O que fazer quando você duvida de si mesmo

Todos nós já investimos energia em algum combate psíquico alimentado por nossas dúvidas. As pessoas com síndrome do impostor, por exemplo, sabem disso por experiência própria. O que fazer quando tudo se resume a medos e incertezas?
O que fazer quando você duvida de si mesmo
Valeria Sabater

Escrito e verificado por a psicóloga Valeria Sabater.

Última atualização: 10 junho, 2023

Você se questiona com frequência? Você é daqueles que quando tem um projeto motivador fica paralisado por dúvidas? A verdade é que poucas coisas incomodam mais do que viver com aquela voz interna que repete frases como : “e se você estiver errado”, “e se você fizer papel de bobo”, “o que vai acontecer se você não for o pessoa certa?” competente o suficiente para essa tarefa?

As dúvidas não serão completamente banidas de nosso universo mental. Eles sempre estarão lá, latentes, convidando-nos a ser cautelosos e muitas vezes cortando o pavio de nossos impulsos. Agora, o problema surge quando os medos pesam demais e então a confiança que temos em nós mesmos desaparece.

Viver com excesso de autodúvidas mina nosso potencial e torna a pessoa brilhante incompetente. Quem lida diariamente com a síndrome do impostor sabe disso, por exemplo. Quando nos subestimamos e o mundo inteiro está cheio de dúvidas, nos tornamos alguém de quem não gostamos. O que fazer nesses casos? Existe alguma estratégia que pode nos ajudar?

“Se você ouvir uma voz dentro de você que diz que você não pode pintar, então pinte, e essa voz será silenciada.”

-Vincent van Gogh-

Homem estressado pensando o que fazer quando você duvida de si mesmo
Questionar nossas capacidades ou pensar que ninguém nos levará em conta são fenômenos comuns no ser humano.

Qual é a origem dessas dúvidas que tanto nos limitam?

A dúvida é a sombra da incerteza que paira sobre a nossa verdade. É como ficar num ponto intermediário de onde nada avança e tudo parece tremer sob nossos pés. Duvidar de si mesmo é questionar tudo, desde nossas habilidades até nossos pensamentos, crenças e emoções.

Uma investigação realizada pelo Dr. Matthew Braslow indica que, na verdade, esse é um assunto que foi negligenciado pelo campo científico por muito tempo. Entender a raiz dessas dúvidas nos permitiria melhorar nossa capacidade de realização e até nosso bem-estar. Por isso, é interessante abordar como essa percepção debilitante é orquestrada.

Causas que explicam essa realidade psicológica

Um dos principais gatilhos para a dúvida é o ambiente em que crescemos. Uma família excessivamente crítica, autoritária e exigente diminui e boicota nosso autoconceito. Portanto, é muito difícil confiar em nossas habilidades quando fomos educados, fazendo com que nos sintamos falíveis.

  • A ansiedade é outro fator que gera dúvidas, medos e insegurança persistentes.
  • A baixa autoestima é aquele substrato que alimenta continuamente essa percepção (aquele vai fracassar, fazer papel de bobo ou sua -suposta- incompetência será revelada se tentar quase tudo). Por exemplo, a síndrome do impostor é baseada nessa baixa autoestima.
  • Da mesma forma, pessoas inseguras, aquelas que sempre demonstraram um padrão de baixa autoconfiança, timidez e medo de decepcionar os outros, também demonstram essa característica.
  • Refira-se, a título de curiosidade, uma patologia pouco conhecida ligada a esta realidade. A aboulomania é uma condição que afeta as habilidades volitivas de uma pessoa, mergulhando-a em uma constante incapacidade de tomar decisões.

As únicas pessoas que raramente duvidam de si mesmas são aquelas com transtorno de personalidade narcisista.

Jovem pensando o que fazer quando você duvida de si mesmo
Duvide de seus pensamentos negativos quando quiser fazer algo, racionalize esse diálogo interno que o alimenta de medos constantes.

Como agir quando você duvida de si mesmo

Nenhum de nós está imune à dúvida, a esse boicote que diminui as forças, que dissolve as capacidades e as virtudes. São experiências desconfortáveis que impõem limites além da nossa capacidade de atingir objetivos. Eles também nos ajudam a criar uma visão obscura e debilitante de nós mesmos. É como o peixe que morde o próprio rabo.

O que fazer, então, quando você duvida de si mesmo? Há uma série de orientações sobre as quais devemos refletir. Nós os analisamos.

1. Seja compassivo consigo mesmo

Entenda que a dúvida faz parte do ser humano. O fato de senti-lo pontualmente não o torna mais fraco ou falível. Entenda que essa sensação de não ter certeza sobre algo é um mecanismo de defesa. Graças a ele, aplicamos um olhar mais reflexivo e analítico a cada situação.

Portanto, em vez de se julgar e se sentir mal por duvidar de si mesmo, você pode falar consigo mesmo com compaixão assim: “Tudo bem se sentir inseguro; Não é ruim ter medo. Mas confie em suas habilidades, confie em si mesmo e se você falhar em um deles, lembre-se de que nada acontece. Você pode tentar novamente.”

2. Desenvolva autoestima incondicional

Em momentos de dúvida, tente se conscientizar do efeito que o foco mental tem sobre você. Posteriormente, será útil ativar o autovalor incondicional. Esta competição consiste em algo muito elementar. Seu valor como pessoa não depende de fatores externos, nem do seu sucesso ou fracasso, se alguém o trata bem ou mal.

Além do que pode acontecer, existe um fator que deve ser sempre incondicional: o amor próprio e a confiança em si mesmo.

Da

3. “Duvide de suas dúvidas”, racionalize-as

O que é uma dúvida? Nada mais é do que um pensamento dominado, frequentemente, por um medo irracional. Quando esse sentimento te assaltar, quando a insegurança te mobilizar e te impedir de seguir em frente, duvide de seus pensamentos e passe-os pelo filtro da análise e da crítica compassiva.

Exemplo: “Eu não tenho necessariamente que falhar nisso. No passado já fiz coisas semelhantes e consegui, aliás, se não me atrevesse a fazê-lo, sentir-me-ia pior ».

4. Lembre-se de suas conquistas de ontem

Se você olhar no retrovisor da sua vida, descobrirá aspectos surpreendentes. Você conquistou muitas coisas, conquistou mais de um pico e suas habilidades abriram muitas portas para você.

Lembre-se de suas conquistas de ontem, porque elas são como trampolins que o impulsionarão naqueles dias em que as dúvidas pesam sobre você.

5. Evite se comparar com outras pessoas

Se você está se perguntando o que fazer quando duvida de si mesmo, use um mantra: “Farei o meu melhor e isso é o suficiente.” Pode parecer uma frase um tanto ingênua, mas na verdade é eficaz. As pessoas muitas vezes derivam da comparação social . Tememos fazer certas coisas porque alguém é um especialista, porque outras parecem mais eficientes, porque tememos ser julgados ou envergonhados.

Muitas de nossas dúvidas são produto da pressão social e da competitividade. Lembre-se, você é a única pessoa a quem tem que provar alguma coisa, então, aconteça o que acontecer, tudo bem, onde quer que você vá, será suficiente. Você terá feito o seu melhor. Reduza a voz da autocobrança e curta o processo, siga em frente sem medo…

Pode interessar a você...
Quando ninguém acredita em você: o poder da autoconfiança
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Quando ninguém acredita em você: o poder da autoconfiança

Quando ninguém acreditar em você, é o melhor momento para você mesmo fazer isso. Descubra todo o poder da autoconfiança e seja feliz.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


    • Braslow, M. D., Guerrettaz, J., Arkin, R. M., & Oleson, K. C. (2012). Self‐doubt. Social and Personality Psychology Compass, 6(6), 470-482.
    • Oleson, K. C., Poehlmann, K. M., Yost, J. H., Lynch, M. E., & Arkin, R. M. (2000). Subjective overachievement: Individual differences in self‐doubt and concern with performance. Journal of personality, 68(3), 491-524.
    • Krause N, Ellison CG. The Doubting Process: A Longitudinal Study of the Precipitants and Consequences of Religious Doubt. J Sci Study Relig. 2009 Jun 1;48(2):293-312. doi: 10.1111/j.1468-5906.2009.01448.x. PMID: 20300487; PMCID: PMC2839364.

Os conteúdos de A Mente É Maravilhosa servem apenas para fins informativos e educacionais. Não substituem o diagnóstico, o aconselhamento ou o tratamento de um profissional. Em caso de dúvida, é recomendável consultar um especialista de confiança.