Os fenômenos mais esquisitos da memória

· novembro 6, 2015

A memória dos seres humanos não é como a de um computador. Não se trata de um simples armazém onde se guardam dados, que são consultados quando necessário. O cérebro humano não é apenas intelecto, por isso as lembranças não se guardam como dados objetivos e inalteráveis. É exatamente o contrário: as lembranças incluem imaginação, emoções, descriminação da informação. Em suma, a memória também é criativa.

Nos seres humanos não podemos falar de uma única forma de memória. Existem várias e cada uma delas tem as suas próprias características. Existe a memória semântica, que é a que preserva a linguagem, a memória episódica, que grava feitos e situações, e as memórias de curto, médio e longo prazo.

Em todas as formas de memória as emoções exercem uma forte influência. É mais fácil lembrar daquilo que foi gratificante do que das situações frustrantes ou traumáticas. Esquecemos e lembramos em função do que sentimos e precisamos para viver e sobreviver.

Esta função pode sofrer alterações. Há vários transtornos relacionados com a memória que vale a pena conhecer. Os mais frequentes são a amnésia e a hipermnésia.

Amnésia típica

Definida como uma incapacidade parcial ou total para lembrar de algo. Também abriga as funções de registro e retenção da informação. A amnésia pode ser massiva, quando são esquecidas absolutamente todas as lembranças, ou parcial, se perdemos de vista apenas alguns fatos ou alguma etapa do passado. Nesta última entra um forte componente afetivo.

Amnésia lacunar

Refere-se a um tipo de amnésia parcial em que alguns episódios compreendidos em um lapso de tempo muito específico se apagam da memória. Pode englobar minutos, horas ou dias. É o que popularmente chamamos de “lacunas mentais” e surgem por diversas causas. Pode ser provocada por uma pancada ou trauma físico ou emocional. Também pode derivar do abuso de álcool ou outras drogas psicoativas.

Amnésia de evocação

É uma forma de amnésia na qual os nomes dos objetos ou das pessoas são esquecidos. Quem a padece conhece as características de um objeto e pode defini-las, mas não sabe como nomear esse objeto.

O mesmo acontece ao esquecer o nome de uma pessoa: sabe quem é e tudo que lhe diz respeito, mas é incapaz de lembrar o seu nome. Se lhe apresentam um nome incorreto, terá a certeza subjetiva de que se trata de um erro; mas mesmo assim, não conseguirá se lembrar do substantivo que realmente lhe corresponde.

Amnésia afetiva

Acontece quando há fortes fatores emocionais ou afetivos que condicionam a memória. É o caso típico das pessoas que esquecem tudo justo antes de uma prova que é crucial para elas. É tanta a ansiedade que chega a afetar as funções de memória e se produz um bloqueio.

Hipermnésia

Trata-se de um aumento anormal da capacidade de se lembrar. Ao contrário da amnésia, é como se toda a informação estivesse plenamente disponível. Geralmente é um estado que aparece nas pessoas que sofrem de epilepsia ou que vivem experiências próximas à morte.

A memória é outra dessas realidades fascinantes que nos lembram o quão infinito é o horizonte do cérebro humano.

Imagem cortesia de Landahlauts