O pequeno príncipe que se esqueceu de olhar para o céu

O pequeno príncipe que se esqueceu de olhar para o céu

dezembro 31, 2016 em Psicologia 0 Compartilhados
O pequeno príncipe que se esqueceu de olhar para o céu

Não sei por que há pessoas que mexem conosco até os ossos, mesmo sem termos ouvido uma palavra da sua boca, nem sequer um olhar. Ainda hoje não sei por que ele, e não outro, me trouxe essa sensação especial.

Eu tinha cerca de seis anos de idade quando já era mais do que comum vê-lo subir e descer a rua. Ele era loiro e me fazia lembrar o pequeno príncipe. Todas as noites ele me espiava a partir da varanda, com o rosto por entre as barras e as pernas penduradas como outras plantas caindo em cascatas verdes até o asfalto, enquanto que eu, com o meu sanduíche, comia pistilos doces e cravos vermelhos brancos que minha mãe colhia.

Ele me fazia lembrar o pequeno príncipe

“Tenho a certeza absoluta de que aquele menino era especial, tão especial que não parecia se encaixar neste mundo.”
Compartilhar

Antes de anoitecer, como em todos os dias, ele atravessava a rua a passos largos olhando para o chão, com os braços cheios de livros e o semblante mais triste que poderiam imaginar. Eu sempre sonhava que ele iria olhar para cima, mesmo que fosse apenas uma vez, para que com o olhar eu pudesse gritar o que o mundo poderia oferecer a ele se ele deixasse de baixar a cabeça e olhasse para frente ou para o céu, mas ele nunca o fez.

homem-lendo-um-livro

O que eu sei sobre ele, descobri através dos comentários, que como borboletas brancas adormecidas nos muros brancos caiados, vibravam na “hora da fofoca” sobre as cadeiras nas portas das casas, ou talvez, mais uma vez, a minha imaginação que criou. Esta é a história.

O diagnóstico do pequeno príncipe

-Seu problema é que você lê demais.

Esse foi o diagnóstico que fizeram a Juan Delgado. Desde o homeopata até o psicólogo, passando pelo acupunturista, o padre, o padeiro, o do quiosque, a família e, claro, o livreiro. Todos eles concordaram ou influenciaram.

Quando Juan Delgado voltava para casa, exausto do habitual passeio em círculo da sua mente; depois de ouvir esta frase em seu caminho, mais que uma vez, como um eco incansável, não lhe restou outra opção, senão se render e aceitar que os livros eram a causa e a conclusão para o seu problema.

Como costumava fazer, antes de pegar o ônibus de volta para a cidade, ele passou no centro comercial e foi até a seção de livros para se despedir deles. Depois, ele foi para a seção de moda jovem, pegou várias peças aleatórias e entrou em um dos provadores.

“Completamente nu, ele observou sua imagem como se fosse a primeira vez que fizesse isso.”
Compartilhar

As luzes do provador, destinadas a fazer com que ele parecesse mais e melhor, mal conseguiram dar um pouco de vida à sua figura deteriorada. Ali onde antes havia uma espessa juba de cabelo, o brilho da pele envolvia o crânio como uma máscara de beleza para um cérebro que há muito tempo corria sem rumo, perdido.

homem-sozinho-triste

A pronunciada curvatura do que foram suas sobrancelhas coroava a memória de um olhar profundo, agora sem um único cílio. O rosto, reduzido entre as bochechas imberbes, sentia a ausência da cor e do traço com que se desenha um mapa de beijos.

A pele do púbis, antes coberta de pelos pretos desde onde emergia sua tensão, lembrava agora o das esculturas prematuras, desconhecedoras do prazer carnal, mármore e frágil.

Ele levantou os braços ossudos e os cruzou atrás da nuca, procurou em vão algum rastro de pelo nas recônditas axilas. Todo o seu ser, antes suave e fofo, agora era transparente e frágil a ponto de se desprender, sem rastro algum de carícia.

A imagem ficou borrada e reapareceu depois da lágrima. Então ele olhou para baixo e fez uma careta de algo parecido com um sorriso pronunciado: lá onde apenas as letras podem se enraizar com força, onde apenas elas podem chegar, se abria um buraco no peito, dando lugar para uma espécie de torrente de pelos brancos.

O tempo passou e um dia deixei de comer pistilos naquela sacada, mas não antes de olhar para a rua já sem a sua presença e pensar que, independentemente do que o mundo pensara, os livros não foram a causa de nada, e sim o refúgio de tudo, para aquele pequeno príncipe solitário.

Recomendados para você