A personalidade de Donald Trump segundo os psicólogos

· junho 7, 2018

A personalidade de Donald Trump continua provocando inquietação entre os especialistas em saúde mental. Talvez ele sofra de algum tipo de transtorno psicológico? Seu comportamento histriônico, seu narcisismo, sua falta de empatia ou impulsividade geram desconfiança em muitas pessoas, incluindo aquelas que trabalham diariamente com ele. Por outro lado, o poder que ele ostenta faz com que, caso as suspeitas estejam corretas, sua figura e ações possam constituir uma verdadeira ameaça para todos os seres vivos do planeta.

Desde que Donald Trump assumiu a presidência dos EUA, não param de publicar relatórios sobre sua saúde mental. No entanto, é importante indicar que, ao fazer isso, podemos enfrentar diversos problemas éticos.

Em primeiro lugar, não é lícito que os profissionais das áreas de comportamento e saúde façam relatórios sobre pessoas que anteriormente não foram submetidas a nenhuma avaliação médica rigorosa. “Até que ponto as suas hipóteses têm fundamento?”, essa seria outra das perguntas que deveríamos considerar se desejarmos fazer um esboço psicológico desse personagem.

“Com frases como ‘poderia disparar contra pessoas na Quinta Avenida e não perderia votos’, Donald Trump já nos dá uma pista sobre o seu estado mental”.
-John Gartner, psicólogo da Escola de Medicina da Universidade John Hopkins-

Em segundo lugar, muitas das avaliações realizadas se concentram mais no próprio personagem do que na pessoa. Assim, poucas figuras públicas investiram tanto em criar o seu próprio personagem e sua marca de identidade como Donald Trump. Porém, não sabemos nada sobre a esfera mais íntima onde se esconde o homem e não a caricatura. É ali que poderíamos saber, por exemplo, como ele se relaciona com seus familiares e as pessoas que configuram seu entorno mais próximo.

No entanto, o verdadeiro problema consiste no fato de não estarmos diante de uma figura pública qualquer. A personalidade de Donald Trump, com seus altos e baixos, suas reações, seus tweets e suas condutas geram, acima de tudo, desconfiança. E o imprevisível é um fator de risco quando se trata de um personagem público que possui tanto poder.

Donald Trump

A personalidade de Donald Trump sujeita à análise

O que sabemos sobre a personalidade de Donald Trump é deduzido dos seus comportamentos públicos. Durante sua visita ao Japão, ele protagonizou uma cena curiosa. Foi durante um momento onde ele e o ministro japonês Shinzo Abe tiveram um descanso para alimentar algumas carpas douradas do açude de Koi.

Como é próprio da cultura japonesa, todo ato tem a sua cerimônia, e o ministro Abe, como era de se esperar, começou a jogar comida para os peixes de maneira pausada e paciente. Donald Trump, inimigo da paciência e das cerimônias, terminou jogando a caixa inteira de comida de uma vez só.

Tirando o lado engraçado da cena, lembrou-se mais uma vez o que vem sendo avisado pelas diferentes opiniões, de professores da Universidade de Yale até a organização de saúde mental “A Duty to Warn” (O dever de alertar): Donald Trump pode não estar apto para o seu cargo.

No entanto, antes de indicar a quais transtornos eles se referem, insistem na análise do seu comportamento público e no que podemos deduzir da sua personalidade. Que seria o seguinte:

Donald Trump e Clinton em debate

  • Donald Trump não gosta de regras, de protocolos, de receber negativas, nem que as pessoas contrariem a sua opinião. Desafia com frequência a ordem estabelecida e não aceita ordens. Se a estas condutas acrescentarmos a impulsividade, temos o que o “Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais” (DSM-5) classifica como conduta antissocial.
  • Ele tem um lapso de atenção muito breve. Mostra pouco interesse em opiniões diferentes das suas, seus esquemas mentais são muito rígidos e sua capacidade para processar a informação escrita é limitada. Ele se limita a viver o aqui e agora, dando a sensação de não avaliar as consequências a longo prazo de seu modo de comportamento.
  • Ele tem uma personalidade claramente narcisista. Do mesmo modo, costuma confiar em poucas pessoas e aplica um pensamento dicotômico quanto à suas relações: alguém é amigo ou inimigo, alguém é patriota ou não é.
  • Ele parece apresentar um controle muito baixo dos seus impulsos.
  • Ele desconfia dos intelectuais, classifica os jornalistas como figuras “perigosas” e evita qualquer pessoa especialista em alguma área porque acha que ela terá uma opinião contrária à sua e que o deixará em evidência.
  • Ele é muito hábil socialmente, mas essa habilidade tem só um propósito: ser o centro das atenções. Se ele não consegue isso, se sente frustrado e zangado.

“A maioria das pessoas está apaixonada pelo seu drama pessoal. Sua história pessoal é a sua marca de identidade. O ego dirige a sua vida”.
-Ekhart Tolle-

Possíveis transtornos mentais na figura de Donald Trump

Era isso o que indicávamos no começo do artigo. Não é considerado ético publicar relatórios psicológicos sobre pessoas que não foram entrevistadas pessoalmente. Na verdade, é uma violação da chamada “Regra de Goldwater”.

No entanto, essa regra já foi quebrada, e quem realizou essa série de relatórios é o psicólogo John Gartner, da Universidade John Hopkins. Há alguns meses, cerca de 18.000 psicólogos assinaram um pedido no qual alertam que Donald Trump está mentalmente incapacitado para o cargo que ocupa.

Tal como foi publicado no artigo da “Psychology Today”, a personalidade de Donald Trump deixa entrever características potencialmente perigosas. Na verdade, como explica o próprio Doutor Gartner, estamos diante de alguém que, curiosamente, pode sofrer de um grave complexo de inferioridade.

Porém, como indicou Alfred Adler em alguma ocasião, existem pessoas que lidam com o seu complexo de inferioridade desenvolvendo uma forte dominação e hostilidade aos outros para atingir um único objetivo: validar a si mesmo, satisfazer as próprias necessidades.

Donald Trump

Os especialistas indicam que Donald Trump cumpre vários critérios publicados pelo “Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais” (DSM-5). Esses fatores determinam pelo menos três transtornos de personalidade, entre eles: o transtorno de personalidade narcisista, o transtorno de personalidade antissocial e o transtorno de personalidade paranoide.

Uma vez mais, insistimos que estes são meros julgamentos do comportamento público do Presidente Trump. Não devemos assumir isso como verdadeiro, e muito menos como válido. São suspeitas publicadas por um grupo de especialistas que querem esclarecer um aspecto que, basicamente, é importante: antes que um político assuma um cargo de tanta responsabilidade, ele deveria passar por uma série de exames para avaliar a sua aptidão psicológica.

Para terminar, não sabemos se a personalidade de Donald Trump se aproxima, como muitos dizem, da conhecida trilogia obscura da personalidade (o narcisismo, a psicopatia e o maquiavelismo), também não sabemos se ele é realmente perigoso para o cargo.

Pode ser que tudo não passe de meras aparências, da máscara de um personagem que, apesar de inquietante, parece inofensivo. O tempo vai dizer, só esperemos que ele se limite a ostentar bem o cargo e, que no máximo, acumule mais episódios engraçados, como o que ocorreu com as carpas douradas no Japão.