A falta de desejo sexual é um problema?

· junho 19, 2017

Quando se fala de problemas sexuais costumamos pensar sobretudo em temas relacionados ao orgasmo. É mais comum que se comentem coisas sobre a ejaculação precoce em alguns homens ou a dificuldade para chegar ao orgasmo que algumas mulheres têm. Mas será que estes são os únicos problemas deste tipo?

De jeito nenhum. Entre as dificuldades que podem afetar a nossa vida sexual encontramos outros problemas que não sabemos solucionar, ou que nem sequer sabemos se são um problema. Neste artigo vamos focar a fase prévia ao encontro sexual, na qual supõe-se que nasce e se alimenta o desejo. Assim, trataremos de identificar a partir de que ponto podemos falar sobre um verdadeiro problema de desejo sexual e de como canalizá-lo. Continue lendo para saber mais!

“Não desejar nada é não viver”.
-Paul Géraldy-

Como é a resposta sexual humana?

Para começar, é importante ter claro como é a resposta sexual humana. Esta se compõe por cinco fases que iremos detalhar a seguir:

  • Desejo: aqui se iniciaria a resposta sexual. Caracteriza-se pela presença de pensamento ou fantasias sexuais, pelo desejo de que ocorra a atividade sexual e por possíveis mudanças hormonais.
  • Excitação: é a segunda fase. Aqui as pessoas têm uma sensação subjetiva de excitação. Mas não é só isso: o corpo se prepara para a atividade sexual. Assim, ocorre uma série de mudanças tanto no homem quanto na mulher com a finalidade de iniciar as relações deste tipo.
  • Orgasmo: segue a excitação. Além de uma série de contrações no corpo do homem e da mulher, proporciona uma sensação e um estado de prazer.
  • Resolução: depois do orgasmo, aparece uma sensação de alívio e relaxamento à medida que o corpo volta ao seu estado prévio ao início da resposta sexual.
  • Satisfação sexual: seria o componente psicológico subjetivo de satisfação com a relação sexual que finaliza a resposta sexual.
Casal apaixonado que sente desejo sexual

Em cada uma destas fases podem aparecer problemas que dificultam a ocorrência de relações sexuais satisfatórias. Estas dificuldades podem ser classificadas em diferentes dimensões: temporal, situacional, grau de severidade e etiologia. Em relação à primeira, se a disfunção sempre existiu seria primária, enquanto que se aparece a partir de um determinado momento seria secundária.

Se está presente em todas as situações iríamos chamá-la de geral; situacional, no entanto, se for associada a circunstâncias muito específicas. Em relação ao grau de severidade, pode ser total se ocorre em seu máximo nível, e parcial se não. Com respeito à etiologia, em função das causas que a provoquem ela pode ser orgânica ou funcional.

“Viver seus desejos, esgotá-los em vida, é o destino de toda existência”.
-Henry Miller-

Os problemas do desejo sexual

Na primeira fase da resposta sexual humana podem aparecer vários tipos de dificuldades. Uma delas seria o baixo desejo sexual. No entanto, um desejo alto demais também seria uma conduta problemática. Ainda assim, a disfunção mais comum nesta fase seria o desejo sexual inibido, que pode levar à aversão em relação às próprias relações sexuais (passam a ser uma obrigação e deixam de ser momentos de prazer). A inibição do desejo sexual é uma redução anômala e persistente do desejo e da vontade de realizar atividades sexuais.

“Só há uma força motriz: o desejo”.
-Aristóteles-

Por que isso acontece? As causas são muito variadas, começando pela relação do casal. Se esta tiver conflitos ou for rotineira, ou um dos membros tiver uma disfunção sexual, isso pode levar à inibição do desejo sexual. O desejo nasce da antecipação de uma situação prazeroza; assim, se a relação não é percebida como prazerosa em todos os níveis, é muito difícil que o desejo apareça.

Também encontramos outras causas. A nível físico influenciam alguns problemas médicos e o consumo de drogas ou medicamentos. Nesta linha, os contraceptivos orais ou o cansaço físico também podem causar estes problemas.

Quanto aos fatores psicológicos e individuais, podem influenciar a ansiedade, o estresse ou a depressão, ter uma orientação sexual ambivalente ou parafilias. Além disso, ter experiências sexuais traumáticas é outro possível fator desencadeante. Este último pode fazer com que a inibição leve a uma aversão sexual, um sentimento de repugnância extrema em relação ao sexo.

Casal que não sente desejo sexual

A questão é que, como o desejo sexual é a primeira fase desta resposta, um problema neste aspecto condiciona enormemente a atividade sexual e, portanto, a satisfação que vem com ela. Dados os benefícios associados à prática sexual, é importante buscar ajuda profissional de um psicólogo se há um problema desse tipo. Está em suas mãos resolvê-lo!

Imagens cortesia de Sweet Ice Cream Photography, Charlie Hang e Jeremy Bishop.