O processo de recaída no alcoolismo

A recaída no alcoolismo é um fenômeno que ocorre com uma frequência relativamente alta. Os vícios, e entre eles o alcoolismo, tendem a ser hábitos muito difíceis de abandonar definitivamente. Às vezes, uma leve aproximação do objeto do vício pode desencadear o hábito tóxico novamente. Saiba mais sobre o processo que leva a esta situação.
O processo de recaída no alcoolismo

Última atualização: 17 Julho, 2021

O alcoolismo é um dos vícios mais frequentes na sociedade e tem um alto percentual de recaída. Por isso, grande parte do tratamento visa preveni-las. De acordo com um estudo realizado pela Unidade de Alcoologia do Hospital Clínico de Barcelona, ​​40% dos pacientes continuam sem beber 10 anos após o início do tratamento.

Embora a recaída no alcoolismo não seja uma realidade rara, é preciso fazer um esforço para entender que é um processo relativamente normal e, acima de tudo, que pode ser superado.

Muitos fatores podem causar uma recaída. Na verdade, uma pessoa que sofre de alcoolismo costuma ter recaídas mais de uma vez até que o abandono total do hábito seja alcançado. Geralmente, alcançar a sobriedade a longo prazo exige um alto nível de esforço pessoal e superação.

Uma recaída no alcoolismo pode ser definida como um retorno à busca compulsiva e ao consumo de álcool após um período relativamente longo de sobriedade.

Algumas realidades relacionadas ao alcoolismo e sua recaída são as seguintes:

  • Um retorno aos hábitos comportamentais prejudiciais à saúde que caracterizaram o período anterior de dependência.
  • As consequências negativas desses hábitos costumam ser evidentes.
  • Diminuição e abandono de atividades relacionadas com a cessação ou reabilitação.
  • Um episódio isolado de uso de álcool não deve, por si só, ser considerado uma recaída; clinicamente, é considerado algo semelhante a um descuido.
  • É possível ter um descuido e não ter recaída, mas também é possível recair sem ter havido um descuido anterior.
O processo de recaída no alcoolismo

A recaída no alcoolismo e seus componentes emocionais

A psicologia clínica admite que as recaídas, em termos globais, estão intimamente relacionadas à experiência de emoções negativas e conflitos interpessoais. No entanto, há momentos em que a recaída no abuso de álcool pode vir de mãos dadas com emoções positivas, como sentir-se bem consigo mesmo ou experimentar um espírito natalino festivo.

Às vezes, a exposição a situações ou contextos em que no passado se abusava do álcool pode ser um poderoso gatilho para o vício. Portanto, é essencial identificar quais são esses gatilhos, esses sinais que indicam o perigo e, em seguida, colocar em prática as estratégias adequadas para lidar com eles.

O processo de recaída e seus sinais de alerta

A recaída pode acontecer em qualquer ponto do processo de recuperação de um vício. Na verdade, na população geral, as pessoas com maior risco de recaída no alcoolismo são aquelas que estão imersas em um processo de abstinência.

De uma forma geral, pode-se afirmar que as situações mais suscetíveis são as seguintes:

  • Estar nos estágios iniciais de um processo de reabilitação após um vício.
  • Momentos imediatamente posteriores a um evento traumático.
  • Estar passando por episódios de transição na vida.

A maioria das pessoas que são viciadas em álcool e cuja intenção é não ter uma recaída requerem a aplicação ativa de certas medidas preventivas praticamente pelo resto da vida.

Vale ressaltar que a família, amigos ou companheiro da pessoa dependente de álcool apreciam os benefícios de abandonar esse hábito. A questão é que, embora medidas estejam sendo tomadas para levar uma vida mais saudável, o risco de recaída está sempre presente.

No entanto, se ocorrer uma recaída no alcoolismo, o declínio tende a se tornar óbvio rapidamente. Além disso, muitas vezes há uma série de sinais de alerta dos quais tanto a família quanto os amigos e os profissionais de saúde devem estar cientes. São os seguintes:

  • Redução do otimismo.
  • Maior infelicidade geral.
  • Tendência a inventar desculpas para os seus problemas.
  • Abandono do autocuidado.
  • Falar frequentemente sobre o quanto sente falta do álcool.
  • Conduta tendendo ao sigilo.
  • Hábitos alimentares pouco saudáveis.
  • Tendência de isolamento social.
  • Interagir com pessoas que sofrem deste hábito.
  • Mostrar sinais de ansiedade e/ou depressão.
  • Não comparecimento às consultas ou sessões terapêuticas agendadas.

Etapas de recaída no alcoolismo

Abaixo, explicaremos as três etapas consecutivas que podem levar à recaída. As duas primeiras tendem a implicar menos risco, uma vez que implicam apenas algum afastamento da tendência de recuperação; a terceira e última quase sempre envolve uma recaída completa.

Recaída emocional

É caracterizada, a nível psicológico, por uma certa supressão de emoções e uma tendência ao isolamento interpessoal. Também é comum a pessoa culpar os outros pelas suas dificuldades em completar um processo de reabilitação.

Recaída mental

Esta etapa está associada a sentimentos de abstinência e a uma forte necessidade de retomar o hábito.

A pessoa tende a pensar quase que obsessivamente nos gatilhos do consumo de álcool e até mesmo a mentir e planejar conscientemente a recaída.

Recaída física

Implica sofrer mais de um descuido e cair, novamente, na obsessão de consumir álcool e no desejo compulsivo de abusar dele.

O processo de recaída no alcoolismo

O que pode causar uma recaída no alcoolismo?

É amplamente aceito no campo científico que existem características genéticas e, portanto, hereditárias, que podem predispor uma pessoa a desenvolver vícios. Nesses casos, cada consumo abusivo pode levar a adaptações cerebrais específicas que fazem o cérebro exigir a continuação do uso.

Em termos gerais, as recaídas costumam ocorrer devido a um lugar, uma pessoa ou um objeto que lembra a pessoa do álcool e do uso que fazia dele. Quando o cérebro processa essa memória, tende a desenvolver um desejo ardente pelo álcool. Alguns gatilhos comuns incluem:

  • Estresse.
  • O cheiro de álcool.
  • Problemas financeiros.
  • Interagir com bebedores.
  • Estar na presença de bebidas alcoólicas.
  • Perda de entes queridos.
  • Estar em locais onde o álcool é servido.
  • Experimentar abuso físico ou psicológico.

Pessoas que confiam demais em suas habilidades para evitar o alcoolismo podem ter um risco ligeiramente maior de recaída.

A nossa recomendação é que, diante de sinais de recaída ou de uma potencial recaída para o alcoolismo, é necessário buscar os serviços de ajuda correspondentes o mais rápido possível, especificamente aqueles que ajudaram durante o processo de desintoxicação.

Da mesma forma, se for um familiar ou pessoa próxima que apresente estes sinais, é importante estar atento e aconselhar para que se dirija a um profissional especializado ou serviço competente.

Pode interessar a você...
O transtorno causado pelo consumo de álcool
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
O transtorno causado pelo consumo de álcool

Existem várias patologias mentais associadas ao consumo de álcool. Falamos sobre uma delas neste artigo. Não perca estas informações!



  • Reina Galán, F. (2018). Preguntas y respuestas sobre el alcohol y el alcoholismo. Sevilla, España: Ed. Punto Rojo Libros, S.L.