A menina que olhou o céu e descobriu a sua estrela

A menina que olhou o céu e descobriu a sua estrela

dezembro 11, 2017 em Psicologia 366 Compartilhados
A menina que olhou o céu e descobriu a sua estrela

Essa história fala de uma menina que olhou para o céu e descobriu a sua estrela, sua luz interior ao ver o brilho da noite. Confesso que essa menina era eu e essa história está inspirada naquela que minha mãe me contava, com paciência e carinho, tantas vezes quantas fossem necessárias. Sempre serei agradecida a ela por me ensinar a ter coragem de seguir a minha estrela e valorizar minha luz interior.

“Quando você possui luz interior, ela é vista externamente”.
-Anaïs Nin-

Era uma vez uma pequena menina com olhos azuis enormes e cabelo escuro, que gostava muito de brincar com seus amigos. Seu jogo favorito era esconde-esconde e passava grande parte do tempo procurando: quando ela tinha que se esconder, procurava um esconderijo próximo porque se cansava muito quando tinha que correr grandes distâncias.

Mas ela não se importava em “perder”. Seus amigos costumavam procurar esconderijos muito criativos: entre as árvores, atrás de carros estacionados, alguns inclusive trocavam de roupa entre eles tentando trapacear… todos esses pequenos detalhes faziam a menina rir e se divertir com esse jogo.

Até que um dia chegou uma garota nova na turma e ela não parava de implicar com a menina porque ela perdia no jogo, ao mesmo tempo em que insistia que buscasse um esconderijo mais distante. Diante dessa atitude, a menina começou a se sentir triste; mas apesar de tudo, continuou brincando.

Finalmente, devido à insistência da recém-chegada, a menina aceitou se esconder no parque, longe do lugar onde ela tinha que correr para se salvar. Dessa vez ela não perdeu, mas chegou à linha de chegada tão cansada que teve que parar de brincar e voltar para casa.

Enquanto ela voltava para casa, a tristeza aumentou e ela começou a chorar. Quando passou pela porta, muito antes do habitual, sua mãe se aproximou e perguntou: “Por que você está chorando, filha?” A menina explicou o que tinha acontecido com a nova garota e o jogo de esconde-esconde. Ela não conseguia parar de chorar e repetir que era diferente das outras crianças, e se sentia muito sozinha.

Menina segurando dente-de-leão

A sua estrela é a mais brilhante

A mãe pegou a mão dela e, sem dizer nada, as duas saíram para a varanda da casinha, onde diante delas brilhava uma estrela, era a mais brilhante do céu, porém parecia estar sozinha, não se via outras estrelas ao seu redor. A mãe tirou um lenço branco e suave do bolso para secar as lágrimas da filha. Ela segurou com firmeza e doçura o queixo da menina e levantou a cabeça dela ao mesmo tempo em que mostrava aquela estrela.

• Você está vendo essa estrela? – Perguntou a mãe à sua filha com um sorriso nos lábios.

• Sim, é muito bonita e brilhante. – Respondeu a menina com curiosidade.

• Essa estrela é você. – Disse a mãe bastante convencida.

• Mas, mamãe, essa estrela não está muito sozinha?

• Não, ela não está sozinha. Só que ela brilha tanto que não dá para ver as outras estrelas, porém apesar de não serem visíveis, elas estão ali também.

• É verdade que eu tenho tanto brilho? – Disse a menina secando as últimas lágrimas e começando a sorrir.

• Você tem tanto brilho que algumas pessoas se assustam. Mas outras vão gostar de você justamente por isso. Nunca deixe de ser você mesma, minha filha. Você é muito valiosa.

• Obrigada, mamãe. Te amo. –A menina beijou e abraçou com força a mãe.

Lembrar da luz

A partir daquele dia, quando a menina estava triste, a mãe a acompanhava até a varanda para que pudesse ver a estrela e lembrasse da sua luz. Pouco a pouco, a menina foi crescendo e aprendeu a ir sozinha até a varanda para buscar a sua estrela.

Com o tempo, para a menina era suficiente apenas olhar o céu, onde quer que ela estivesse, encontrava a sua estrela e se lembrava da sua luz. Essa menina hoje já é uma mulher, e graças a essa história nunca se esquecerá de que a sua estrela continua brilhando no céu e guiando o seu caminho.

As histórias oferecem ensinamentos úteis que podemos recordar com facilidade para enfrentar as adversidades ou aproveitar melhor aquilo que o destino nos oferece ou que conseguimos com esforço. Nessa história é necessário viver um momento na escuridão para depois poder ver a luz.

“Para que a luz brilhe intensamente, a escuridão deve estar presente”.
-Francis Bacon-

Mulher buscando sua estrela em céu noturno

As estrelas sempre orientaram a humanidade quando ela se sentiu perdida, desenhando mapas celestes. Seu brilho nos lembra quão pequenos e insignificantes somos e, ao mesmo tempo, nossa grandeza. Ver as estrelas brilharem com mais intensidade quanto maior é a escuridão nos faz entender que os seres humanos também podem brilhar com luz própria.

Nessa história a menina, com a ajuda da mãe, vê a sua luz interior refletida no brilho exterior da estrela. Assim, ela entende que não deve deixar que as opiniões dos outros interfiram na sua forma de ser e de aproveitar a vida.

Recomendados para você