Neurofeedback para tratar a depressão

A depressão é provavelmente a condição clínica mais difundida no mundo. Como resultado, o volume de pesquisas sobre este tópico está apenas crescendo, e o neurofeedback está mostrando uma promessa real como uma forma de lidar com o distúrbio.
Neurofeedback para tratar a depressão
Gorka Jiménez Pajares

Escrito e verificado por o psicólogo Gorka Jiménez Pajares.

Última atualização: 22 fevereiro, 2023

As técnicas de biofeedback, e mais especificamente o neurofeedback, utilizam instrumentos que nos fornecem dados, quase imediatamente, sobre a atividade cerebral. Elas nos dão informações, feedback, em tempo real das ondas cerebrais que aparecem na pessoa. Assim, hoje queremos falar sobre sua aplicabilidade na depressão, pois o número de pessoas com esse transtorno está aumentando exponencialmente.

De fato, a OMS (2020) considera a depressão uma das epidemias do século XXI. A depressão é provavelmente a entidade clínica mais prevalente. Além disso, é sofrida por pessoas de todas as idades, embora pareça estar castigando os mais velhos de maneira especial. 20% da população mundial sofrerá com ela ao longo de suas vidas.

“A depressão é uma prisão na qual você é tanto o prisioneiro quanto o carcereiro cruel.”

Dorthy Rowe

mulher com depressão

Uma abordagem do conceito de depressão

De acordo com o CIE-11 (OMS), que é o sistema que classifica diferentes doenças, a depressão é um período de pelo menos 2 semanas caracterizado por humor deprimido praticamente todos os dias, bem como falta de interesse nas atividades diárias. Entre os sintomas que ocorrem, podemos encontrar o seguinte:

  • Sentir-se inútil.
  • Sentir-se culpado.
  • Não ter esperança.
  • Ter pensamentos freqüentes de morte ou suicídio.
  • Apresentar alterações no apetite e nos padrões de sono.
  • Ter comportamentos motores agitados ou lentos.
  • Apresentar fadiga, cansaço e diminuição da energia.

Para Belloch (2022), ao avaliar esse quadro clínico, dois sintomas devem ser levados em consideração: a tristeza e a anedonia. O último sintoma consiste no fato de que as pessoas com depressão têm dificuldade de experimentar prazer ou interesse por coisas que costumavam desfrutar.

“Sob um estado de depressão, um paciente pode tomar decisões precipitadas, e o clínico deve aconselhá-lo a adiar quaisquer decisões cruciais até que ele esteja em remissão”.

-Amparo Belloch-

O que é neurofeedback?

Neurofeedback é um método de treinamento. Ele permite que a pessoa obtenha informações precisas e em tempo real de suas ondas cerebrais. Isso é feito usando um eletroencefalograma (EEG) ou ressonância magnética (fMRI). Graças às informações que o próprio paciente coleta sobre si mesmo, ele pode aprender a regular suas ondas cerebrais para se sentir melhor.

O procedimento é o seguinte. Primeiro, os eletrodos são colocados na cabeça do paciente para obter as informações. Posteriormente, os dados obtidos são processados por um computador e enviados para um monitor que fornece sinais visuais e auditivos. Esses sinais constituem o feedback que é usado pelo paciente.

O objetivo do treinamento de neurofeedback é que o paciente consiga aumentar e diminuir a atividade que aparece no monitor, ou seja, se autorregular.

“As áreas corticais do cérebro produzem ritmos diferentes, que são observados como sinais de uma gravação eletrônica, ou EEG.”

-Alexandra Fajardo-

Um novo estudo sobre o uso de neurofeedback para depressão

Uma pesquisa recente do Dr. David Linden fornece novos dados sobre esse tipo de intervenção. É prioritário aumentar a eficácia, eficiência e segurança oferecidas pelas intervenções atualmente disponíveis.

É urgente porque, como referimos, o número de casos de depressão está a crescer exponencialmente, e não, por exemplo, os recursos especializados que as pessoas têm à sua disposição.

Neurofeedback usando EEG na depressão

Quais áreas do cérebro estão relacionadas à depressão? A pesquisa sugere que o córtex frontal esquerdo está envolvido em comportamentos guiados por emoções de reforço; enquanto o direito desempenha um papel em comportamentos guiados por emoções aversivas. Assim, na depressão, parte da área frontal estaria muito pouco ativada em comparação com a população não clínica.

O objetivo é diminuir as ondas alfa na zona do hemisfério esquerdo do cérebro e aumentá-las na zona direita, de forma a equilibrá-las. As ondas alfa ocorrem em momentos em que estamos calmos. Elas aparecem quando nos sentimos relaxados e a atividade de nossa mente está baixa.

Os resultados da aplicação do neurofeedback na depressão são promissores. Assim, foram encontradas melhorias que podem ser superiores às da psicoterapia, embora sejam necessárias mais pesquisas.

Neurofeedback usando ressonância magnética na depressão

A ressonância magnética funcional (fMRI) fornece imagens das regiões do cérebro que estão ativas durante a execução de uma tarefa. É uma forma extraordinária de estudar as redes de conexões entre os neurônios que são ativados na depressão. A justificativa para essa técnica é que “se soubermos quais redes são ativadas e como são ativadas, podemos tentar autorregula-las”.

No protocolo desenvolvido por Linden (2022), foram encontradas áreas que foram ativadas por estímulos de valência positiva e negativa. O objetivo da intervenção consistiu em promover a ativação em algumas áreas determinadas. Especificamente, estamos falando do córtex pré-frontal ventral e do sistema límbico.

Para isso, os pacientes visualizavam telas nas quais podiam ver o nível de ativação das áreas relacionadas às emoções positivas. O objetivo da formação foi aumentar a sua ativação através do feedback fornecido. Especificamente, períodos de treinamento e descanso de 20 segundos cada foram realizados em um total de 20 minutos.

Capacete com neurofeedback

Quais foram os resultados?

O tratamento foi aplicado em 4 sessões por semana. Após a aplicação do protocolo, observou-se que o neurofeedback ajudou os pacientes a ficarem mais atentos ao que estava acontecendo ao seu redor, e também dentro deles.

A depressão em um dos transtornos mais limitantes. Por isso, novas formas de intervenção que facilitem a recuperação estão sendo investigadas. Ainda é preciso continuar pesquisando essa linha de tratamento com neurofeedback , pois os resultados são promissores.

“Os efeitos clínicos do estudo piloto foram promissores. Os pacientes do grupo de neurofeedback melhoraram aproximadamente 30%.”

-David Linden-


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


    • Linden, D. E. (2022). Neurofeedback and networks of depression. Dialogues in clinical neuroscience.
    • Belloch, A. (2021). Manual De Psicopatologia. Vol. I (2.a ed.). MCGRAW HILL EDDUCATION.
    • Sánchez, J. P. E., Rodríguez, J. O., & Carrillo, M. X. F. (2007). Terapia psicológica: casos prácticos. Ediciones Pirámide.
    • Ruiz, R. M. (2023). Manual de técnicas y terapias cognitivo conductuales. Desclee De Brouwer.
    • CIE-11. (s. f.). https://icd.who.int/es
    • Fajardo, A., & Guzmán, A. L. (2016). Neurofeedback, aplicaciones y eficacia. Interdisciplinaria, 33(1), 81-93.v

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.