Se você quer se proteger da toxicidade, cultive a responsabilidade emocional

· agosto 26, 2017

Nos últimos anos o conceito de toxicidade virou moda, especialmente nos relacionamentos pessoais. Estamos cercados de pessoas tóxicas que nos prejudicam e nos roubam energia positiva, seja na família, no casal, no trabalho ou no grupo de amigos.

Bernardo Stamateas, psicólogo e escritor, define as pessoas tóxicas como aquelas que têm comportamentos que potencializam as nossas fraquezas, nos enchem de responsabilidades e frustrações, tentam reduzir nossa autoestima de maneira consciente ou inconsciente. Mas, o que acontece quando as pessoas tóxicas somos nós mesmos? Às vezes temos certos comportamentos que, sem que percebamos, podem prejudicar as outras pessoas… Vamos refletir sobre isso.

Alguns sinais de toxicidade

Ninguém gosta de saber que é prejudicial para os outros. É mais fácil culpar o outro, examinar o que ele faz errado e lhe mostrar repetidamente o que ele deve mudar. O problema é que todos nós, em algum momento da nossa vida, somos tóxicos.

Exemplos disso são os comportamentos vitimistas, egoístas e manipuladores para tentar convencer o outro a fazer o que queremos, ou quando somos incapazes de valorizar os sucessos dos outros e criticamos os seus sonhos e ilusões. Rejeitamos as suas opiniões ou desempenhamos o papel de vítima culpando o outro pelo nosso desconforto… Pense também naqueles momentos em que permanecemos na nossa posição, ancorados apenas pelo orgulho, apesar de sabermos que estamos errados e ferimos as pessoas que nos rodeiam. Então também somos tóxicos.

Cultive a responsabilidade emocional para se proteger da toxicidade

De repente, podemos nos encontrar em uma espiral negativa. Uma espiral cujo eixo central é a tentativa de controlar os outros, a imposição da nossa vontade ou a necessidade de ser o centro das atenções. Ser uma pessoa tóxica não é tão difícil e, muitas vezes, nem percebemos isso.

Talvez ninguém tenha nos falado que existem diferentes graus de toxicidade e que atribuir à personalidade o rótulo de tóxica é generalizar; generalizar muito, uma vez que normalmente apenas certos comportamentos são problemáticos, não todos. Mas o que está por trás desses comportamentos?

Quando manifestamos esse tipo de comportamento, nós trazemos para fora através de uma perspectiva negativa as carências e os conflitos internos não resolvidos. O peso do passado, o medo, o vazio afetivo ou a culpa que não são adequadamente gerenciados podem levar ao surgimento da toxicidade, juntamente com baixos níveis de responsabilidade emocional e empatia. As toxicidades são formas de enfrentar situações e emoções.

Sendo tóxicos com nós mesmos

Não somos tóxicos somente para os outros, mas também para nós mesmos. Podemos nos tornar os nossos piores inimigos. O tratamento que nos damos e a maneira como falamos sobre nós mesmos nos influenciam e nos condenam. Nos transformamos em juízes das nossas ações, qualificando-as como insuficientes ou negativas. Dessa forma, estaremos nos tratando de forma tóxica, causando desconforto, minando a nossa autoestima e prejudicando nossas relações com comportamentos conflitantes.

Não devemos nos desprezar ou nos culpar quando cometemos um erro. Um erro não implica que nos maltratemos. Pelo contrário, se formos amáveis, poderemos ver o que aconteceu por outra perspectiva e tentar novas estratégias, melhorando assim os nossos relacionamentos.

Aceitar nossa toxicidade para mudar

Aceitar que somos tóxicos envolve grandes doses de sinceridade e um alto nível de responsabilidade emocional. Este é o primeiro passo para mudar. Para isso, é importante que prestemos atenção aos nossos comportamentos para detectar a dinâmica tóxica que utilizamos e conseguir ir mais além: descobrir quais são as deficiências emocionais que estamos tentando esconder.

Cultive a responsabilidade emocional para se proteger da toxicidade

Talvez descubramos que a nossa tentativa de controlar os outros é devido à falta de segurança interna, que a nossa negatividade é o resultado de uma educação muito crítica e que precisamos nos abrir para outros pontos de vista mais positivos. Ou então, que a nossa manipulação emocional seja o resultado de uma deficiência no nosso desenvolvimento emocional que pode ser potencializado com estratégias de reconhecimento, expressão e o controle das nossas emoções.

O importante é aceitar que temos comportamentos conflitantes e que devemos assumir a responsabilidade por eles para descobrir quais são seus verdadeiros mecanismos. Não se trata de encontrar culpados para a forma como nos sentimos, mas de nos responsabilizarmos por nós mesmos.

5 chaves para aprender a viver de forma responsável

Para evitar que a toxicidade ganhe espaço nas nossas vidas, a chave está em incorporar a responsabilidade emocional no nosso dia a dia. Um sinal de maturidade que implica assumir o controle da nossa vida e percebermos que não podemos dar ao outro o poder sobre o que sentimos. Mas, como cultivar a responsabilidade emocional?

  • Pratique a inteligência emocional. Para sermos responsáveis ​​pelo que sentimos, precisamos entender e gerenciar nossas próprias emoções e as dos outros. Para isso, aprenda a estabelecer limites, cerque-se de pessoas positivas, exercite o autocontrole, seja empático e procure o lado positivo de tudo o que acontece. Isto nos ajudará e evitar a toxicidade nas nossas vidas.
  • Evite responsabilizar os outros. As emoções que sentimos são geradas dentro de nós, pertencem a nós. Concentrar-se nelas é fundamental porque não se trata de encontrar um culpado pelo nosso mal-estar, mas de aprender a gerenciá-lo.
  • Assuma o controle dos seus sentimentos. Assumir o peso total das emoções é muito complicado, mas podemos começar a praticar: mude o “Você me irrita” ou “Você me faz sentir mal” por “Estou irritado com o que você fez ou com o que aconteceu”. Eu sou o único que sente raiva pelo que aconteceu e eu vou tentar aprender a lidar com ela em vez de evitá-la ou rejeitá-la”. Desta forma, assumiremos o controle do que sentimos.
  • Canalizar as nossas emoções. Liberar a raiva, a tristeza ou o medo de assimilar o que nos acontece facilitará a compreensão da sua mensagem.
  • Escolha a sua atitude. Não podemos mudar os fatos que acontecem ou as pessoas que nos rodeiam, mas podemos mudar a atitude com a qual enfrentamos a vida. Para isso, focar a sua atenção no seu interior e escolher como vai reagir diante de tudo que acontece é fundamental. Não podemos esquecer que a última decisão é sempre nossa.
Cultive a responsabilidade emocional para se proteger da toxicidade

A toxicidade é um mecanismo ativado para proteger as nossas feridas, e a melhor maneira de evitar que isto aconteça é através da responsabilidade emocional. A vida não é tão simples e cada um de nós é uma coleção de histórias e circunstâncias que nos ensinaram a nos defendermos da dor e do sofrimento, às vezes de forma saudável e outras de maneira tóxica. A questão é se conscientizar desses mecanismos e transformar o que é tóxico em oportunidade de crescimento.