As minhas atitudes me definem – A mente é maravilhosa

As minhas atitudes me definem

9, abril 2016 em Psicologia 1432 Compartilhados
As minhas atitudes me definem

Não importa qual é o nosso trabalho, onde vivemos ou se temos um diploma universitário. A forma como nos relacionamos com os outros é que diz tudo sobre nós. Ou seja, as atitudes que temos com alguém que precisa de nós, com aqueles que nos amam, e inclusive com aquelas pessoas das quais não gostamos muito.

A bondade, o altruísmo e a solidariedade são palavras fáceis de pronunciar, no entanto, conseguir fazer com que sejam o emblema dos nossos comportamentos é mais complicado. Se conseguirmos fazer isso, essas serão as palavras que vão definir a nossa personalidade, e é por elas que vamos ser lembrados.

O que é a atitude?

Basicamente trata-se da forma como encaramos as diferentes situações que temos que enfrentar. Poderíamos dizer que a atitude são os hábitos que nos caracterizam e que todo mundo conhece de nós. Por exemplo, se quando entramos em uma loja cumprimentamos amigavelmente os vendedores, ou se quando vemos uma pessoa em situação de necessidade não hesitamos em ajudá-la, estamos demonstrando várias atitudes: bondade, educação, generosidade ou altruísmo.

Essa palavra pode ser usada no âmbito empresarial ou nas relações amorosas, mas não nos damos conta de que a atitude é aplicável a tudo o que nos acontece. A atitude é essa! Escutamos muito isso quando alguém enfrenta os obstáculos, se levanta depois de cair, ou ultrapassa aos poucos as dificuldades das metas que enfrenta.

Cara sorrindo rodeada de caras tristes

A atitude não é nada sem as ações que a manifestam. Sem dúvida, as ações são os que nos definem como pessoas, como amigos, como parceiros, companheiros ou cidadãos.

A atitude: nascemos com ela ou a desenvolvemos?

Partindo do princípio de que a nossa intenção é fazer o bem e de que temos ao nosso alcance os recursos necessários para avançar com essa premissa (atitudes), é fácil pensar que a atitude é inata. No entanto, não é assim tão simples.

As mensagens que recebemos da sociedade em referência ao que está certo e ao que está errado, e o acúmulo das nossas próprias experiências, também dizem muito sobre a configuração da nossa disposição perante a vida.

Por quê? Porque as nossas atitudes são muito sensíveis ao reforço que recebem. Se, quando somos pequenos, as nossas pessoas de referência nos recompensam quando entramos em algum lugar e cumprimentamos as pessoas que estão presentes, provavelmente vamos passar a realizar este mesmo comportamento em situações parecidas. Além disso, não vamos fazer só isso, mas também ter comportamentos semelhantes, como o de tirar o chapéu ou o boné na hora de entrar em um lugar fechado; vamos adquiri-los com maior facilidade.

O valor das nossas ações

Cada vez que você diz ou faz alguma coisa, está se comunicando com as pessoas que o rodeiam. Isso pode ter consequências positivas ou negativas. Não importa realmente o que você esteja pensando, porque ninguém pode entrar na sua cabeça. Por isso, só contam os fatos e as palavras que saem da sua boca.

Não serve de nada pensar “eu vou ajudar essa pessoa”, se na realidade você não ajudar. Procedendo dessa maneira, você está mentindo para si e para a outra pessoa, caso diga isso a ela. Você está projetando em si mesmo e nos outros a imagem de ser alguém pouco confiável, cujas palavras são somente uma fonte de incertezas, já que ninguém (nem mesmo você) apostaria muito que você as iria cumprir.

Não estamos falando só das suas relações com os outros, mas também dos seus próprios sonhos, ideias e objetivos que tiver. Por mais que sejam os melhores do mundo, não irão lhe servir de nada se não agir sobre eles.

As palavras vão, as atitudes ficam

Você certamente conhece a frase “as palavras se vão ao vento”. Falar, falar, mas não agir também é uma forma de nos condenar, fazendo com que os outros tenham uma impressão errada sobre nós. Se você deseja transmitir algo e quer que as suas palavras transmitam a verdade que você pretende, é preciso acompanhá-las com atitudes. Lembre-se de que as ações não voam para a longe e nem são esquecidas.

É preciso começar a reluzir toda a autenticidade que você tem dentro de si, ser fiel aos seus valorese não prometer algo que você não sabe se pode cumprir.

Mulher jovem segurando as mãos de uma pessoa mais velha

Você é convincente e as suas ações são congruentes com as suas palavras? Você diz tudo aquilo que deseja ou guarda tudo para si mesmo? Reflita sobre a sua forma de ser e de agir com os outros e coloque-se no lugar do outro.

A atitude ajuda a se diferenciar

Não é a sua roupa, seu cabelo ou a forma como você caminha… o que realmente o diferencia do resto é a sua atitude perante as dificuldades e as conquistas, perante as vitórias e as derrotas. Estamos acostumados a produtos fabricados em série e por isso nos esquecemos de fabricá-los à mão, únicos e irrepetíveis.

Você tem que ser como essa peça que custa mais na loja por causa do trabalho que deu seu desenho e sua construção! Para poder evitar estar dentro da massificação e do “idêntico ao resto”; é preciso que você seja responsável, não dê desculpas, coloque-se diante dos fatos, seja positivo e tenha a capacidade de mostrar suas emoções. Não se esqueça de cumprir as suas promessas, de pensar antes de agir, e de analisar o que deve fazer para melhorar a impressão ou a definição que você ou os outros têm sobre você.

“O sentido das coisas não está nas próprias coisas, mas na nossa atitude para com elas.”
-Antoine de Saint-Exupéry-
Recomendados para você