Mudar o padrão de apego que aprendemos na infância é possível?

É possível mudar o padrão de apego que aprendemos na infância?

novembro 13, 2017 em Psicologia 4 Compartilhados
É possível mudar o padrão de apego que aprendemos na infância?

Poderíamos definir o apego como um vínculo criado entre duas pessoas, que faz com que desejem permanecer juntos no espaço e no tempo. Esta união é criada nos primeiros meses de vida com o principal cuidador e rege o tipo de relacionamento que nos guiará nas futuras relações com envolvimento emocional que estabeleceremos. No entanto, é possível mudar o padrão de apego definido na infância?

O psicanalista Jonh Bowlby dedicou-se ao estudo do apego e estabeleceu que o processo começa logo após o nascimento, mas não é até cerca de oito meses que podemos considerar que o primeiro vínculo de apego entre o bebê e o cuidador primário é criado.

Mais tarde, a psicóloga Mary Ainsworth identificou e classificou o apego em três tipos:

  • Apego seguro: a criança se sente confortável no relacionamento. Ela sabe que, se gritar, seus pais virão, ele pode explorar o ambiente, sabendo que tem uma base de segurança para retornar. Caso se sinta ansiosa, procurará seu cuidador.
  • Apego preventivo inseguro: o bebê aprendeu que o poder que ele tem para produzir reações nas pessoas ao seu redor é muito limitado. Desta forma, o mais comum é que não seja muito expressivo.
  • Apego inseguro-ambivalente-resistente: a criança teve episódios de choro em que foi consolado e outros em que não recebeu a mesma atenção. Ela não tem claro o estereótipo da figura de apego, às vezes sim às vezes não, o que cria incerteza ao enfrentar o mundo. Ela sente que tem o poder de produzir um efeito sobre os outros, mas também “entende” que esse efeito é imprevisível.

Pai beijando seu filho bebê

O apego nos faz criar uma primeira imagem do que nos rodeia, o que internalizamos muito profundamente. A menos que possamos aprender outros padrões mais tarde, entenderemos que essa é a maneira de se relacionar com as pessoas que amamos.

Podemos mudar o padrão de apego?

Uma vez que os links são estabelecidos, como já dissemos antes, exceto por outro aprendizado, tentaremos reproduzir esse padrão. Por outro lado, esse modelo será muito poderoso, o que não significa que estamos determinados ou condenados por ele ou que não possamos aprender outro.

O apego primário é muito importante, é por isso que trabalhamos para que, na medida do possível, os vínculos seguros sejam criados e o bom desenvolvimento do bebê, tanto físico como sócio-emocional, seja promovido. Há casos em que o apego não se desenvolveu na linha adequada e terá que ser ajustado no futuro, quando começarem os primeiros relacionamentos afetivos, na escola, quando se possa mudar a imagem que temos dos relacionamentos e de união, e quando um novo modelo possa ser criado.

Portanto, é possível mudar o padrão de apego. Para isso, precisamos nos envolver em novos relacionamentos que nos mostrem que a ligação, a confiança ou a relação com o outro é diferente do que esperamos ou antecipamos.

Importância do apego durante toda a vida

Internalizar um padrão de apego que fortaleça nossas relações e nos dê segurança nos ajudará a estabelecer relacionamentos nos quais nos sentimos seguros. Pessoas próximas e com as quais podemos nos abrir, com as quais construiremos uma relação de confiança e nos ajudarão a um nível mais profundo, porque assim nossa comunicação também será mais profunda.

Este primeiro modelo é importante porque, se não for positivo, mudá-lo será uma tarefa complicada. De fato, se queremos ajudar a mudar o padrão de apego de alguém, teremos que nos armar com paciência. Se quisermos mudar nossa vontade, além de dedicar tempo e recursos, temos que adquirir ferramentas que nos ajudem.

Nesse sentido, como um reforço de um estilo de apego, uma vez gerada, a profecia autorrealizável atua. Ou seja, se tivermos a sensação de que estamos nos movendo em um mundo inseguro, vamos filtrar as evidências que confirmam essa hipótese, precisaremos de menos evidências para reafirmá-la e também mostraremos uma atitude desconfiada que efetivamente fará com que os outros desconfiem de nós ou nos identifiquem como uma vítima fácil e nos ataquem mais.

Casal apaixonado no por do sol

Os pais ou cuidadores têm a responsabilidade de criar esses vínculos primários e, na medida do possível, criar este modelo descrito de apego seguro, mas nós somos responsáveis ​​por todos os relacionamentos que estabelecemos, pela análise que fazemos deles e pelo direcionamento das mudanças que queremos realizar. Alterações sempre são possíveis, por mais difíceis que possam parecer a princípio.

Recomendados para você