Progesterona: características e funções

· setembro 3, 2018

A progesterona é um hormônio sexual feminino do grupo dos esteroides, produzido e liberado pelos ovários após a ovulação, e desempenha diferentes funções no organismo. Junto com o estrogênio, é um dos principais hormônios na hora de regular o ciclo menstrual e a função reprodutiva nas mulheres.

Apesar das características e dos efeitos tão importantes da progesterona, é um hormônio que não é tão conhecido quanto o estrogênio. Tanto níveis altos quanto baixos estão relacionados a problemas de saúde ou mudanças no ciclo hormonal feminino. Por isso, a seguir, vamos explicar suas principais características e funções.

Características principais da progesterona

A progesterona foi descoberta no ano de 1933 por um médico da Universidade de Rochester. Ela recebeu esse nome devido à sua composição química e molecular.

Este hormônio é produzido em três lugares diferentes: nos ovários (mais especificamente no corpo lúteo depois da ovulação), nas glândulas suprarrenais (onde também se produz a adrenalina) e, durante a gravidez, na placenta. Além disso, uma vez sintetizada uma parte da progesterona, ela é armazenada no tecido adiposo (gordura corporal).

“Junto com o estrogênio, a progesterona é um dos principais hormônios na hora de regular o ciclo menstrual e a função reprodutiva nas mulheres.”

Características principais da progesterona

Após a ovulação (liberação do óvulo), os ovários começam a produzir progesterona através do corpo lúteo (restos da ovulação). Nesse momento, ela alcança seu pico máximo e se mantém em níveis elevados até o momento em que ocorre a gravidez ou a menstruação.

Dessa forma, se ocorrer a gravidez, a progesterona será responsável por preparar e manter o útero para a gestação. Após, aproximadamente, dez semanas de gravidez, a placenta passará a produzir progesterona para manter esse hormônio em níveis adequados e garantir que a gestação se desenvolva adequadamente.

Por outro lado, se não ocorrer a gravidez, os níveis de progesterona diminuem e, portanto, o endométrio (tecido uterino) começa a se soltar, ocorrendo a menstruação. Portanto, trata-se de um hormônio sexual feminino que é produzido por diferentes órgãos e que apresenta diferentes concentrações no sangue durante todo o ciclo menstrual.

Principais funções

Manutenção da regularidade no ciclo menstrual

A progesterona está envolvida no início do ciclo menstrual, já que, se o óvulo não for fecundado, seus níveis caem e se inicia a descamação do endométrio e, por conseguinte, a menstruação.

Enquanto os níveis desse hormônio estiverem altos, a menstruação não acontece. Por outro lado, se os níveis de progesterona forem insuficientes ou estiverem muito baixos, podem ocorrer sangramentos durante a gravidez, já que parte do tecido uterino começa a descamar.

Preparar o útero para a gravidez

Após a ovulação, a progesterona se encarrega de preparar o útero para receber um embrião e garantir que a gestação seja bem-sucedida. Esse é o hormônio responsável por garantir que o revestimento do útero esteja estável e com uma espessura adequada para a gestação.

Por outro lado, quando ocorre a gravidez, é a placenta que passa a secretar progesterona para manter o tecido uterino em boas condições e, assim, permitir a gestação.

Preparação das glândulas mamárias para a amamentação

Durante toda a gravidez, as glândulas mamárias se preparam para serem capazes de secretar e excretar leite materno. A progesterona é responsável, principalmente, por aumentar o tamanho das mamas.

Em outras palavras, os níveis altos desse hormônio fazem com que as mamas se preparem para produzir e liberar leite materno. No entanto, como resultado do aumento de prolactina e oxitocina, hormônios que diminuem os níveis de progesterona, é só no nascimento que ocorre a liberação de líquido das mamas.

Mãe segurando seu filho bebê

Saúde óssea

Enquanto o estrogênio participa da manutenção saudável dos ossos já formados, a progesterona é responsável por auxiliar na criação de novos tecidos ósseos. Para isso, interage com os osteoblastos (células que geram ossos novos) e estimula sua atividade, auxiliando também a reparar ossos danificados.

Níveis baixos e funcionamento do sistema nervoso central

A progesterona precisa estar em um nível ideal para o correto funcionamento cerebral em relação ao humor e ao desejo sexual. Por exemplo, foi observado que baixos níveis deste hormônio podem causar mudanças no estado de ânimo, diminuição do desejo sexual, ansiedade, nervosismo e insônia. Também foi detectado que ela tem efeitos neuroprotetores no cérebro e que dificulta a degeneração neuronal.

“Após a ovulação, a progesterona se encarrega de preparar o útero para receber um embrião e garantir que a gestação seja bem-sucedida”.

Em suma, é importante destacar que estamos falando de um hormônio que, principalmente, é responsável pela gestação do bebê, mas que também tem funções muito importantes na hora de regular o desejo sexual, além do humor. Em todo caso, quando a progesterona não é encontrada em quantidade suficiente, após a realização de exames e prescrição média, pode ser ingerida como medicamento.