A regulação emocional em ambientes de cuidado com a saúde

maio 23, 2020
No dia a dia da prática no campo da saúde, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, etc... se deparam com desafios que repercutem em maior ou menor medida em sua própria saúde. É difícil não ser afetado pela carga de trabalho, emocional e profissional, que implica lidar com pessoas cuja saúde está deteriorada.

A regulação emocional em ambientes de cuidado com a saúde ajuda os profissionais da saúde a reconhecer a utilidade e o caráter transitório das emoções. Além disso, também os ajuda a lidar com sua influência e a não se deixar levar pelo lado emocional.

A regulação emocional requer habilidades para reconhecer, administrar e controlar nossas emoções. Do ponto de vista da psicologia, ela é concebida como um processo básico dentro da inteligência emocional. Essa inteligência é determinante para o desenvolvimento das habilidades de comunicação, tão necessárias para trabalhar com pacientes.

No entanto, para praticar a regulação emocional em ambientes de cuidado com a saúde, primeiro deve-se saber exatamente o que é esse processo e em que ele consiste. O treinamento em regulação emocional é “a capacidade de estar aberto tanto aos sentimentos agradáveis quanto àqueles que são menos prazerosos” (Fernández, 2010).

O modelo de regulação emocional baseado no processamento emocional de Hervás (2011) divide esse processo em várias tarefas, ou fases, pelas quais se deve passar até alcançar a regulação:

  • Abertura emocional: nos permite identificar, viver e expressar as próprias emoções.
  • Atenção emocional: capacidade de reconhecer as emoções, de ter conhecimento sobre elas.
  • Rotulagem emocional: capacidade de identificar as emoções, ou seja, de nomeá-las.
  • Aceitação emocional: implica não rejeitar as emoções que se sente.
  • Análise emocional: refletir sobre as emoções e entender seus significados e suas implicações.
  • Regulação emocional.
Mulher sendo atendida por médica

A relação entre pensamento e emoção

Existe uma relação bidirecional entre emoções e pensamentos. Ambos se alimentam mutuamente, e a falha em uma dimensão põe em risco a outra. Assim, um pensamento negativo constante, do qual não conseguimos nos libertar, afeta a maneira como nos sentimos.

Da mesma forma, uma emoção negativa e que não se ajusta à realidade influencia o nosso pensamento. Um exemplo muito comum nos trabalhadores da área da saúde é achar que não estão atendendo corretamente os pacientes por falta de tempo.

Essa insatisfação gera emoções de frustração, estresse ou impotência. Por sua vez, essas emoções alimentam o pensamento, provocando um agravamento progressivo da situação.

Diante desses problemas, uma solução é mudar a situação por meio da ação. Mas existem situações em que não se pode mudar o que acontece, ou nas quais a probabilidade de mudança é muito baixa. Isso ocorre especialmente na área da saúde ao trabalhar com sintomatologias que nem sempre têm remissão, com doenças que podem não melhorar, com o tempo ou recursos limitados, etc.

Portanto, é necessário contar com ferramentas que sirvam para lidar com as próprias emoções. Desse modo, será possível continuar oferecendo um tratamento de qualidade, trabalhando por e para a melhora do paciente.

O estresse nos profissionais da saúde

Existem vários estudos que estabelecem uma relação negativa entre a inteligência emocional e o estresse ocupacional. Eles indicam que, quanto maior o treinamento em inteligência emocional, menor é o nível de estresse e maior é a prevenção do fenômeno burnout (Bajo Gallego e González Hervías, 2014)

“O burnout, ou a síndrome de burnout, gera insatisfação profissional, deterioração do ambiente de trabalho, diminuição da qualidade do trabalho, absenteísmo, abandono da profissão e adoção de posturas passivo-agressivas com os pacientes”.
-Leal-Costa, Díaz Agea, Tirado-González, Rodríguez-Marín e Van Der Hofstadt, 2015-

Os benefícios do mindfulness para a regulação emocional 

O mindfulness pode ser traduzido como atenção plena, e consiste em se focar no presente, em voltar a atenção ao aqui e agora, seguindo estas diretrizes:

  • Sem julgamentos.
  • Sem expectativas.
  • Abertura a tudo que está ao redor.
  • Com curiosidade ou com uma mente de principiante.
  • Com uma atitude de autocompaixão.
Profissional de saúde descansando

Foi comprovado que a prática do mindfulness aumenta a regulação emocional. Além disso, em pacientes, a prática regular pode:

  • Aumentar o bem-estar geral e reduzir os estados emocionais disfuncionais e as sintomatologias físicas por doenças crônicas.
  • Agir como fator protetor diante da piora da função cognitiva global em pacientes com Alzheimer.
  • Beneficiar pacientes com sintomatologia de estresse, ansiedade e depressão.
  • Compensar os efeitos negativos do estresse crônico em pacientes com câncer.
  • Melhorar o funcionamento físico, a dor corporal, a saúde geral, o funcionamento social e a saúde mental em pacientes com fibromialgia.

A finalidade do mindfulness não é deixar a mente em branco, mas aceitar os pensamentos e sentimentos que experimentamos, desvinculando-se deles. Entendendo que ambos são fenômenos transitórios e que não definem o que somos.

Portanto, a pessoa que pratica regularmente o mindfulness se torna um especialista em regular suas emoções.

  • Gutiérrez, G. S. (2011). Meditación, mindfulness y sus efectos biopsicosociales. Revisión de literatura. Revista electrónica de psicología Iztacala, 14(2), 26-32.
  • Hernández, D. J. Q., Barrachina, M. T. M., Fernández, I. I., del Pino, A. S., & Hernández, J. R. (2014). Efectos de un programa de intervención neuropsicológica basado en mindfulness sobre la enfermedad de Alzheimer: ensayo clínico aleatorizado a doble ciego. Revista Española de Geriatría y Gerontología, 49(4), 165-172.
  • Hervás, G., Cebolla, A., & Soler, J. (2016). Intervenciones psicológicas basadas en mindfulness y sus beneficios: estado actual de la cuestión. Clínica y salud, 27(3), 115-124.
  • Gil, V. A. (2015). Mindfulness: una propuesta de intervención psicológica en atención primaria. Revista Electrónica Psyconex, 7(11), 1-18.
  • Moscoso, M. S. (2010). El estrés crónico y la Terapia Cognitiva Centrada en Mindfulness: Una nueva dimensión en psiconeuroinmunología. Persona: Revista de la Facultad de Psicología, (13), 11-29.
  • Justo, C. F., Mañas, I. M., & Martínez, E. J. (2010). Mejora en algunas dimensiones de salud percibida en pacientes con fibromialgia mediante la aplicación de un programa de meditación mindfulness. Psychology, Society & Education, 2(2), 117-130.
  • Fernández, B. P. (2010). Inteligencia emocional para médicos del siglo XXI. El médico, 22-25.
  • Delgado, L. C., Guerra, P., Perakakis, P., Viedma, M. I., Robles, H., & Vila, J. (2010). Eficacia de un programa de entrenamiento en conciencia plena (mindfulness) y valores humanos como herramienta de regulación emocional y prevención del estrés para profesores. Psicología Conductual, 18(3), 511.
  • Mateo, A. F., Faixa, T. R., & Martín-Asuero, A. (2014). Mindfulness y regulación emocional: Un estudio piloto. Revista de psicoterapia, 25(98), 123-132.
  • Muñoz, M. D., & de la Fuente, F. V. (2010). La Pirámide de Necesidades de Abraham Maslow. Obtenido de HYPERLINK” http://coebioetica. salud-oaxaca. gob. mx/wp-content/uploads/2018/libros/ceboax-0530. pdf” http://coebioetica. salud-oaxaca. gob. mx/wp-content/uploads/2018/libros/ceboax-0530. pdf.
  • Leal-Costa, C., Díaz-Agea, J. L., Tirado-González, S., Rodríguez-Marín, J., & Van-der Hofstadt, C. J. (2015, August). Las habilidades de comunicación como factor preventivo del síndrome de Burnout en los profesionales de la salud. In Anales del Sistema Sanitario de Navarra (Vol. 38, No. 2, pp. 213-223).
  • Hervás, G. (2011). Psicopatología de la regulación emocional: el papel de los déficit emocionales en los trastornos clínicos. Psicología conductual, 19(2), 347.