O mito de Apolo, o deus das profecias

26 Novembro, 2020
O mito de Apolo foi um dos mais importantes da antiguidade. Ele fala sobre um deus que era um artista e um guerreiro implacável ao mesmo tempo.

O mito de Apolo fala sobre o deus mais venerado da antiguidade grega, depois de Zeus. Ele era tão importante que seu culto sobreviveu secretamente até a Idade Média. Inclusive, hoje ele é conhecido por ter seguidores que ainda o invocam.

A importância do mito de Apolo vem dos grandes poderes atribuídos a essa divindade. Ele era considerado o deus das artes, das profecias, portador da luz da verdade e governante das pragas, das epidemias e da morte súbita, mas também da cura e da proteção contra as forças do mal.

Da mesma forma, Apolo governava a beleza, a harmonia, o equilíbrio e a perfeição. Ele era o iniciador da maturidade nos jovens, além do protetor de pastores, marinheiros e arqueiros. Além disso, era o senhor supremo do arco e flecha. Por fim, Apolo era deus da música e da poesia, chefe das musas e patrono do Oráculo de Delfos.

“Quanto mais alguém negar a si mesmo, mais receberá dos deuses”.
-Horácio-

A origem do mito de Apolo

A origem do mito de Apolo

De acordo com o mito de Apolo, esse deus era filho de Zeus, a maior autoridade no Olimpo, e de Leto, uma titã. Inicialmente, Zeus se interessou pela irmã de Leto, Astéria, e tentou tomá-la à força. Ela, assustada, se transformou em uma codorna para escapar do cerco. Como ele continuou a assediá-la, ela se jogou no mar e se tornou a ilha de Ortígia.

Depois disso, o deus olímpico supremo fixou seu olhar em Leto, que o correspondeu. Ela ficou grávida, mas Hera, a esposa legítima de Zeus, descobriu a aventura e começou uma perseguição implacável contra Leto. Hera pediu à sua filha Ilítia, deusa do parto, que impedisse o nascimento. Como consequência, Leto sentiu uma dor horrível por nove dias.

No entanto, os deuses sentiram pena da titã. Leto esperava gêmeos, então os deuses permitiram que a menina, Ártemis, nascesse e rapidamente se tornasse adulta para que pudesse ajudar a mãe no parto de seu irmão, Apolo. Ártemis ficou tão impressionada com o sofrimento de sua mãe que decidiu permanecer virgem para sempre.

Apolo, um ser fantástico

O cerco a Leto não terminou com o nascimento de Apolo. Hera, ainda furiosa com a traição, enviou a cobra Píton para matar a família. No entanto, os deuses, mais uma vez compassivos pelo destino de Leto, fizeram com que Apolo crescesse em apenas quatro dias e matasse o monstro.

Com mil flechas, Apolo destruiu Píton, a serpente sagrada. Por ser um animal divino, ele teve que ser punido por matá-lo. Então, o Oráculo de Delfos foi construído onde o monstro morreu. Apolo tornou-se o patrono desse lugar, para mais tarde sussurrar previsões nos ouvidos das pítias ou videntes.

O mito de Apolo conta que ele e sua irmã protegeram sua mãe até o fim, já que Hera nunca parou de persegui-la. Os gêmeos mataram o gigante Titius, que tentou estuprá-la. Eles também mataram os 14 filhos de Níobe, que zombavam da titã repetidamente.

Templo de Apolo

Um deus humano

O mito de Apolo diz que esse deus teve inúmeros descendentes, mas teve azar no amor. Ele se interessou por Cassandra, a quem havia dado um presente profético, mas ela o rejeitou. Então, ele se apaixonou por Dafne, por causa de uma flecha de Eros (na mitologia romana, Cupido), mas ela não correspondeu o amor, então ele a transformou em uma árvore.

Este mito narra vários episódios que contaram com a participação deste deus. Muitos deles foram atos de violência. Um dos mais proeminentes ocorreu quando Zeus ordenou que os Ciclopes matassem Asclépio, um dos filhos de Apolo. Como vingança, o deus das artes matou os Ciclopes e foi punido por isso. Zeus o enviou para o mundo mortal, onde ele teve que viver como eles e experimentar seu sofrimento.

Apolo também foi um grande tocador de lira e participou da Guerra de Troia. Lá, ele lutou ao lado dos troianos e ajudou Paris a matar Aquiles, assim como ele havia matado seus filhos Heitor e Troilo. Esse mito passou quase intacto para a mitologia romana, onde Apolo era uma das divindades mais respeitadas e admiradas.

Vozmediano, M. M., & Pelaez, A. M. (2018). Análisis cuantitativo y perspectiva de género como nuevo significado en el mito de Apolo y Dafne. Arquetipo, (17), 81-102.