Rompimento amoroso: a culpa não é sua

dezembro 29, 2018

Um rompimento amoroso costuma ser doloroso para as partes envolvidas. No entanto, a pessoa que foi abandonada pode se sentir muito pior, porque não teve a oportunidade de participar da decisão. Por esta razão, ela pode interpretar a situação como uma falha de sua parte e desenvolver um sentimento de culpa, na maioria das vezes, destrutiva.

Esse sentimento de fracasso pessoal pode ser ainda maior se o rompimento tiver sido causado por uma terceira pessoa. Nestes casos, parece inevitável se comparar com o terceiro, o que contribui para que a pessoa se sinta ainda pior. Agora, é inevitável ter esse sentimento de “não ter nenhum valor” quando nos deixam? Vamos nos aprofundar.

O fato de ter sido abandonado não significa que você falhou, especialmente se você se entregou de forma sincera e verdadeira para a outra pessoa.

A dor de um rompimento amoroso

Por que sofremos tanto? Quando um relacionamento termina a dor nos invade, especialmente se essa decisão não foi nossa, afinal, queremos continuar com o nosso ex-parceiro. No entanto, existem muitos processos que entram em jogo em um rompimento amoroso. É nesse momento que todos os tipos de mudanças ocorrem na parte mais íntima do nosso ser.

Mulher chorando

Quando escolhemos um parceiro, não o fazemos ao acaso: existe algo que nos conecta profundamente e decidimos ficar com ele. Nesse momento, mostramos a nossa parte mais vulnerável com a esperança de sermos retribuídos.

Se tudo correr bem e o relacionamento começar, entraremos na fase do namoro. Durante esta fase, estamos encantados com essa pessoa, a admiramos e a vemos como única. Acreditamos que ela nos complementa e que encontramos “a nossa metade da laranja”, embora essa frase seja um pouco ultrapassada.

Quando o relacionamento não vai bem, nos sentimos completamente desnorteados. Nós não sabemos o que fazer com as nossas emoções e procuramos desesperadamente manter essa pessoa ao nosso lado. Muitas vezes, podemos ter comportamentos que mostram que não nos valorizamos o suficiente.

Existem muitos fatores que influenciam o nosso modo de agir, mas a maioria deles vem de um medo terrível de ficar sozinho. Por causa das nossas crenças irracionais sobre o amor, quando nos sentimos sozinhos o vazio interior aparece e sentimos medo de não saber o que fazer com ele. Às vezes, isso nos leva a agir de forma a prejudicar a nós mesmos.

De onde vem esse vazio?

O vazio que sentimos quando nos deixam é nosso, vem da nossa parte mais íntima. Acreditamos que precisamos da outra pessoa para nos sentirmos completos, mas este é um erro grave. Pensando dessa maneira, estamos dando uma responsabilidade extremamente grande àquela outra pessoa, algo que não lhe pertence.

Quando começamos a depender dos outros para nos sentirmos bem, estamos estabelecendo as bases para o fracasso do nosso relacionamento. Uma coisa é se sentir bem com o nosso parceiro, e outra bem diferente é precisar dele para ficar bem. Se nos colocarmos nessa posição, certamente nos sentiremos vulneráveis ​​e inseguros, e isso fará com que até mesmo o relacionamento mais saudável comece a se deteriorar.

Para construir um relacionamento maduro e consciente, são necessárias duas pessoas completas, não uma espécie de fusão de ambas. É como dançar um tango: os dois membros do casal devem conhecer o seu papel, eles não podem depender um do outro para dar o próximo passo. Ao unir os movimentos, podemos apreciar uma única dança que agrada tanto quem olha quanto quem dança.

Da mesma forma, o segredo de um relacionamento é que cada um possa continuar a ser ele mesmo, apesar de fazer parte de um casal. Para isso, ambos devem assumir a responsabilidade por suas ações. Os dois podem se amar intensamente e verdadeiramente, mas da maneira que mais os preencha.

O fato de ter sido abandonado não significa que você errou, talvez sim ou talvez não; a coisa mais importante é que você continuará sendo você mesmo apesar de estar em um relacionamento de casal.

Homem triste

Quando você realmente se entrega, não existe fracasso

Quando nos entregamos verdadeiramente em um relacionamento, nos sentimos mais conectados com a outra pessoa. Além disso, estamos agindo de forma coerente entre o que estamos pensando e sentindo sobre o relacionamento de casal. O amor torna-se, assim, algo mais puro. No entanto, agir dessa forma é muito difícil, porque temos medo de sermos ridicularizados, feridos ou abandonados.

Para perdermos esse medo, devemos entender que o pior não é o abandono. Assim, o maior fracasso não é o rompimento, mas o tempo investido em um relacionamento em que não nos sentíamos confortáveis ​​ou não nos entregávamos totalmente por nossos medos.

Se estávamos em um relacionamento em que nos entregamos sincera e verdadeiramente, demos o nosso melhor e ainda assim fomos abandonados, isso não significa que somos um fracasso. Por quê? Porque durante o tempo em que estivemos lá, estávamos totalmente envolvidos.

Ou seja, o simples fato de estarmos em um relacionamento já nos compensava o suficiente, porque era o que realmente queríamos fazer. Não o fizemos para não ficarmos sozinhos, para cumprir um compromisso ou por qualquer outro motivo baseado no medo. Esse é o verdadeiro sucesso e valor de um relacionamento.

Se você foi deixado, não trate o abandono como um fracasso se você deu o melhor de si.

A história de um casal não deve ser avaliada baseada em uma separação ou na duração do relacionamento. Se a outra pessoa não estava tão envolvida quanto nós, talvez ela tenha falhado ou simplesmente não era compatível conosco. Em qualquer caso, o seu valor como pessoa ainda está intacto, não importa o que aconteça. Afinal, você fez o que achou que era o mais correto.

“O que já desfrutamos alguma vez na vida, nunca perdemos. Tudo que amamos profundamente se transforma em parte de nós mesmos”.
-Hellen Keller-