8 conselhos para gerenciar o rancor

· agosto 4, 2018

O rancor é um ressentimento enraizado e persistente. É uma emoção negativa que nos invade quando alguém nos magoa e acreditamos que existe uma intenção por trás dessa ação ou falta de esforço para evitar causar tal sofrimento. Por outro lado, é esse ressentimento que motiva a vingança. Nesse contexto, a principal razão pela qual devemos aprender a gerenciar o rancor não é apenas o dano que podemos causar aos outros, mas o nosso próprio bem-estar mental.

É muito prejudicial recriar o sentimento e alimentar a dor, embora isso pareça atraente. O que realmente estamos fazendo é nos intoxicando sob o disfarce de atenuar a dor, expressando as nossas emoções.

8 conselhos para gerenciar o rancor

Podemos usar algumas dicas para gerenciar o rancor diante de uma situação que nos deixa com raiva, para que possamos identificar a causa do problema e analisá-lo de uma forma que não aumente o sofrimento. Assim, evitaremos nos deixar levar pela situação e por sentimentos que lutam para ganhar o controle do nosso comportamento.

Homem com dificuldade para gerenciar o rancor

Impeça o rancor de nascer

Para começar a administrar o rancor, é melhor analisar a origem desse sentimento da maneira mais objetiva possível. Para isso, podemos procurar uma explicação bem fundamentada que neutralize os sentimentos negativos. Por exemplo, devemos aceitar que uma situação pessoal ou profissional nem sempre se adaptará idealmente aos nossos gostos ou responderá aos nossos interesses.

Não alimente os maus pensamentos

De nada adianta ficar remoendo os problemas, exceto para aumentar esse sentimento de ódio interno que vai contra a nossa capacidade de administrar o rancor. Diante disso, é melhor tentar esquecer o problema, aceitar que não podemos mudar o que aconteceu e começar a trabalhar na busca de soluções.

Valorize o perdão

Esse pode ser um dos pontos mais complicados, já que perdoar, muitas vezes, não é uma tarefa simples. Portanto, uma boa opção é estimular a memória de fatos ou circunstâncias que motivem esse perdão. Provavelmente esses eventos ficaram no passado, atraídos pela própria emoção.

Como um exercício, podemos fazer duas colunas nas quais colocaremos os aspectos positivos e negativos do nosso relacionamento com a pessoa que gerou o problema, dando até mesmo um valor numérico para cada um. Dessa forma, poderemos administrar o ressentimento que sentimos de uma maneira mais objetiva, sendo capazes de ver a situação através de uma nova perspectiva e valorizando as coisas boas e ruins.

Tire conclusões

Esse passo é um bom complemento do item anterior, de modo que, uma vez analisados os aspectos positivos e negativos do nosso relacionamento com a pessoa que causou o problema, poderemos tirar conclusões sobre o valor desse relacionamento. Dessa forma, poderemos perceber se ela merece ou não um passo além do perdão e a tentativa de recuperar o relacionamento.

Desabafe

Para gerenciar o ressentimento, é importante não guardar o problema para si mesmo. Converse sobre isso com alguém que possa lhe dar outra visão da situação ou ressaltar algumas ideias nas quais você ainda não tenha pensado.

Não aja de maneira impensada

Ser levado pelos sentimentos vai totalmente contra o bom gerenciamento da situação. Portanto, por mais difícil que seja, é melhor esperar para analisar o problema com a “cabeça fria” em vez de iniciar uma discussão acalorada.

Aprenda a gerenciar o rancor

Pratique o esquecimento seletivo

O nosso cérebro tem um mecanismo de sobrevivência que nos ajuda a esquecer o que nos causou dor. É claro que não é uma solução infalível, mas pode ser usada para administrar o rancor de maneira mais saudável.

Se uma pessoa nos prejudicou de alguma forma, é melhor não estar sempre alerta esperando que isso aconteça novamente. Tente se convencer de que pode ter sido um evento isolado. Naturalmente, também é importante saber reconhecer o caráter das pessoas e estar ciente de que alguém pode nos prejudicar novamente no futuro.

Afaste-se

Finalmente, se estamos diante de um problema sem solução ou que nos leva constantemente a uma situação estressante, é melhor se afastar. Este pode ser um bom conselho no caso de um término amoroso, de modo que evitaremos situações que possam reabrir antigas feridas. No final, o espaço e o tempo nos ajudarão a enxergar as coisas com mais clareza, deixando de lado o rancor.