Os comuneros, a derrota da liberdade

julho 17, 2019
A derrota dos comuneros na Guerra das Comunidades significou para Castela a perda de grande parte de seu limitado autogoverno. Esta tradição política seria exportada para a América.

Os impostos, como o nome sugere, nunca são voluntários. Houve um tempo na Espanha em que, para aprová-los, o rei requeria a aprovação de diferentes Cortes e assembleias. As mais poderosas de todas eram as castelhanas, às quais os representantes das principais cidades do reino acudiam. Essas instituições que limitavam o poder real logo incomodaram os monarcas, que procuravam monopolizar todo o reino em suas mãos. Os comuneros foram os últimos defensores desse status quo.

Talvez as atribuições das Cortes Castelhanas fossem anacrônicas para um reino que já se espalhava para o outro lado do planeta. Em todo caso, assim como acontece com qualquer perda de liberdade, foi cobrada com sangue e fogo.

A centelha da rebelião

Em 1517, desembarca em Astúrias o príncipe Carlos, de origem flamenca, para ocupar o trono com o nome de Carlos I. No começo, assumiu uma esperança de reverter a situação de más colheitas, tensões sociais, a instabilidade política, fome e impostos elevados que devastou Castela.

Logo, Carlos tomou decisões que desagradaram a população, como a petição de serviços, um tipo de imposto extraordinário, para gastar na conquista do trono imperial. Muitos nobres também não gostaram da presença excessiva de estrangeiros na Corte.

Depois de algumas Cortes realizadas em La Coruña, novos serviços seriam aprovados sem o apoio de cidades como Toledo ou Salamanca. O sentimento generalizado era de que o rei, que não aprendia a língua local, tratava seu principal reino de forma secundária.

Em Toledo, foi proposta uma reunião em Ávila, juntando as cidades com voto nas Cortes. Os membros seriam chamados de comuneros. Esses comuneros decidiram não cumprir com muitos dos novos impostos e exigir o retorno de certas liberdades e encargos aos castelhanos.

Muralhas de castelo espanhol

Os comuneros e as armas

Já em 1920, no mês seguinte às Cortes de Coruña, futuros membros dos comuneros tomaram a cidade de Segovia assassinando o representante nas Cortes. Leon, Guadalajara, Burgos e Zamora seguiram.

A única maneira de impor suas exigências eram as armas, e eles não hesitariam em aceitá-las. No entanto, o primeiro golpe foi dado pelas tropas do rei.

Para subjugar os comuneros segovianos o governador na ausência de Carlos, Adriano de Utrech, precisou da artilharia de Medina del Campo. Os habitantes de Medina recusaram-se a entregá-la para tal ultraje e suas casas foram incendiadas.

Foi tanta a crueldade que logo muitas cidades se juntaram. Padilla lideraria Toledo, Maldonado, Salamanca, Bravo, Segovia, Zapata, Madri, e muitos outros. O exército que eles reuniram tomou Tordesilhas para se encontrar com Dona Juana.

Uma rainha aprisionada

Juana de Castilla, mãe de Carlos, foi presa em Tordesilhas. Embora fosse uma rainha legítima, foi considerada louca por interesses políticos. Os líderes comuneros apresentaram suas queixas e pediram que reivindicasse o trono para si.

Embora a rainha tenha ouvido suas petições, ela não estava disposta a se envolver. No entanto, eles garantiram seu poder em Tordesilhas e pareciam ter a possibilidade de alcançar o sucesso.

Ponte antiga sobre rio

A derrota final

A vitória estava longe de ser alcançada. Logo os diferentes interesses criaram desacordos entre os comuneros e levaram a vários erros cruciais. Além disso, o imperador reagiu e reorganizou suas tropas. Ele concedeu suas exigências às cidades que o apoiavam, facilitando as traições.

Devido a vários erros estratégicos, o monarca recuperou Tordesillas e a saqueou, mas alguns comuneros foram entrincheirados em Valladolid. Depois de uma longa trégua, em uma viagem em direção a Toro, a chuva intensa impediu um exército composto pelas forças de Padilla, Bravo e Maldonado de avançar.

Atacados naquele instante, o pânico se espalhou e foi o fim de sua rebelião. Padilla suportaria a derrota destemida, e sua posterior execução com seus companheiros. Dizem que toda Castela lamentou suas mortes, como se fossem príncipes.

Consequências do colapso dos comuneros

A derrota dos comuneros significa a extinção do que pode ser considerada a primeira revolução liberal na Europa, ou a última burguesa medieval. Em todo caso, pode-se dizer que significava uma limitação do poder da assembleia castelhana.

Sendo a América Hispânica parte da Coroa Castelhana, a perda de liberdade acabaria afetando as cidades do Novo Mundo. Para recuperá-la em ambas as Espanhas, tanto a peninsular quanto a americana, vários séculos seriam necessários.

No entanto, Carlos decidiu aumentar a influência castelhana em seu governo. Os anseios de limitar o poder do governante e o repúdio dos impostos não são específicos do nosso tempo, mas podem ser localizados desde que tal poder e tais impostos existem.

  • Pérez, Joseph (2001) Los comuneros, La Esfera de los Libros.
  • Sánchez León, Pablo (1998) Absolutismo y comunidad, Siglo XXI.