Nada deu certo, ainda

· junho 22, 2017

Nitidamente, e cada dia mais, podemos constatar, infelizmente, que nada deu certo. E deu tão errado que criamos a nova era de jovens mimados e alienados que desmerecem a classe trabalhadora. Classe essa que representa mais da metade da nossa população. Eu disse mais da metade da nossa população, ou seja, mais do que a maioria. Que acorda cedo, todos os dias, e vai batalhar pelo seu próprio sustento e da sua família com muito sacrifício, dignidade e honestidade.

Mais da metade da nossa população, a qual deveríamos agradecer, e muito, pelos serviços prestados, pois somos uma cadeia.

Quando vamos entender isso? Somos uma cadeia que só funciona UNIDA

É como uma linda dança que faz movimentos que são capazes de girar uma enorme engrenagem. Um não funciona sem o outro. É simples assim. Traduzindo para meios práticos: Você, que alega que “deu certo” não poderia dormir com tranquilidade, todas as noites, se o porteiro “que deu errado, na sua opinião, claro” não zelasse pela segurança do seu luxuoso condomínio, logo, pela sua segurança e assim sucessivamente.

não deu certo pela arrogância

Mais da metade da nossa população. Esse total representa o número de pessoas com as quais nos deparamos todos os dias e nem sequer os cumprimentamos porque estamos com pressa, sempre ocupados, ou porque somos mal educados mesmo, e daí então podemos mostrar claramente, apenas, um dos motivos pelos quais tudo vem dando tão errado. Não criamos o hábito de agradecer/cumprimentar. Não criamos o hábito de perceber que somos todos seres humanos vivendo as suas batalhas diárias e dando certo SIM, a cada dia. Não criamos o hábito de respeitar a todos e isso, obviamente, vem passando de geração em geração.

Simplesmente não reparamos no próximo, porque o que importa é o nosso mundo…

A boa educação rege a própria educação e os bons modos e costumes. Parece muito simples e de fato é; Para você que teve uma educação baseada no respeito ao próximo; Para você que tem o hábito de cumprimentar o seu porteiro quando sai todos os dias para trabalhar e para muitos outros que, graças a Deus, seguem essa linha. Mas, não para todos, como é o caso dos estudantes que participaram da lamentável campanha do “se nada der certo”.

deu certo quando nos respeitarmos

Para mim o que eles mostraram foi o reflexo da sua criação e do “mundo paralelo” onde vivem. Mundo muito bem representado nas fortes e verdadeiras palavras que vou transcrever agora, do consultor Márcio Ruzon: “que em vez de promover a isonomia e empatia, fomenta a segregação e a eugenia.”

Mundo onde se nada der certo eles serão dignos trabalhadores brasileiros. Que saem de suas casas e vão à luta todos os dias, sem saber como e nem se o próximo dia chegará.

Mundo honesto e digno de aplausos pelo esforço diário.

Com certeza nada deu certo para esses estudantes e pessoas que promoveram tal ato ínfimo, até agora, mas eu ainda acredito que pode dar. Preciso acreditar.

Vamos, de uma vez por todas, trabalhar em prol dos mesmos objetivos e lembrando sempre da nossa linda dança que move essa enorme engrenagem. Dependemos uns dos outros e devemos nos unir, para que assim possamos dar mais que certo. Nos respeitando, nos cumprimentando, nos ajudando, nos amando.
Estamos todos aqui e agora. Que tal começarmos a  aproveitar isso da melhor maneira possível?!

Mais amor. Mais filantropia. Mais respeito.

Mais empatia.

Mais meu povo, bem mais. A gente consegue. Eu acredito! Todos devem acreditar e, claro, agir.