O que são as mentiras azuis?

· novembro 11, 2018

Durante o nosso dia a dia, podemos ouvir ou fazer parte de muitos tipos de mentiras. Neste artigo falaremos sobre um tipo de mentira que não é muito conhecida: as mentiras azuis.

Mentiras piedosas são usadas para tentar fazer algo pelo bem de outras pessoas sem feri-las e são consideradas moralmente aceitáveis. Por outro lado, existem as mentiras por interesse, com as quais tentamos obter um benefício pessoal em detrimento de outros. Socialmente, são consideradas negativas.

As mentiras azuis são aquelas que dizemos por falta de confiança quando se trata de participar de um grupo. Portanto, com as mentiras azuis procuramos ser aceitos e nos sentirmos seguros fazendo parte de uma coletividade. Temos medo de sermos expulsos se os outros membros perceberem que pensamos de forma diferente.

As mentiras azuis e a maneira como negamos a realidade

Enquanto as mentiras piedosas são formuladas para beneficiar outra pessoa, as mentiras azuis normalmente são usadas para beneficiar um grupo.

Esse tipo de mentira ocorre quando tentamos explicar a falta de racionalidade que pode nos cercar em um determinado momento. Em suma, esta utilização de mentiras azuis está relacionada com “se fazer de bobo”.

Homem encrencado por contar mentiras

No entanto, podemos encontrar pessoas que seguem ideias completamente absurdas, como a crença generalizada de que a terra é plana. Acreditam que a comunidade científica faz parte de uma trama, juntamente com os políticos e os meios de comunicação, para fazer o mundo acreditar que a terra é redonda. Por outro lado, outras pessoas seguem crenças peculiares, como a cientologia.

Todos esses comportamentos não são mais do que sinais de lealdade irracional. Dessa forma, as pessoas que os seguem se convencem, através das mentiras azuis, dos aspectos positivos de fazer parte desses grupos.

As mentiras azuis e as crenças “incômodas”

Ao longo dos anos, os avanços científicos e sociais reúnem evidências de que existem crenças religiosas que não se sustentam. Por essa razão, muitas religiões tentam se adaptar aos novos tempos se modernizando.

No entanto, são precisamente esses cultos que estão perdendo seguidores rapidamente, enquanto outros, como a cientologia acima mencionada, crescem apesar das suas ideias serem consideradas “malucas” por algumas pessoas.

A razão para esse enraizamento talvez seja a força das mentiras azuis. As pessoas que recorrem a esse tipo de mentira para se convencerem dos benefícios de seguir essas ideias consideram, inconscientemente, que a principal atração dessas crenças é que elas são difíceis de seguir.

Portanto, o conteúdo das suas regras não importa. O importante é que um é desafio, e aceitá-lo produz um reforço.

Mentir para um amigo

As mentiras azuis nas comunidades socialistas dos EUA

Em relação ao que acabamos de comentar, podemos dar o exemplo das comunidades de políticas socialistas. Esses grupos administrativos tentaram organizar um autogoverno e se tornaram especialmente populares ao longo do século XIX nos Estados Unidos. Este tipo de organização seguia as ideias de pensadores como Charles Fourier, da França, ou Robert Owen, da Escócia.

Os problemas internos dessas comunidades, assim como as dificuldades para se entenderem e estabelecerem alianças entre eles, fizeram com que a maioria se dissolvesse depois de algumas décadas da sua formação. No entanto, as comunidades que tinham uma base religiosa conseguiram se manter por muito mais tempo.

Isso se deve ao fato de que esse tipo de organização religiosa impunha muito mais exigências aos seus membros do que aquelas encontradas nos grupos laicos. Então, práticas como o celibato ou limitações para se comunicar com o exterior fizeram com que os membros dessas comunidades estabelecessem laços mais fortes. Isso permitiu que as organizações religiosas durassem muito mais tempo.

Dessa forma, as mentiras azuis fazem um indivíduo tentar, de maneira inconsciente, ignorar os fatos irracionais que o cercam para evitar a tentação de se afastar de um grupo ou de ser rejeitado por ele.

Esta é uma maneira de permanecer seguro e se sentir aceito dentro de um grupo, embora as suas crenças ou comportamentos possam ser negativos ou prejudiciais e, até mesmo, absurdos.