Assim, acaba se formando um círculo vicioso.

9. Negação do problema

Como em todos os vícios, uma característica comum é a negação do problema ou sua minimização. Os jogadores tendem a acreditar que estão no controle da situação, que podem prever o resultado dos jogos ou que as perdas financeiras serão compensadas por ganhos futuros.

10. Perda da capacidade de autocontrole

Finalmente, é comum que haja uma perda de controle quanto à vontade de jogar sem parar. Quando é o jogador que percebe essa perda de autocontrole, pode ser a hora de procurar ajuda.

Vício em jogos de azar online

Qual é o tratamento para a ludopatia cibernética?

Para começar, o mais importante será receber ajuda profissional especializada em vícios. O suporte psicológico é essencial para identificar as causas associadas a esses comportamentos, levando em consideração a possibilidade de definir estratégias eficazes para tratá-los.

A assistência terapêutica também é essencial para ajudar o paciente a controlar os sentimentos de ansiedade, raiva, frustração e medo que podem surgir na primeira fase do processo de recuperação. Além disso, pode fornecer ferramentas para fortalecer o autocontrole e manter a motivação para o tratamento.

A intervenção clínica em um caso de ludopatia cibernética requer paciência, comprometimento e autoaceitação, pois em muitos casos as recaídas fazem parte do processo.

Pode interessar a você...
O que é a ciberpsicologia?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O que é a ciberpsicologia?

As novas tecnologias causaram uma mudança notável em nossas vidas. A ciberpsicologia desempenha um papel fundamental neste contexto.



  • Hernández Cruz, Marla Eunice, & Bujardón Mendoza, Alberto. (2020). Fundamentos teóricos para un estudio sobre la ludopatía. Humanidades Médicas20(3), 606-624. Epub 05 de diciembre de 2020. Recuperado en 04 de noviembre de 2021, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1727-81202020000300606&lng=es&tlng=es.
  • Marco, Clara y Chóliz, Mariano (2013). Tratamiento cognitivo-conductual en un caso de adicción a Internet y videojuegos. Revista Internacional de Psicología y Terapia Psicológica, 13 (3), 125-141. [Fecha de Consulta 5 de Noviembre de 2021]. ISSN: 1577-7057. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=56028282009.
  • Uchuypoma, D. (2017) Juegos online: una mirada desde el juego patológico. Hamut´ay, 4 (2), 55-64. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.21503/hamu.v4i2.1472