Morrer de medo: é possível?

Podemos morrer como consequência de experimentar uma intensidade emocional muito alta? Os cientistas têm sido cautelosos ao responder a essa pergunta. O que se sabe sobre isso?
Morrer de medo: é possível?

Escrito por Edith Sánchez

Última atualização: 03 fevereiro, 2023

Em nossa linguagem cotidiana contemplamos a opção de morrer de medo. “Estou morrendo de medo”, dizemos, ou “quase morri de medo quando vi isso”. Mas é possível que isso não seja apenas uma expressão metafórica, mas uma realidade biológica? Uma pessoa pode sentir um medo tão intenso que causa a morte?

Os cientistas abordam a questão como uma hipótese. Em última análise, todos nós morremos por razões físicas: insuficiência cardíaca, insuficiência cerebral ou ambas. Um médico forense sempre estabelece a causa da morte referindo-se à deficiência orgânica que causou a morte. Mesmo que tenha havido um choque emocional anterior, não seria determinado que a pessoa morreu de medo.

Alguns especialistas acham que é impossível morrer de medo se não existir o fator vulnerabilidade na equação. Isto é, se não houver anomalia orgânica prévia. Outros, por outro lado, acham que é um estado extremo de estresse emocional, ansiedade ou o que comumente chamamos de medo. Quem tem razão?

«O amor afasta o medo e, reciprocamente, o medo afasta o amor. E não só o amor expulsa o medo; também inteligência, bondade, todos os pensamentos de beleza e verdade, e apenas o desespero silencioso permanece; e no final, o medo consegue expulsar do homem a própria humanidade».

-Aldous Huxley-

pessoa morta coberta
Morrer de medo é possível do ponto de vista teórico.

Morrer de medo

Muitos cientistas se perguntam se é possível morrer de medo. Do ponto de vista teórico, isso é perfeitamente possível. No entanto, como observamos antes, não é fácil determinar que o medo é a causa direta da morte. Apesar disso, o Dr. Mark Gillinov, da Cleveland Clinic, assumiu a tarefa de fazer pesquisas sobre isso.

Nesse estudo, foram examinados casos de pessoas que já sofrem de problemas cardíacos, em comparação com outras que são completamente saudáveis. Gillinov explicou que quando uma pessoa é confrontada com um estímulo ameaçador, o corpo gera uma resposta de luta ou fuga: a ansiedade. Esse estresse físico e emocional causa uma condição médica conhecida como cardiomiopatia por estresse.

Esta condição faz com que o coração não seja capaz de bombear o sangue de forma eficiente para o resto do corpo. Desta forma, a pessoa afetada sente palpitações, fadiga, falta de ar e outros sintomas.

Assim, a probabilidade de que a função cardíaca diminua ou falhe aumenta. Às vezes, isso faz com que o coração pare de bombear sangue e pode causar morte súbita. No entanto, a pesquisa indica que isso é extremamente raro, embora possível.

Sim, é possível morrer de medo

De um modo geral, os cardiologistas concordam que é possível  morrer de medo. Há até evidências disso: durante um terremoto em Los Angeles (Estados Unidos), as mortes súbitas por insuficiência cardíaca aumentaram cinco vezes. Em todos esses casos, as pessoas sentiram um aperto repentino no peito e caíram mortas instantaneamente no evento altamente estressante.

Como é óbvio, as pessoas com patologias cardíacas prévias têm maior probabilidade de morrer de medo ou, em outras palavras, de responder de forma inadequada a uma situação de elevado estresse físico e emocional. No entanto, isso também pode ocorrer em quem não possui nenhuma patologia.

Outra evidência interessante vem do fisiologista Walter Bradford, da Universidade de Harvard. Em sua obra Voodoo death, publicada no final do século 20, ele evidenciou a morte de uma pessoa devido ao medo causado pela ação de um feiticeiro. Este seria um caso de morte por medo. Existem também outros trabalhos semelhantes que relatam casos semelhantes.

Mulher com medo do escuro
Segundo especialistas em cardiologia, é possível morrer de medo diante de um evento altamente estressante.

O corpo e o medo

Devemos insistir no fato de que morrer de medo, ou em geral de um estado emocional muito intenso, não deve nos surpreender. Se isso nos surpreende, é porque continuamos a manter a ideia de que corpo e mente são duas realidades separadas, quando na verdade formam uma unidade.

O medo causa uma reação no cérebro e ele reage produzindo uma quantidade maior de adrenalina. Isso prepara o corpo para lutar ou fugir. Se o medo for muito intenso e, consequentemente, forem produzidas quantidades maiores do neurotransmissor, o coração pode ser afetado.

Especificamente, a adrenalina faz com que os canais de cálcio nas células se abram. Ao receberem mais volume desse elemento, alteram seu potencial elétrico. Isso leva à contração do músculo cardíaco. Se esse estado persistir, ocorre “fibrilação ventricular”, que pode ser acompanhada de queda de pressão. Se o atendimento médico não for recebido, ocorre a morte. Concluindo: sim, é possível morrer de medo.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.