Segundo a ciência, a anorexia pode alterar a estrutura do cérebro

Se a anorexia não for tratada, pode ter efeitos muito graves em áreas do cérebro, como a massa cinzenta. Os transtornos alimentares (TAs) são um dos mais perigosos e, infelizmente, um dos mais frequentes.
Segundo a ciência, a anorexia pode alterar a estrutura do cérebro

Última atualização: 09 julho, 2022

A pandemia tem sido o ponto de partida de uma tendência preocupante: o aumento das internações por transtornos alimentares (TAs). A incidência é preocupante em crianças menores de 12 anos. É importante lembrar que não estamos lidando com qualquer condição psicológica. Além do mais, agora sabemos até que a anorexia pode alterar a estrutura do cérebro.

Estamos diante de uma realidade clínica com impacto significativo na saúde do paciente. Também para os familiares que são sempre testemunhas daquele declínio físico, daquela perda de massa muscular, desidratação, pele seca, queda de cabelo, desmaios e fadiga permanente.

Muitos desses jovens relutam em pedir ajuda. Somado ao desconhecimento da doença, o fato de cair aos poucos em estados depressivos e pensamentos distorcidos pode ser um freio na hora de dar um passo tão decisivo. Diante dessa situação, é decisivo levar em conta um detalhe: se a anorexia não for tratada desde o início, sequelas graves podem permanecer permanentemente.

Vista lateral do cérebro mostrando como a anorexia pode alterar a estrutura do cérebro
Embora seja verdade que a anorexia é uma condição séria e pode causar afinamento cortical, é reversível se tratada precocemente

A anorexia pode alterar a estrutura do cérebro

Foi uma descoberta muito recente. Ver como a anorexia pode alterar a estrutura do cérebro foi o resultado de um processo de pesquisa detalhado liderado pela Universidade de Bath e apoiado por várias organizações internacionais. Neste projeto, 2.000 imagens cerebrais pré-existentes de pessoas com anorexia e sem anorexia foram analisadas.

Uma parte deas também estava em fase de recuperação e seguindo controles da saúde. A pesquisadora principal, Esther Walton, do Departamento de Psicologia da Universidade de Bath, explicou que este foi um trabalho extenso e meticuloso. Nele, universidades e centros médicos de todo o mundo colaboraram. O que se viu é revelador.

Especialistas alertam: é crucial recuperar o peso dos pacientes com segurança, para reduzir o impacto que a própria fome pode ter tanto no corpo quanto no cérebro.

Encolhimento do cérebro devido à anorexia e seus efeitos

De fato, um primeiro indicador claramente impressionante é apreciar uma redução na superfície cortical, espessura cortical e volume subcortical. Em outras palavras, o que fica evidente é uma redução da massa cinzenta, uma perda de células cerebrais e das conexões entre elas. Tudo isso se traduz em um volume menor do órgão.

É importante ter em mente que essa área do cérebro é fundamental na distribuição das informações nervosas. Funciona como uma central telefônica e como um diretório de tudo o que acontece no cérebro: movimentos, memória, emoções, comunicação, tomada de decisão, etc.

O que pode aparecer, portanto, em nível neurológico e comportamental nessas pessoas que sofrem de anorexia nervosa (e não recebem tratamento), é o seguinte:

  • Redução de oxigênio no cérebro.
  • Alteração de neurotransmissores.
  • Aumento do risco de desenvolver demências precoces.
  • Aparecimento de convulsões, síndrome das pernas inquietas.
  • Resposta alterada em regiões do cérebro que fazem parte do circuito de recompensa.
  • Comportamentos obsessivos, irracionais e dificuldade de raciocínio como consequência dessas alterações neurológicas.

Portanto, já sabemos que a anorexia pode alterar a estrutura cerebral, mas… Por que isso acontece? E mais importante, é irreversível?

Qual é a causa dessa alteração cerebral?

Há um fato chocante que se destaca nesta pesquisa: a anorexia afeta o cérebro mais do que qualquer outra condição psiquiátrica. Sabemos que depressão, transtorno obsessivo-compulsivo, estresse ou esquizofrenia alteram várias regiões do cérebro. No entanto, esta descoberta destaca a gravidade dos transtornos do comportamento alimentar (TAs).

Bem, se nos perguntarmos o motivo dessa redução da massa cinzenta, a causa está no Índice de Massa Corporal (IMC). Em outras palavras, a desnutrição elevada altera a neurobiologia do paciente, enfraquecendo-a lenta e progressivamente.

A fome faz com que o corpo tome urgentemente nutrientes dos músculos e até do coração. Se a pessoa arrasta a anorexia por muito tempo, os neurônios da massa cinzenta desaparecem aos poucos.

menina pensando como a anorexia pode alterar a estrutura do cérebro
O atendimento multidisciplinar na anorexia é fundamental para evitar sequelas irreparáveis na saúde física e cerebral

O tratamento precoce reduz anormalidades cerebrais

Há esperança. É verdade que saber que a anorexia pode alterar a estrutura cerebral é alarmante. Também é chocante saber que a saúde desses meninos e meninas pode se traduzir em consequências crônicas, como problemas renais, ósseos ou cardíacos. No entanto, em todos os casos, a atenção precoce ao transtorno em si é decisiva. Não apenas todas essas alterações na saúde podem ser evitadas, mas o dano cerebral pode ser revertido. Ou seja, a matéria cinzenta pode recuperar sua densidade original.

De fato, os pesquisadores descobriram que grandes reduções na estrutura cerebral foram recuperadas à medida que o paciente progredia na terapia e na recuperação. Portanto, é fundamental enfatizar mais uma vez a importância do atendimento precoce para esse tipo de transtorno do comportamento alimentar.

A remissão da anorexia só virá se iniciarmos um tratamento multidisciplinar, no qual combinamos tanto o aspecto nutricional, terapia psicológica (individual e em grupo) e atendimento médico. Muitas vezes, também é necessário recorrer a antidepressivos ou antipsicóticos. Seja como for, cada caso é único e requer atenção personalizada.

Nota final

É importante ter em mente que a anorexia não significa apenas mostrar problemas com a alimentação. Estamos diante de uma condição em que a pessoa luta com problemas de autoestima, autoexigência, ansiedade e estresse. Um paciente com transtorno do comportamento alimentar (TA) nem sempre admite que tem um problema, por isso o apoio do ambiente é fundamental.

Se temos um amigo ou parente que tem uma má relação com a comida, tenhamos cuidado. Vamos tentar fazer com que ele veja sua realidade e a necessidade de solicitar ajuda especializada. Vamos acompanhar e ser aquele apoio respeitoso que não julga.

Pode interessar a você...
Manorexia: um distúrbio alimentar que afeta os homens
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Manorexia: um distúrbio alimentar que afeta os homens

A manorexia é um transtorno alimentar semelhante à anorexia, mas é sofrido principalmente por homens. Saiba mais neste artigo!



  • Esther Walton, Fabio Bernardoni, Victoria-Luise Batury, Klaas Bahnsen, Sara Larivière, Giovanni Abbate-Daga, Susana Andres-Perpiña, Lasse Bang, Amanda Bischoff-Grethe, Samantha J. Brooks, Iain C. Campbell, Giammarco Cascino, Josefina Castro-Fornieles, Enrico Collantoni, Federico D’Agata,  Brain Structure in Acutely Underweight and Partially Weight-Restored Individuals with Anorexia Nervosa – A Coordinated Analysis by the ENIGMA Eating Disorders Working Group. Biological Psychiatry, 2022; DOI: 10.1016/j.biopsych.2022.04.022