Medusa e Perseu, um mito sobre a salvação pela arte

novembro 15, 2019
No mito de Medusa e Perseu, estão em jogo uma série de símbolos muito interessantes. A Medusa é a representação da mulher encurralada pelo poder feminino, e Perseu é o símbolo de quem consegue vencer o horror, projetando-o em um espelho.

O mito de Medusa e Perseu é, para muitos, uma metáfora do horror e de como é possível se salvar dele por meio da arte. Para outros, representa um mito feminino, no qual a mulher ultrajada se transforma em algo monstruoso. Uma imagem perigosa que assusta e espanta qualquer pessoa que a contemple.

Há várias versões do mito de Medusa e Perseu. No entanto, a mais clássica conta que ambos tiveram uma origem trágica.

Medusa era uma das três górgonas, todas filhas de Fórcis e Ceto. Das três, Medusa era a filha mais bela e também a única mortal. Sua beleza era tão grande que despertou admiração entre deuses e homens.

Dizem que Poseidon ficou tão fascinado que a violou sobre o mármore no templo de Atena. Essa deusa não tolerou semelhante profanação e, então, transformou Medusa em um monstro horrível, como eram suas irmãs. Deu a ela mãos metálicas e presas afiadas.

Os lindos cabelos de Medusa foram transformados em serpentes. Além disso, também recebeu olhos que emitiam uma luz terrível. Desde então, todos que a olhassem nos olhos seriam transformados em pedra.

Depois disso, ela foi exilada nos confins do mundo dos vivos. Medusa estava grávida. A partir desse momento, transformou-se em um dos monstros mais temidos.

“Algum dia, você aprenderá que ser metade humano te torna mais forte do que ser apenas um deus”.
-Sam Worthington-

O mito de Medusa e Perseu

A origem de Perseu

O mito de Medusa e Perseu conta que o rei de Argos soube por um oráculo que o filho de sua filha o mataria. Para evitar a realização da profecia, trancou sua filha Dânae em uma câmara hermética de bronze que foi colocada em um lugar subterrâneo.

No entanto, Zeus estava apaixonado por ela. Ele a engravidou ao se transformar em uma chuva de ouro que penetrou na câmara.

Posteriormente, nasceu Perseu. Seu choro alertou o avô sobre o acontecimento. O rei decidiu, então, trancar Dânae e Perseu em uma arca de madeira e jogá-la ao mar. Os dois foram resgatados em uma ilha.

Perseu cresceu e se tornou um belo jovem. Havia um pretendente que queria ficar com sua mãe. Então, Perseu se comprometeu em matar Medusa como um meio de evitar esse acontecimento.

Atena, que já tinha um antigo rancor com Medusa, se ofereceu para ajudá-lo, juntamente com Hermes. Eles o guiaram para que fosse até as Greias , que eram três anciãs proféticas e parentes de Medusa. Em conjunto, as três tinham apenas um olho e um dente.

Perseu se aproveitou de um descuido e se apoderou do olho e do dente. Para que ele os devolvesse, elas teriam que indicar o caminho até as Ninfas.

Os poderes de Perseu

O mito de Medusa e Perseu conta que, quando o corajoso jovem chegou onde estavam as ninfas, elas lhe presentearam com sandálias aladas para que pudesse voar pelos ares.

Também lhe entregaram o elmo de Hades, que era feito de pele de cachorro. Quem o usasse ficaria invisível. Por fim, lhe deram uma sacola. Hermes, por sua vez, lhe deu uma foice afiada e um escudo brilhante.

Armado dessa maneira, Perseu foi buscar as górgonas. Em seu caminho, encontrou estátuas de pedra. Eram os corpos de quem havia chegado até ali e havia olhado Medusa no rosto. Entendeu, então, que deveria ser precavido e, por isso, esperou o momento oportuno.

Uma vez que as górgonas dormiram, Perseu posicionou seu brilhante escudo de tal modo que refletisse o rosto de Medusa. Assim, evitava olhá-la no rosto. Em seguida, pegou a foice e, com apenas um golpe, arrancou sua cabeça.

Do corpo dela, saíram o cavalo Pégaso e Crisaor, um gigante. Eram os filhos que ela estava gestando.

Perseu segurando a cabeça de Medusa

O belo mito de Medusa e Perseu

De acordo com o mito de Medusa e Perseu, desde então o jovem herói usou a cabeça de Medusa para vencer seus inimigos. Apesar de tudo, a cabeça não perdeu o seu poder.

Ele a colocou na sacola que havia levado e, graças a ela, pôde enfrentar monstros e inimigos. Apenas puxava o crânio de Medusa e, quando os outros o viam, eram transformados em pedra.

Dizem que o mito de Medusa e Perseu tem relação com a arte de maneira simbólica. Em particular, o escudo de Perseu representa uma maneira de enfrentar o horror indiretamente. É o que a arte faz: reflete. Permite olhar o espelho, mas, ao mesmo tempo, evitar que nos paralise de terror.

Além disso, a cabeça de Medusa se tornou a principal arma de Perseu, o que também pode ser visto de forma simbólica. É com a arte que conseguimos enfrentar esses demônios e inimigos internos que nos assombram. A cabeça de Medusa seria a obra, o resultado, o produto da criação.

Hoys, A. M. V. (2004). La Gorgona Medusa¿ Un posible mito tartésico?. Huelva arqueológica, (20), 195-214.