Por que os grupos geram normas? - A Mente é Maravilhosa

Por que os grupos geram normas?

Fevereiro 6, 2018 em Psicologia 49 Compartilhados
Por que os grupos geram normas?

Se observarmos os diferentes grupos sociais existentes, independentemente de serem de natureza formal ou informal, esses grupos geram normas. Essas normas fazem parte da nossa vida social e as aceitamos, em sua maior parte, como algo legal e essencial. Depois disso, as questões que surgem são: como essas normas de grupo são geradas? Quais funções você cumpre dentro do grupo?

Antes de responder a estas duas questões, devemos delimitar uma definição da norma para entender em profundidade sua gênese e funções. Homans definiu a “norma” como uma ideia que ocupa as mentes dos membros do grupo e atua como um quadro de referência quando a realidade é ambígua ou com um caráter de regulação de atitudes e comportamentos. Além da sua definição, é essencial saber que as normas podem ser apresentadas de duas maneiras:

  • Normas descritivas: são as que correspondem ao que os membros do grupo fazem em uma determinada situação. Estas constituem o modelo de comportamento que todos os membros devem seguir. Elas teriam a função de fazer um quadro de referência quando a realidade for ambígua.
  • Normas prescritas: estas indicam o que os membros do grupo aprovam ou desaprovam. Elas especificam o que “deve ser feito” e representam a moralidade do grupo. Elas atuariam como um mecanismo para regular atitudes e comportamentos.

Pessoas montando quebra-cabeça no trabalho

Funções das normas do grupo

Sabemos que os grupos geram normas, por isso pode-se deduzir que devem cumprir uma série de funções dentro da dinâmica do grupo ou pelo menos ter certas consequências nos grupos, caso contrário, sua existência seria inútil. Agora, essas funções podem ser de natureza individual ou social; individual quando as suas consequências afetam o sujeito, e social quando os normas atendem às necessidades do grupo a nível social ou intergrupal. Na maioria dos casos, uma norma tem ambos os sentidos.

A função principal a nível individual das normas de grupo é atuar como um quadro de referência. Graças a elas, o indivíduo sabe como interpretar e construir a realidade. Esta função se encaixa perfeitamente nos paradigmas socioconstrutivistas que postulam que a realidade é construída através do filtro da sociedade e da cultura: os grupos e suas normas seriam os agentes ativos desse processo.

Quanto às funções sociais, estas teriam como objeto:

  • A regulamentação e coordenação das interações e atividades dos membros do grupo para que sejam realizadas de forma ordenada. Elas ajudariam a evitar caos e conflitos, evitando assim a destruição ou decadência do grupo.
  • A realização dos objetivos do grupo. Quando os grupos geram normas, eles estão criando uma uniformidade de comportamento em direção ao mesmo objetivo. Isso ajuda muito a melhorar a eficiência no cumprimento desses objetivos de grupo.
  • A manutenção da identidade do grupo. Um conjunto de regras que dizem como você deve ser e como você deve se comportar irá ajudá-lo a se diferenciar dos outros. Isso contribuirá para a gênese de uma identidade de grupo que o classifica como um membro desse grupo específico.

Funcionários reunidos no trabalho

Como os grupos geram normas?

O desenvolvimento de normas é uma questão que atormentou muitos psicólogos sociais. As análises de Levine e Moreland coletam muitas teorias e experiências sobre como os grupos geram normas. Graças a eles podemos dizer que sua gênese pode ser dada por duas origens diferentes: origem interna ou origem externa.

Dentro dos vários fatores de origem interna, podemos encontrar:

  • Scripts dos membros sobre como se comportar em uma situação. Quanto mais membros compartilham de tal script, mais rapidamente a norma é estabelecida.
  • Negociação entre os membros durante as resoluções de conflitos.
  • Por imitação do padrão de um membro que é contagioso para o resto dos outros.
  • Por autocategorização, quando uma norma é construída graças à informação disponível da identidade do grupo.

Quanto às origens externas, o mais proeminente e comum é quando uma instituição ou um líder dita uma norma. Esta norma vem de fora do grupo ou do nível individual de um membro do grupo, que geralmente produz maior rejeição do que quando tem origem interna. Mas dependerá, em grande medida, do acordo ou compatibilidade da norma com os objetivos do grupo.

As normas do grupo fazem parte do nosso dia a dia, de como devemos fazer o nosso trabalho, sobre como devemos nos vestir para uma festa, etc. Sua influência é notável em nosso comportamento e, em grande medida, de forma implícita ou inconsciente. Por esta razão, é importante conhecer bem as normas e o bom funcionamento delas; o que nos ajudará a ter uma visão crítica das mesmas e evitar atuar contra nossa moral ou identidade pessoal.

Recomendados para você