Me sinto desvalorizado pelos outros. O que posso fazer?

29 Novembro, 2020
Sentir-se desvalorizado pelo parceiro, pela família ou pelos chefes no trabalho pode ser muito desgastante. O que devemos fazer nessas situações?

“Me sinto desvalorizado pelos outros, tanto no trabalho quanto em casa.” Existem muitas pessoas que vivenciam esse sentimento em algum momento de suas vidas e, convenhamos, poucas coisas são tão dolorosas quanto se sentir desvalorizado.

Talvez este seja um sinal óbvio de falta de autoestima? Talvez. Porém, há um aspecto indiscutível em relação a essa questão. O ser humano precisa se sentir parte de algo ou de alguém. Como criaturas sociais (e emocionais) que somos, a validação e o reconhecimento daqueles que amamos é um nutriente essencial.

Esperamos isso de nossos parceiros. Dar e receber carinho, admirar e ser admirado por quem amamos e nos sentirmos amparados é um pilar indiscutível. Esse tecido psicológico também é básico em cada unidade familiar e a nível profissional. Saber que o que fazemos é valorizado reforça a imagem que temos de nós mesmos.

O que acontece, então, se tudo isso estiver faltando? Vamos analisar.

Jovem apoiado em árvore

Eu me sinto desvalorizado pelos outros e não sei o que fazer

A razão pela qual tendemos a nos sentir subestimados pelos outros quase sempre faz parte do cérebro. Somos “programados”, por assim dizer, para nos compararmos socialmente com aqueles que nos rodeiam em quase todos os momentos.

Quando nos percebemos em desvantagem, um sistema de alarme é acionado avisando que algo ruim está acontecendo. O cortisol é liberado no sangue e ficamos alertas quando percebemos, por exemplo, que nossos pais prestam mais atenção ao nosso irmão mais velho. Também quando nosso parceiro não valoriza aquele detalhe que é importante para nós.

O cérebro precisa de reforço externo para sentir um certo equilíbrio e, assim, se perceber como parte do seu grupo social. Dessa forma, gestos como gentileza, uma palavra de reconhecimento ou atos de afeto cotidiano são injeções de dopamina capazes de nos reforçar e de nos fazer ver que tudo está indo bem. Se isso estiver continuamente em falta, surge o medo e até mesmo o sofrimento.

Desvalorização no relacionamento amoroso

Sentir-se desvalorizado em um relacionamento amoroso pode ser a causa de problemas e até de separações. Agora, em certas ocasiões, essa situação pode ser a origem de uma desvalorização real de um membro em relação ao outro ou de outras realidades que devem ser enfrentadas.

O que devo fazer?

Primeiro, fique atento se a sua necessidade de reforço e reconhecimento é excessiva. Às vezes, fatores como insegurança ou baixa autoestima podem nos fazer esperar muito da outra pessoa. Da mesma forma, a busca constante por aprovação externa revela apenas lacunas internas. Vamos refletir sobre isso.

Por outro lado, essa desvalorização pode ser real. Nesse caso, é necessário discutir com o parceiro, esclarecendo de forma concreta e com exemplos o que está acontecendo. É também aconselhável especificar o que esperamos da outra pessoa: apreço, respeito, cumplicidade, apoio… Se isso não acontecer, devemos tomar uma decisão.

Sentir-se desvalorizado no amor é uma lenta morte emocional pela qual não devemos passar.

Eu me sinto desvalorizado pelos outros, mas principalmente pela minha família

O desprezo a nível familiar é prejudicial em todos os níveis. Se o vivenciamos desde a infância por causa de pais que nos subestimaram em quase todos os aspectos, o impacto desse fato pode durar décadas. A principal consequência é acabar desenvolvendo uma baixa autoestima.

O que devo fazer?

O que fazer quando eu me sinto desvalorizado pelos outros, mas principalmente pela minha família? O primeiro passo é parar de focalizar seu olhar neles para colocá-lo naquela área há muito negligenciada: você mesmo.

A desvalorização que dura décadas deve ser curada com o amor-próprio. Para isso, devemos fortalecer nossa autoestima, identidade, segurança pessoal e autoeficácia. É hora de nos sentirmos bem com nós mesmos, com os planos que temos em mente… A família que despreza e menospreza deve ficar em segundo plano. O ideal é manter uma distância saudável dessas pessoas.

Quem quer que subestime o outro de forma persistente está exercendo uma forma de abuso.

Homem triste se sentindo desvalorizado

Desvalorização no trabalho

Passamos quase um terço das nossas vidas no trabalho. Ficar imerso em um contexto onde nos percebermos vilipendiados e desprezados tem seu preço psicologicamente. Há quem destaque que a desvalorização do trabalho humano é um sintoma do nosso tempo.

Aspectos como a disparidade salarial entre homens e mulheres, a pouca valorização do potencial de cada pessoa, baixos salários ou más condições de trabalho em geral são, sem dúvida, situações bastante comuns.

O que devo fazer?

A desvalorização no trabalho leva à baixa motivação, situações estressantes e mal-estar geral. É necessário não chegar a situações extremas que ponham em risco a nossa saúde.

Para concluir, todos nós às vezes podemos pensar: “Eu me sinto desvalorizado pelos outros”. Quando isso acontece, é necessário nos explorarmos primeiro. Às vezes, esperamos que os outros nos ofereçam o que não oferecemos a nós mesmos.

Assim, caso o nosso nível de autoestima e valorização pessoal seja atingido e realmente haja um problema de desprezo, devemos resolvê-lo. Não é aconselhável conviver por muito tempo com esse sentimento ligado a nós porque nos desgasta, dói, oxida e nos danifica.

Vamos resolver essas situações com assertividade e reivindicar o que todo ser humano merece e precisa: respeito e valorização.